Em visita à Unicamp, presidente global da Qualcomm fala do impacto do 5G na indústria

Cristiano Amon, presidente global da Qualcomm
Cristiano Amon, presidente global da Qualcomm

O presidente global da Qualcomm, Cristiano Amon, esteve nesta quarta-feira (14) na Unicamp para proferir a aula inaugural da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação. Amon é ex-aluno da Unicamp do curso de Engenharia Elétrica e veio à Universidade em meio a uma onda de exposição da empresa na mídia em função do veto do presidente Donald Trump ao processo de aquisição da Qualcomm pela empresa Broadcom.

A palestra de Cristiano Amon teve como foco as transformações na indústria e as mudanças tecnológicas na sociedade no setor de serviços, que serão resultado da próxima geração de comunicação móvel trazida pela tecnologia 5G. O executivo destacou as principais caraterísticas da tecnologia que vão permitir a expansão de aplicações de IoT (internet das coisas) no setor industrial e em outros setores. “O 5G traz a possibilidade de velocidade e dados ilimitados conectados à nuvem e principalmente confiabilidade de link, que torna possível operar serviços mais críticos via conexão móvel, como cirurgias e o controle de máquinas na indústria”, colocou Amon.

Amon comentou que a Qualcomm já realizou dois testes em cidades na Alemanha e nos Estados Unidos e que a tecnologia vai chegar ao mercado no primeiro trimestre de 2019. Ele alertou que é preciso que os governos invistam pesadamente em infraestrutura para receber as novas tecnologias, uma vez que a disposição ou falta de infraestrutura de comunicação móvel tem correlação direta com a competitividade da indústria no cenário global. “Países como a China, os Estados Unidos e a Austrália estão se preparando para receber as novas tecnologias. As operadoras estão trabalhando para que o primeiro smartphone com a tecnologia 5G esteja no mercado no primeiro trimestre de 2019”, colocou.

De acordo com ele, as operadoras americanas estão muito bem posicionadas e que por isso é possível que os Estados Unidos saiam novamente à frente. Entretanto, ele destaca o planejamento da China, que fará um teste de larga escala em 2019, com vistas a implementar a tecnologia comercialmente em 2020.

Amon, reitor Marcelo Knobel em reunião na reitoria da Unicamp
Amon, reitor Marcelo Knobel em reunião na reitoria da Unicamp

Reunião com a reitoria
O reitor da Unicamp, professor Marcelo Knobel, recebeu a comitiva da Qualcomm logo após a aula inaugural.  Também participaram da reunião o professor João Romano, diretor da FEEC, o professor Luiz Carlos Kretly e o diretor-executivo da Inova Unicamp, professor Newton Frateschi. Knobel destacou Cristiano Amon como um caso de sucesso. “Ver gente que saiu da Unicamp e chegou tão longe é sempre muito bom”, afirmou.

Durante a visita, Marcelo Knobel fez uma apresentação sobre a Unicamp e o grupo discutiu possibilidades de parceria. Sobre a interação da empresa com as universidades, para Amon, a formação dos engenheiros nas principais universidades no Brasil é muito forte, mas ainda falta uma interação mais formal da universidade com as empresas. Ele cita a relação da Qualcomm com a Universidade de San Diego (UCSD), na California, como uma interação positiva. A Qualcomm mantém na UCSD o Qualcomm Institute, onde a universidade e a empresa fazem pesquisa de ponta em parceria. Mas a colaboração é mais ampla, a empresa está em contato frequente com a UCSD para dialogar sobre os principais desafios tecnológicos de longo prazo, o que proporciona um direcionamento de currículo, bem como de pesquisas de interesse comum.

Para o diretor-executivo da Inova Unicamp, este tipo de interação é benéfica e pode ser expandida para outros setores, como o de empreendedorismo a partir da universidade, por meio de empresas incubadas ou criadas a partir de pesquisas da universidade. Frateschi acredita que as mudanças recentes no marco legal da C,T&I podem favorecer o entendimento dos benefícios da complementaridade de funções na colaboração universidade-empresa. “Nós temos interesse em estabelecer um diálogo com a Qualcomm e outras empresas de tecnologia para entender e nos posicionar frente aos principais desafios tecnológicos de longo prazo”, comentou Frateschi.

 

Cristiano Amon, presidente global da Qualcomm, em palestra na Unicamp
Cristiano Amon, presidente global da Qualcomm, em palestra na Unicamp
Participantes da palestra de Cristiano Amon, presidente global da Qualcomm, na Unicamp
Participantes da palestra de Cristiano Amon, presidente global da Qualcomm, na Unicamp
Amon, reitor Marcelo Knobel em reunião na reitoria da Unicamp
Amon, reitor Marcelo Knobel em reunião na reitoria da Unicamp

Imagem de capa

Cristiano Amon, presidente global da Qualcomm
Cristiano Amon, presidente global da Qualcomm