Um novo aliado na prospecção mineral

Dados obtidos por meio da gravimetria por satélite são alternativa eficaz para o estudo de fatores associados à formação de depósitos

Pesquisadores do Instituto de Geociências (IG) da Unicamp estão estudando a aplicabilidade de dados obtidos por satélites que medem o campo gravitacional terrestre na compreensão do contexto em que os depósitos minerais se formam. O objetivo é inserir a gravimetria de satélite em estudos que melhorem a compreensão da arquitetura da crosta terrestre e depósitos minerais associados, com desdobramentos para a indicação de novas áreas favoráveis à prospecção mineral.

A técnica de gravimetria se baseia na identificação de variações na gravidade terrestre causadas pela presença de rochas associadas a esses depósitos. Embora ela já seja empregada na exploração geológica, isso geralmente é feito com o uso de dados terrestres ou adquiridos por plataformas aerotransportadas, cuja aquisição tem custos elevados. Por outro lado, os dados obtidos por missões de satélites são gratuitos e estão disponíveis à comunidade.

Os resultados da pesquisa foram publicados pelo aluno de doutorado João Motta, em mais um artigo recente da equipe coordenada pelo professor Carlos Roberto de Souza Filho, também do IG. No trabalho, o método foi aplicado no estudo do ambiente geológico que hospeda o depósito polimetálico de Olympic Dam, localizada na Província de South Australia, na Austrália, e cuja importância está associada à presença da maior concentração de cobre e urânio do mundo.

A pesquisa foi idealizada no Brasil pela equipe da Unicamp e desenvolvida durante um intercâmbio de três meses que João realizou na Monash University (Melbourne, Austrália) em 2017, com o apoio financeiro da embaixada da Austrália no Brasil, por meio de seu programa Postgraduate Research Internship Australia-Brazil. Durante este período, o aluno foi supervisionado localmente pelos professores Peter Betts e Robin Armit, pesquisadores daquela instituição, e contou também com a colaboração dos pesquisadores Stephen Thiel e Stacey Curtis, do Geological Survey of South Australia e do professor Carlos Roberto de Souza Filho, orientador principal do projeto desenvolvido por João.


A pesquisa

A estrutura do depósito Olympic Dam e sua situação geológica já são bastante conhecidas, uma vez que a Austrália possui um amplo acervo geocientífico, com mais de 50 anos de exploração geológica sistemática. Assim, o objetivo do estudo não foi adquirir novos dados, mas aproveitar essas informações pré-existentes para extrair e interpretar informações geológicas inéditas.

De acordo com João, isso foi importante porque existe uma grande dificuldade na interpretação de dados de gravidade devido à sua ambiguidade. “Diferentes distribuições e densidades, ao longo de diferentes profundidades na crosta terrestre, podem gerar respostas similares, o que só pode ser resolvido com o uso de informações auxiliares”, explica o doutorando.

Reprodução
Mapas sobre a região estudada no Cráton Gawler no Sul da Austrália com produtos derivados de dados de gravidade adquiridos por plataformas de satélite (esquerda) e terrestres (direita).

Como resultado, o estudo demonstrou que os dados de gravimetria por satélite podem contribuir para o entendimento e prospecção de depósitos minerais em larga escala. Além disso, em sua passagem pela Austrália, João teve a oportunidade de aprender e incorporar em sua pesquisa o método magnetotelúrico, que fornece informações sobre a resistividade elétrica das rochas das rochas ao longo da crosta. Ainda pouco adotado no Brasil, os dados obtidos com este método foram utilizados sinergicamente com a gravimetria por satélite, revelando estruturas profundas que guardam relação espacial com os depósitos de ouro e cobre.

Em estudo anterior, realizado na Província Mineral dos Carajás  a equipe da Unicamp utilizou a gravimetria de satélite para demonstrar que as áreas favoráveis à prospecção mineral naquela região são mais amplas do que se imaginava.  Diferentemente do artigo na região do depósito Olympic Dam, o estudo de caso desenvolvido na região de Carajás se deu em uma área com reduzido conhecimento geológico, tornando o desafio ainda maior.

Ambos os trabalhos são similares no que tange ao uso de gravimetria por satélite para buscar informações sobre regiões mais profundas da crosta, mas a abordagem, mesmo do ponto de vista matemático e processamento dos dados, foi distinta. “No estudo de caso de Carajás, interpretamos os mapas derivados dos dados de gravimetria de satélite, mas embasamos muitas conclusões em outros dados. Já no caso desenvolvido na Austrália geramos um modelo de como é a crosta em profundidades maiores, usando a gravimetria como principal fundamento para suportar nossas conclusões. Possivelmente foi a primeira vez que um modelo bi-dimensional na escala regional foi confeccionado com dados dessa natureza”, sugere o aluno.

Além disso, os estudos são interessantes porque estão utilizando diferentes técnicas para validar o uso da gravimetria por satélite. “Isso é positivo porque se consegue mostrar que tais dados são suficientemente robustos e podem ser integrados com dados de múltiplas fontes, como sismologia, sísmica e geocronologia, que em geral é uma associação que poucos grupos de pesquisa têm feito”, avalia João.

 

 

Imagem de capa JU-online

Audiodescrição: em sala de trabalho, imagem em perspectiva, dois homens com olhares voltados para a direita da imagem, um ao lado do outro, sendo um sentado, em primeiro plano, e outro em pé, e inclinado para frente e com o braço esquerdo esticado para frente, com a mão tocando a parte superior de um monitor de lcd que está à frente deles em uma mesa. Ao lado do monitor, à esquerda, uma cpu branca. O homem sentado olha para o monitor à frente. Às costas deles, ao fundo uma persiana vertical. Imagem 1 de 1.