HC desenvolve Manual de Cuidados da Criança com Traqueostomia

O objetivo da Cartilha é orientar as famílias que precisam lidar com crianças traqueostomizadas

O Serviço de Enfermagem Pediátrica do Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp e a disciplina de Otorrinolaringologia da Faculdade de Ciências Médicas (FCM), em parceria com o Núcleo de Segurança do Paciente (NSP) do hospital, desenvolveram o Manual de Cuidados da Criança com Traqueostomia. A impressão de 500 exemplares coloridos teve o apoio da empresa de materiais médicos e hospitalares Vastore. A entrega dos manuais aconteceu no dia 7/1 no ambulatório de otorrinolaringologia do HC.

As equipes de enfermagem da UTI Pediátrica e da enfermaria de Pediatria, sob mentoria da supervisora Siliany Pesconi e da professora Rebecca Maunsell, do Departamento de Otorrinolaringologia da FCM, revisaram o protocolo de atendimento e cuidado de criança traqueostomizada. A revisão teve participação das enfermeiras Vanessa de Abreu, do Núcleo de Estomaterapia do HC e Mariana Schweller, coordenadora do NSP.

“Após a revisão do protocolo, surgiu a ideia de elaborar uma cartilha institucional para orientar as famílias com crianças traqueostomizadas. O objetivo é levar informação àqueles que precisam lidar com uma nova realidade, centralizando os registros importantes do dispositivo em um único local e oferecendo informações com linguagem de fácil entendimento”, explica Mariana.

Entre outras informações, a cartilha traz explicações sobre o que é uma traqueostomia, como são as cânulas e quando devem ser trocadas, os cuidados na hora do banho e alimentação, como aspirar a traqueostomia e os sinais de alerta que a família deve observar para garantir a saúde da criança traqueostomizada. As ilustrações foram feitas pelo enfermeiro Jonas Silva, da UTI Pediátrica. O projeto gráfico foi feito pela própria Mariana.

De acordo com Rebecca Maunsell, o serviço de Otorrinolaringologia Pediátrica do HC Unicamp é referência no país no tratamento de crianças com malformações e doenças adquiridas da via aérea. O serviço realiza entre 10 a 15 cirurgias de traqueostomia por ano em crianças menores de dois anos de idade e mantém mais de 150 crianças em seguimento ambulatorial.

“Em média, uma criança permanece com traqueostomia por, no mínimo, um ano, o que implica cuidados específicos”, explica Rebecca, que é presidente da Academia Brasileira de Otorrinolaringologia Pediátrica (ABOPe).

Segundo ela, a parceria entre Enfermagem, Fisioterapia, UTI pediátrica e Departamento de Pediatria foi fundamental para a implantação dos cuidados a essas crianças nos últimos anos, conforme preconizado pelo Consenso Brasileiro de Cuidados a Crianças Traqueostomizadas publicado em 2017 pela Academia Brasileira de Otorrinolaringologia Pediátrica e pela Sociedade Brasileira de Pediatria

“Esperamos que no futuro possamos estender essa capacitação a profissionais da rede básica de saúde para benefício desses pacientes. Além do manual, já disponibilizamos o Cartão da Criança Traqueostomizada, que as mães levam nos atendimentos no HC. O manual e o cartão auxiliam os demais profissionais na atenção às crianças”, diz Rebecca.

Manual de Cuidados da Criança com Traqueostomia

Os profissionais participantes do projeto são: Rebecca Maunsell, docente do Departamento de Otorrinolaringologia da FCM; Mariana Salhab Dall’Aqua Schweller, enfermeira do Núcleo de Segurança do Paciente; Jonas Silva e Keila Mara Ribeiro de Faria, enfermeiros da UTI Pediátrica; Siliany Fátima Jandotti Pesconi, supervisora de enfermagem da Enfermaria de Pediatria; Débora Pazinatto, residente de Otorrinolaringologia; Patrícia Blau Margosian Conti, fisioterapeuta da Pediatria; Taís Caroline Vieira Feichas Martins, enfermeira da Enfermaria Pediátrica; Paula Cristine Figueiredo Cavalari, enfermeira do Ambulatório de Otorrinolaringologia e Vanessa Abreu da Silva, enfermeira do Núcleo de Estomaterapia.

Dia Nacional da Criança Traqueostomizada

A Câmara dos Deputados aprovou em abril de 2021 o Projeto de Lei 5114/19, do deputado Dr. Zacharias Calil (DEM-GO), criando o Dia Nacional da Criança Traqueostomizada. O projeto foi sancionado em 25 de novembro de 2021. A Lei nº 14.249 institui o dia 18 de fevereiro como o Dia Nacional da Criança Traqueostomizada. O objetivo é sensibilizar profissionais da saúde, pais e responsáveis sobre os cuidados a essas crianças para diminuir o risco de morte.

Imagem de capa JU-online

Texto foi escrito com linguagem acessível e com ilustrações para facilitar o cuidado das crianças em casa