A tecnologia assistiva que rompe barreiras

A legislação brasileira prevê, desde 1999, que os espaços universitários estejam adequados às Pessoas com Deficiência (PCD), além de estabelecer a adoção de planos e núcleos de acessibilidade. Esta legislação foi reforçada em 2015 com a Lei Brasileira de Inclusão (LBI). Mas na Unicamp a questão da acessibilidade veio antes, com a proposta de criação do Laboratório de Acessibilidade (LAB), ainda no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) pela então funcionária Deise Tallarico Pupo, em 1998. O espaço de ensino, pesquisa e extensão, modelo para diversas instituições de ensino superior, foi inaugurado em 2002 na Biblioteca Central Cesar Lattes (BCCL) – na época com apoio da Fapesp e da Pró-Reitoria de Graduação (PRG). A área atende toda a Universidade e comunidade externa com proposta de inclusão em ensino e aprendizagem. Portas mais largas, área de circulação ampla, mesa adaptada para cadeira de rodas, jogos educativos, fantoches em feltro e cartazes em Libras sinalizam a aposta em todas as deficiências, indo além da visual, que foi o ponto de partida do laboratório. “A interface tecnológica é apenas um dos aspectos da acessibilidade. A inclusão também envolve projetos arquitetônicos corretos, adaptação de programas de ensino e, claro, mudanças de atitude”, afirma Valéria Martins, coordenadora do LAB e do Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU).

Váleria Martins
Váleria Martins

Dividido em ambientes como acesso à informação, apoio didático e sala multimídia, o LAB tem como proposta incentivar os usuários a fazer estudos e pesquisas com maior autonomia e independência. O apoio começa logo no vestibular, no qual os candidatos com deficiência podem contar com as tecnologias do espaço para realizar as provas. Ao ingressar na Unicamp e se declarar PCD, o acesso às ferramentas está garantido por todo o período de permanência. De acordo a DAC (Diretoria Acadêmica), atualmente são 48 alunos - de graduação e pós-graduação – autodeclarantes. “Centenas de estudantes já passaram por aqui, hoje temos em média 20 usuários, mas as ações também focam no preparo do professor para lidar com os alunos e acessar materiais bibliográficos”, comenta Valéria. Ela exemplifica: “ter mais tempo para fazer uma prova, usar alguma das tecnologias, escanear livros para braille ou em arquivos de áudio são algumas opções”. A partir de projetos para captação de recursos, o LAB conseguiu, entre diversos materiais, constituir um acervo com 10 mil itens bibliográficos adaptados e uma impressora 3D, requisitada inclusive para aulas de biologia. Estudar uma célula ou um átomo, por exemplo, ficou mais viável.

Equipe
Equipe

A demanda é contínua e a seleção de ferramentas acontece caso a caso: “conviver com pessoas com deficiência é o melhor caminho para ir além das teorias de acessibilidade”, afirma a coordenadora do LAB. Entre os próximos passos, está a expansão da acessibilidade para outras bibliotecas do campus, onde haja kit básico de dispositivos para que se possa trabalhar localmente. Os funcionários Fernanda Landim e Luiz Felipe Ribeiro estão na linha de frente do atendimento, com apoio de bolsistas e estagiários. “A entrevista inicial nos indica o que realmente é necessário, seja uma digitalização de livros, uso de leitor para baixa visão, leitor autônomo com até 16 línguas diferentes, lupas eletrônicas ou até mesmo um trabalho de escriba”, comenta Fernanda. A proposta é de acesso livre e autônomo também para quem vem de fora. “Geralmente recebemos pessoas com deficiência e escolas públicas que querem compreender nossos softwares e hardwares, por meio de oficinas e experimentações”, confirma Felipe.

André Kaysel Velasco e Cruz
André Kaysel Velasco e Cruz

André Kaysel Velasco e Cruz é professor do Departamento de Ciência Política do IFCH desde março de 2017. Com glaucoma congênito, perdeu a visão por completo aos 22 anos. Acompanhado pelo seu cão-guia Jed, circula por diversos espaços na universidade. Divide seu tempo entre aulas sobre história do pensamento político brasileiro, orientação de alunos e reuniões de departamento. Quase um ano e meio após seu ingresso, avalia os inegáveis desafios, como barreiras arquitetônicas e desconhecimento de algumas pessoas sobre como lidar com a situação. “A receptividade no IFCH foi muito boa, mas em geral sempre há preconceito e dúvidas sobre acessibilidade”, comenta. Na ocasião, o LAB teve um papel importante, levando ao instituto palestras sobre orientações e incentivo ao uso de tecnologias disponíveis para os estudos. “Muitos não sabem o que o espaço oferece em termos de softwares e leitores autônomos, além de profissionais preparados para lidar com pessoas com deficiência”. Ele também menciona a possibilidade de acompanhar a Ópera “A Flauta Mágica”, apresentada no Theatro Municipal de Paulínia em setembro do ano passado, com audiodescrição ao vivo feita pelo LAB. O professor foi convidado para integrar um Grupo de Trabalho sobre Acessibilidade constituído pela Reitoria. O relatório, entregue no fim de 2017, visa à criação de uma coordenadoria integrada na área e foi elaborado por diversos setores da instituição. “Unir esforços no ensino e desenvolver pesquisas deve tornar o espaço público mais acessível e com soluções para toda a sociedade”, afirma Kaysel.   

Parcerias possibilitam ações de pesquisa e extensão
O diferencial do LAB em relação a outros núcleos de acessibilidade brasileiros é o desenvolvimento de pesquisas e extensão, mas isso não seria possível sem parcerias. Acadêmicos de várias áreas do conhecimento foram se aproximando ao longo do tempo, indo além do uso de dispositivos. Unidades como a Faculdade de Educação (FE), Instituto de Estudos da Linguagem (IEL), Instituto de Computação (IC), Instituto de Artes (IA) e Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) e núcleos de pesquisa, como o Núcleo Interdisciplinar de Comunicação Sonora (NICS), Núcleo de Informática Aplicada à Educação (Nied) e o Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) desenvolvem projetos em parceria. Entre eles, estão as oficinas sobre o tema para alunos de pedagogia e, recentemente, um curso à distância de 128 horas, promovido com a Escola de Extensão da Unicamp (ProEC). “Contação” de histórias sobre inclusão para as crianças da DEdIC (Divisão de Educação Infantil e Complementar) da Unicamp também acontecem a cada 15 dias, a partir do uso de fantoches, jardim sensorial e jogos educativos. Programas institucionais com escolas, como CAF (Ciência e Arte nas Férias) e PIBIC-EM (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica para o Ensino Médio) também estão na agenda do LAB. “Desenvolvemos gibis, vídeos, brinquedos e cartilhas, a fim de disseminar a inclusão dentro e fora da universidade”, conta Fernanda.

A computação a serviço da acessibilidade em música

A perda da visão aos sete anos, após acidente com arma de fogo, não impediu que Vilson Zattera seguisse a carreira de música, almejada desde pequeno ao dedilhar o violão. Fez bacharelado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e investiu na pós-graduação nos Estados Unidos. Chegou à Unicamp em 2011, onde emendou dois pós-doutorados, com foco em acessibilidade, computação e música, atuando junto com professores do IA e do NICS. E foi justamente no LAB que instalou um posto de pesquisa para orientação de alunos e desenvolvimento de tecnologias. Sete anos depois, avalia a importância do espaço para galgar uma nova etapa profissional, agora como docente efetivo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). “Aqui estudamos computação aplicada à musicografia em braille, performance musical e autonomia de músicos deficientes visuais, a fim de que possam usufruir dos recursos computacionais, além de produzir materiais com mais agilidade e eficiência”, comenta Zattera, que seguirá paralelamente como pesquisador colaborador da Unicamp. Ele cita exemplos como a transcrição de Song Books de Música Popular Brasileira, a solução braille handle - forma simples e barata de escrever por meio do sistema Perkins, pesquisas sobre autismo e música para bebês com deficiência. Apesar de muitas palestras pelo país, participação em congressos e aumento do interesse interdisciplinar em tecnologia assistiva, lamenta a falta de acesso a dispositivos de baixo custo. “No Brasil a prática ainda engatinha, faltam investimentos em inovação, apesar de leis favoráveis”. Para ele, o caminho é apostar na “acessibilidade recíproca”, isto é, que permita a interação 100% entre “videntes” e PCDs, com diálogo e intercâmbio de linguagem e plena inclusão”, conclui.    

Veja vídeos produzidos pelo LAB para falar de acessibilidade com as crianças:


Este é o ponto:


Uma história sobre acessibilidade: 

Acesse o vídeo da TV Unicamp (2017) sobre uma das tecnologias desenvolvidas no LAB:

 

Veja mais sobre a história do LAB em matéria do Jornal da Unicamp:

http://www.unicamp.br/unicamp/ju/561/deise-uma-pioneira-da-acessibilidade

 

Leia, na íntegra, a LBI (Lei Brasileira de Inclusão), de 2015:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm

Vilson Zattera
Vilson Zattera
Fernanda Landim
Fernanda Landim
Luis Felipe Ribeiro
Luis Felipe Ribeiro

Imagem de capa

Audiodescrição: Em área externa, imagem frontal e de corpo inteiro, homem com deficiência visual, ao centro na imagem, caminha sendo conduzido por cão guia, segurando o animal pela coleira com a mão esquerda. À direita na imagem, há uma arbusto; ao centro centro, um canteiro com vegetação rasteira. À esquerda na imagem, há uma parede de uma edificação, com altas palmeiras em canteiros quadrados. Há pessoas sentadas nas muretas desses canteiros. Imagem 1 de 1.
André Kaysel Velasco e Cruz ​