Vestibular amplia abrangência nacional

A Unicamp somou, entre os aprovados na primeira chamada do Ingresso 2020, 663 estudantes oriundos de fora do Estado de São Paulo, o que faz do percentual de estudantes de outros Estados o maior já registrado pela Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest). Dos 3.412 aprovados em primeira chamada, 19,4% são de fora do Estado de São Paulo. No ano anterior, a Unicamp teve entre os matriculados 11,9% estudantes de outros Estados. O índice contribuiu para aumentar a abrangência nacional do Vestibular Unicamp e demais formas de ingresso, de maneira a chegar a 26 unidades da Federação. Ainda estão previstas mais nove chamadas de convocados, até o final de março.

O dado é reflexo das novas modalidades de ingresso nos cursos de graduação da Universidade, implantadas em 2019, de acordo com o diretor da Comvest. José Alves de Freitas Neto comemora o fato de a Comissão haver registrado quase 20% dos aprovados vindos de diferentes partes do país e avalia que “Com as Vagas Olímpicas e o ENEM, temos a oportunidade de ampliar a diversidade dos estudantes quanto ao local de origem. No passado, a Unicamp foi reconhecida por seu Vestibular Nacional. Com a retomada das provas em várias capitais, desde o Vestibular 2018, e com as formas de ingresso adotadas desde o ano passado, a Unicamp busca os melhores estudantes onde quer que eles estejam e, dessa forma, fortalece a sua imagem como uma das principais universidades do país”, comentou.

Atualmente, o Vestibular Unicamp é realizado em cinco capitais e no Distrito Federal e o Vestibular Indígena em outros três Estados, de maneira que a Unicamp seleciona estudantes em um total de nove unidades da Federação, ou seja, 1/3 do país. A figura abaixo mostra o percentual de estudantes aprovados na primeira chamada, distribuídos por regiões.

Aprovados por regiões

1

 

RMC

23,6%

RMSP

29,1%

Outras regiões SP

27,8%

Outros Estados

19,4%

Lael Viana Lima é de Teresina, no Piauí, e foi aprovado para o curso 51 – Matemática, Matemática Aplicada e Computacional, Física e Engenharia Física. Ele prestou o Ingresso Unicamp 2020 em duas modalidades: o vestibular tradicional e as Vagas Olímpicas, e foi convocado em primeira chamada pela modalidade que usa apenas o desempenho em competições científicas para classificar os candidatos. Ao saber da aprovação, nesta quarta-feira (5/2), Lael comemorou. “Sempre gostei de matemática e quando comecei a buscar cursos na área, procurei conhecer mais a respeito do Curso 51 e acho que é uma das melhores opções. Além disso, já sabia da Unicamp e sua qualidade. Estou muito feliz e a ficha ainda está caindo!”, afirmou.

Lael Viana Lima, aprovado no curso de Matemática da Unicamp
Lael Viana Lima, aprovado no curso de Matemática da Unicamp

Lael ainda estuda, juntamente com a família, se será possível sua vinda à Campinas e estão avaliando questões como moradia e a logística para a mudança. Sobre a ideia que estudantes de outras regiões do Brasil têm de São Paulo e de Campinas, Lael disse que acredita muitas vezes haver uma visão equivocada. “Acho que por aqui não chega tanta informação sobre a região e as possibilidades de estudo. Além disso, muitas famílias daqui não têm condições de investir em uma boa educação para os filhos, o que pode acabar afastando muitos estudantes de prestar grandes universidades como a Unicamp”, disse.

Diversidade

Segundo a Comvest, a análise do perfil dos aprovados indica o novo modelo de prova adotado no Vestibular Unicamp 2020 e a diversificação das modalidades de ingresso (Enem, Vagas Olímpicas e Vestibular Indígena) como cruciais na manutenção das metas definidas, em 2017, pelo Conselho Universitário em relação à inclusão social. “Há várias formas de se ler os resultados: os dados globais e os dados por curso. Nos dados globais tivemos um pequeno decréscimo de estudantes de escola pública de 48,7%, em 2019, para 48,2%, nesse ano. Porém, quando observamos os dados por curso, notamos que 47 cursos têm mais de 45% de convocados vindos da escola pública”, observa José Alves.

Os dados por curso estão disponíveis na página eletrônica da Comvest e na tabela.

No Ingresso Unicamp 2020, o vestibular tradicional representou 75,7% das vagas e a modalidade Enem ficou com 18,7% do total de vagas oferecidas. Os outros 5,5% se dividiram entre o Vestibular Indígena (2,78%) e as Vagas Olímpicas (2,72%).

2

Em relação à inclusão de estudantes autodeclarados pretos e pardos, os dados demonstram que apesar de haver 35,2% entre os aprovados na primeira chamada, o percentual daqueles que optaram por participar do sistema de cotas étnico-raciais é menor: 28,8%. Na avaliação do diretor da Comvest, esse é um dado peculiar, considerando que as cotas cumprem um importante papel enquanto política pública capaz de aumentar a representatividade da população negra do Estado de São Paulo - de 37% - na Unicamp.

“Boa parte dos estudantes negros prefere disputar as vagas pela ampla concorrência e disso decorrem dois aspectos: os candidatos ouvidos no ano passado e, cruzando o perfil sociocultural desse ano, são candidatos com experiência escolar semelhante aos de ampla concorrência quanto à renda e ao tipo de escola”, explicou José Alves.

Antes da adoção das étnico-raciais cotas pela Unicamp, os índices de estudantes matriculados que se autodeclaravam pretos e pardos variavam entre 14% e 20%.

Aprovados por modalidade

 

 

Escola pública

Pretos e pardos

Indígenas

Modalidade

Convocados

n

%

n

%

n

%

Vestibular Unicamp

2.585

1.010

39,1%

836

32,3%

2

0,1%

Enem

639

510

79,8%

347

54,3%

0

0,0%

Vestibular Indígena

95

95

100,0%

0

0,0%

95

100,0%

Vagas Olímpicas

93

30

32,3%

19

20,4%

0

0,0%

Total

3.412

1.645

48,2%

1.202

35,2%

97

2,8%

Imagem de capa

Vestibular Unicamp 2020 | Foto: Antonio Scarpinetti
Vestibular Unicamp 2020 | Foto: Antonio Scarpinetti