Migração e refúgio são tema de nova ópera de Jonatas Manzolli

Edição de imagem
montagem com imagens do professor Jonatas Mazolli

Premiado pela Fundação Rockefeller, o professor da Unicamp Jonatas Manzolli embarca neste domingo (18) para o Bellagio Center, na Itália. Selecionado entre artistas, pensadores, pesquisadores e ativistas de todo mundo, Manzolli participará de um programa de residência de um mês, durante o qual deverá iniciar o desenvolvimento de sua nova ópera Pássaros de papel e colocá-la em debate com os demais participantes. “É um espaço de conversa entre pessoas cujos projetos olham para questões da atualidade e buscam produzir mudanças no pensamento político e social a partir da arte, da política e dos estudos humanos”, contou o professor.

Entre os selecionados estão Dikgang Moseneke, juiz sul-africano que trabalhou junto a Nelson Mandela na luta contra o colonialismo e o apartheid; Jody Heymann, decana da Escola de Saúde Pública e diretora fundadora do Centro de Análises Políticas da Universidade da Califórnia; e Jan Schaffer, jornalista ganhadora do prêmio Pulitezer pelo Philadelphia Inquirer. O chamado da Fundação Rockefeller financia projetos artísticos e acadêmicos que “promovam o bem-estar da humanidade”. A proposta do Bellagio Center é ser um local para o desbloqueio de ideias, avanço do conhecimento e ativação de soluções. (Leia mais)

Pássaros de Papel
O embrião da ópera, cujo libreto deverá ser escrito Jonatas Manzolli durante sua estância no Bellagio Center, surgiu em 2015, com a perturbadora imagem da criança refugiada encontrada em uma praia na Turquia. “Aquele menino parecia estar derretendo, como se fosse de papel. Fiquei muito chocado. A situação dos refugiados é uma tragédia humana e eu precisava escrever sobre isso”, lembrou.

imagens computacionais de pássaros

Matemático e compositor, Manzolli trabalha na interface entre a matemática computacional e a música. Neste projeto, pretende refletir sobre os fluxos migratórios e a sensação de pertencimento e identidade de imigrantes e refugiados. “Pássaros de papel vai falar sobre o processo migratório usando os pássaros como visão poética das migrações e a imagem do Tsuru (pássaro de origami) como símbolo de uma busca pela paz universal”, explicou.

Segundo o autor, a ópera terá como base o livro Macunaíma, de Mário de Andrade. Sem se prender a seus aspectos narrativos, contará a história a partir do fluxo de consciência do leitor contemporâneo. “Macunaíma é um migrante. Ele saiu da Floresta e foi para São Paulo. Mas como seria um leitor de Macunaíma hoje tendo como realidade a crise dos refugiados?”, questiona. Manzolli pretende investigar para escrita da ópera as sensações e reflexões contemporâneas que o livro provoca. “Macunaíma, que era preto retinto, se banha numa poça d'água e fica branco. Depois seu irmão vermelho. Cada um fica de uma cor diferente. O que significa essa mudança da cor da pele para o leitor atual? A música vai tentar trazer em som esse processo de identificação e mudança”, contou.

Além da investigação temática, narrativa e musical, Manzolli trabalhará com sensores de movimento, pesquisa que desenvolve do Núcleo Interdisciplinar de Comunicação Sonora (Nics), desde 1996. “Eu vou tentar capturar os sinais fisiológicos dos cantores e fazer com que eles modifiquem as imagens produzidas computacionalmente. As imagens seriam como um mapeamento, uma descrição do fluxo de consciência de cantores cantando sobre essa questão”, explicou.

Imagem de capa
montagem

twitter_icofacebook_ico

Atualidades

Obra reúne acervo de Rogério Cerqueira Leite; edição estará disponível para venda em breve nos sites das editoras

O papel do rap e da educação na busca pela superação do racismo e da violência foi um dos temas debatidos

Foram aprovados os itens: “Prêmio Tese Destaque", a prorrogação da licença paternidade para servidores e recursos adicionais para o desenvolvimento de dois projetos no âmbito do Plano Plurianual de Investimentos (PPI)

Cultura & Sociedade

Fruto de parceria com jovens indígenas do país, obra “Still I Rise” traz relatos de experiências de impacto para o empoderamento de povos originários

O Instituto de Geociências recebeu 175 finalistas, distribuídos em 58 equipes; a Olimpíada Brasileira de Geografia e a Olimpíada Brasileira de Ciências da Terra contemplou 17 estudantes cada uma