Conferência destaca potencial do EPIC para a inovação no setor energético 

Mesa de abertura da Conferência do Energy Production Innovation Center (EPIC), com representação da Equinor, da reitoria da Unicamp, da Fapesp e da Agência Nacional do Petróleo
O Energy Production Innovation Center (EPIC) é resultado de parceria entre Unicamp, Fapesp e Equinor

Evidenciando a importância da aplicação prática do conhecimento acadêmico para os avanços em inovação, começou na quarta-feira (6) a primeira conferência do Energy Production Innovation Center (EPIC). Durante o evento, os pesquisadores do EPIC puderam conhecer expectativas em relação ao centro, criado em fevereiro deste ano, além de discutirem os planos de trabalho e resultados preliminares das pesquisas. O EPIC é resultado de uma parceria entre a Unicamp, onde tem sede, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e a Equinor, empresa norueguesa do ramo de energia.

Compuseram a primeira mesa da conferência realizada no auditório da Faculdade de Engenharia Mecânica o professor da unidade e diretor do EPIC, Antonio Carlos Bannwart; Luiz Nunes, da Fapesp; Ruben Schulkes, da Equinor; Alfredo Renault, da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e o reitor da Unicamp, Marcelo Knobel, que pontuou o EPIC como um importante projeto para a Universidade no seu compromisso com a ciência, a tecnologia e a inovação. 

Ganhos para todos
O EPIC foi fundado a partir de projeto de professores da Engenharia Mecânica da Unicamp, que venceram um chamado do programa Centros de Pesquisa em Engenharia (CPE) da Fapesp. Para o professor de Engenharia Mecânica Antonio Bannwart e para o empresário Ruben Schulkes, o estabelecimento da parceria traz ganhos para todos. Em relação à Universidade, de uma forma geral, Antonio pontua que os recursos investidos servem para multiplicar processos de criação e inovação e adquirir maquinário que auxiliem nesse sentido. 

Antonio Bannwart, professor de Engenharia Mecânica da Unicamp
Para o diretor do EPIC, Antonio Bannwart, parceria multiplica processos de criação e inovação

Já para a Equinor, conforme aponta Ruben, é uma oportunidade para aprimorar métodos e buscar soluções a questões técnicas, como a recuperação de petróleo. Quanto aos desafios, acredita que o principal é ampliar a aplicação do conhecimento acadêmico nas empresas. “Nós queremos interagir de perto com a universidade, não somos uma empresa que apenas coloca dinheiro e recebe a pesquisa”.

Outro benefício citado por ambos é a possibilidade de aumentar a empregabilidade dos estudantes. “Quando adquirirem a formação com uma bolsa, que veio da Fapesp ou da empresa, seja na graduação, no mestrado ou doutorado, já irão trabalhar com uma qualificação bem superior. A chance de melhorar a empregabilidade dos egressos é muito boa”, aponta Antonio. 

Para Ruben, os encontros com as equipes da universidade são oportunidades em que a empresa observa os alunos e seu potencial. “Olhamos para as pessoas e pensamos ‘esse é um ótimo estudante’, de perfil superior, e podemos empregá-lo”. 

Ruben Schulke, representante da Equinor
“Nós queremos interagir de perto com a universidade", diz Ruben Schulke, da Equinor

Além disso, com a parceria surgem as oportunidades de intercâmbio, as quais contribuem para o desenvolvimento dos pesquisadores, com a troca de conhecimentos. No viés da Equinor, ainda, auxiliam para formar um dos perfis almejados pela empresa: profissionais que compreendam tanto a cultura brasileira como a cultura norueguesa.

O representante da ANP, Alfredo Renault, destacou que o investimento obrigatório das empresas do setor de energia, neste ano, estão calculados em R$2 bilhões. A receita decorre de uma cláusula de contrato para as companhias mais produtivas ou com grande lucratividade, que devem investir 1% da receita bruta em pesquisa e desenvolvimento. Para ele, esta é uma política importante que pode impulsionar a inovação, a qual tem como um dos desafios a questão da segurança operacional, impactando em menores riscos ambientais. “Nós precisamos ampliar inovação, fazer as universidades brasileiras olharem mais para o processo de inovação sem a gente cair no discurso de que a ciência básica não é relevante, pois temos total capacidade de equilibrar as necessidades do país. Esse projeto é uma mostra de que esse caminho está sendo trilhado”.

Alfredo Renaulto, da Agência Nacional do Petróleo
Alfredo Renault, da ANP, explicou que um dos desafios da inovação no setor energético é a segurança operacional

Ciência e aplicação juntas
A necessidade das pesquisas aplicadas também foram apontadas na abertura da conferência. Segundo o coordenador adjunto de Programas Especiais e Colaborações em Pesquisa da Fapesp, Luiz Nunes, a história da ciência mostra que, quando ela é realizada junto a pessoas que pensam suas aplicações, excelentes trabalhos são feitos. Ele cita como exemplo o desenvolvimento da Segunda Lei da Termodinâmica, formulada a partir dos estudos de Sadi Carnot durante uma missão em que foi chamado a melhorar a eficiência de máquinas térmicas, no início do século XIX. 

Luiz Nunes, da Fapesp
Luiz Nunes, da Fapesp, aponta excelentes resultados em parcerias realizadas nos moldes do EPIC

Acreditando nesse potencial, a Fapesp hoje trabalha com 12 centros nos moldes do EPIC. “Esse tipo de centro parte de uma visão de que, para uma atividade de parceria funcionar, não basta a empresa dar dinheiro para a universidade fazer um projeto, ela precisa participar do projeto, acompanhar o dia a dia”. 

Luiz avalia que os resultados são extraordinários, e cita o exemplo do Shell Research Centre for Gas Innovation (RGCI), sediado na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP). Com menos de cinco anos de funcionamento, o RGCI possui cerca de 300 pesquisadores envolvidos e, neste ano, é finalista do prêmio em Inovação Tecnológica da Agência Nacional do Petróleo (ANP).
 

Imagem de capa

Mesa de abertura da primeira conferência do Energy Production Innovation Center (EPIC)
Mesa de abertura da primeira conferência do Energy Production Innovation Center (EPIC)