Instituto Confúcio da Unicamp comemora dois anos

O reitor Marcelo Knobel posa para fota com o diretor chines do Instituto Confucio. Eles mostram um papel onde está escrito "felicidades, ótima parceria", assinado por Knobel
Qinxiang Gao e Marcelo Knobel mostram o livro de presenças da celebração

O Instituto Confúcio da Unicamp comemorou seu segundo aniversário nesta quarta-feira (26) no Auditório 1 do Centro de Convenções da Universidade. A celebração teve apresentações artísticas e culturais e a manifestação de alunos, professores e dirigentes do Instituto e da Unicamp, que falaram sobre a importância do trabalho realizado. Também foi lida uma carta de felicitação, enviada pelo reitor da Beijing Jiaotong University (BJTU), parceira da Unicamp no Instituto. Ning Bin elogiou o empenho das duas instituições no aprofundamento dos laços de cooperação, no ensino de mandarim e no maior entendimento da cultura chinesa.

O reitor da Unicamp Marcelo Knobel, que também é coordenador do Centro Brasil-China de Nanotecnologia, afirmou que a parceria da Unicamp com a BJTU certamente irá continuar e será ampliada, trazendo mais estudantes para o aprendizado do mandarim e aprimorando a colaboração científica e tecnológica entre as duas instituições. De acordo com dados do Instituto Confúcio da Unicamp, nesses dois anos de existência as atividades já alcançaram mais de 1600 alunos dentro e fora da Universidade.

Além de oferecer cursos de mandarim e da cultura chinesa, o Instituto oferece o teste de proficiência em língua chinesa, oportunidades de intercâmbio, o chamado Summer Camp, ou curso de verão na China, além de atividades esportivas como dança e Tai Chi Chuan. A sede do Instituto é na Biblioteca Central da Unicamp e as aulas de mandarim ocorrem no Instituto de Estudos da Linguagem (IEL), em Limeira e no Cotuca.

O diretor do Instituto, Bruno Martarello de Conti, destacou que a parceria entre a Unicamp e a BJTU nasceu e existe em razão do diálogo e do interesse da Unicamp no conhecimento gerado por países do exterior, não só do mundo ocidental mas também oriental. “O diálogo com a China é fundamental” afirmou. Ele também ressaltou as qualidades da língua chinesa em sua criatividade e musicalidade. O diretor chinês do instituto, Qinxiang Gao, também agradeceu o trabalho de colaboração com a Unicamp.

A celebração continuou com as homenagens de outros colaboradores do Instituto Confúcio como o assessor da Vice-Reitoria de Relações Internacionais (Vreri), Celso Morooka, Thomas Patrick Dwyer, do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH), e o diretor do IEL, Flávio Ribeiro de Oliveira. Houve apresentações de Tai Chi Chuan e de música.
 

 

Grupo de alunos do Instituto mostra apresentação de Tai Chi Chuan
Alunos do Instituto durante apresentação de Taijiquan (Tai Chi Chuan)

 

Mesa de abertura do evento com os diretores do Instituto e o reitor Marcelo Knobel
Mesa de abertura
Apresentação de música e dança por grupo de alunos
Apresentação de música chinesa
Mesa de colaboradores do Instituto
Colaboradores do Instituto