Pesquisa amplia compreensão da percepção ambiental da comunidade da Unicamp

O que a comunidade da Unicamp pensa sobre sustentabilidade? Essa foi a pergunta que guiou uma extensa pesquisa conduzida pela Câmara Técnica de Gestão de Ambiente Urbano (CGTAU) que envolveu os três campi da Universidade e cujos resultados são divulgados agora. Os resultados, reunidos em um relatório, devem ajudar a construir cenários de futuro pelo Grupo Gestor Universidade Sustentável (GGUS), ligado à Diretoria Executiva para Planejamento Integrado (DEPI), e que encomendou o estudo.

A pesquisa foi coordenada pela professora Emília Rutkowski, da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC). Segundo ela, o método escolhido para analisar um fenômeno complexo como é a sustentabilidade foi a cartografia social. “O mapeamento participativo, ou cartografia social, é um processo de produção de mapas cujo objetivo é tornar visível e espacializar a associação entre o território e as comunidades locais utilizando a linguagem da cartografia. Diferentes símbolos, camadas e escalas podem ser utilizados para apresentar a informação espacial. Podem estar relacionadas a informações detalhadas de determinado local e, portanto, em menor escala, ou compreender uma área maior (e.g., bacias hidrográficas, áreas verdes, etc.), descrevem os autores do relatório final da pesquisa. Ainda de acordo com os autores, o método da cartografia oferece uma representação social e culturalmente distinta, com informações que não aparecem em mapas padronizados. Os mapas gerados a partir de oficinas de discussão oferecem uma ligação entre a localização e as percepções vividas in loco. “Nas oficinas, cada participante apresenta seu entendimento quanto ao espaço vivido, em diálogo com diferentes percepções. É um método que estimula o envolvimento da comunidade, o pensamento crítico e a ação coletiva, uma vez que permite o compartilhamento de experiências individuais e coletivas”, escreveu.

Além disso, para fazer o reconhecimento de padrões de uso e apropriação dos espaços, em todas as oficinas foi utilizada a legenda do Green Map System, um sistema aberto e padronizado de ícones que serve para identificar lugares potencialmente sustentáveis ou desafiantes para a sustentabilidade. “O uso casado da cartografia social com o Green Map System permitiu a construção de mapas verdes. Os ícones do sistema Green Map foram adaptados para o contexto da universidade e dispostos em três eixos: “Modo de vida sustentável”, “Natureza”, “Cultura&Sociedade” e “Riscos e Desafios”. Cada eixo foi dividido em subtemas.

Leia matéria completa no site da DEPI. 

Depi