Edição:
679
Campinas, de
a
Acesse a íntegra da edição

Da pós-colonialidade aos dilemas contemporâneos

Página
10
Edição de imagem

Editora da Unicamp lança guia das obras do moçambicano João Paulo Borges Coelho

Foto da capa de um livro.

A obra literária de João Paulo Borges Coelho. Panorama crítico traz uma análise da produção do autor, incluindo seus 12 livros e sua mais recente obra, Museu da Revolução. Trata-se de um guia das obras do escritor moçambicano e uma porta de entrada para aqueles que se interessam pela literatura produzida no continente africano.

Até o momento, Borges Coelho possui quatro livros publicados e sua obra auxilia na tarefa de desmistificar equívocos sobre a literatura africana, ao romper com uma visão romantizada de Moçambique, o que a torna fundamental para estudiosos da área. As organizadoras do livro, Elena Brugioni, Fernanda Gallo e Gabriela Beduschi Zanfelice, falam sobre a obra e o autor.

Jornal da Unicamp – Qual a importância de JPBC na produção literária de língua portuguesa feita atualmente na África?

Organizadoras – João Paulo Borges Coelho é um dos mais notáveis autores no cenário literário, acadêmico e editorial de língua portuguesa, nomeadamente em Moçambique, Portugal e, mais recentemente, no Brasil. Contudo, é importante lembrar que sua obra não se restringe apenas aos países de língua portuguesa, tendo sido traduzida para o italiano, o espanhol, o inglês, o alemão e o mandarim, para além dos inúmeros artigos e estudos sobre ela publicados em diversos contextos acadêmicos.

No âmbito da produção literária de língua portuguesa, a escrita do autor é muito inovadora. Contribui para enriquecer essas literaturas com temáticas relacionadas aos múltiplos desafios do período pós-independência, aos dilemas da pós-colonialidade, às problemáticas decorrentes de um mundo abertamente capitalista e neoliberal, à crise ambiental, às conexões passadas e presentes com o universo do Oceano Índico. As relações entre história, geografia e literatura, dentre outros aspectos e temas passíveis de contemplação, são investigados e desdobrados a partir de sua obra.

JU - Outros autores africanos de língua portuguesa, entre os quais Mia Couto, José Eduardo Agualusa, Pepetela, Ondjaki, possuem muitas obras publicadas no Brasil,  diferentemente de Borges Coelho. Por que?

Organizadoras Ao que parece, alguns entraves editoriais dificultaram a publicação do autor no Brasil até 2019. O cenário, porém, vem se alterando. Exemplo disso é a publicação de Museu da Revolução, lançado em Portugal e Moçambique no segundo semestre de 2021 e, no primeiro semestre de 2022, no Brasil. No entanto, vale a pena lembrar que o caso de Borges Coelho não é isolado. Pensemos, por exemplo, num escritor como Luandino Vieira, cuja obra permanece até hoje majoritariamente inédita ou esgotada no Brasil, ou ainda em Paulina Chiziane, Germano de Almeida ou Abdulai Sila.

A lista poderia ser muito longa. O que importa constatar é que o que se encontra publicado e acessível no Brasil das chamadas literaturas africanas em língua portuguesa é realmente uma diminuta amostra daquilo que se escreve e publica em Moçambique, Angola, Guiné-Bissau, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe.

JU – Como os autores africanos de língua portuguesa podem enriquecer a literatura produzida no Brasil?

Organizadoras – Durante décadas, a literatura brasileira foi um importantíssimo manancial para os escritores africanos de língua portuguesa que, naquela altura, elaboravam os ideários político e, sobretudo, estético de suas soberanias nacionais – e, portanto, de suas independências literárias – diante de Portugal. 

Hoje, é muito importante que se concretize um movimento contrário, pois as literaturas de língua portuguesa produzi- das na África caracterizam-se por estilos, léxicos, imaginários e temas pertinentes para o Brasil de hoje e que, no entanto, são ainda pouco conhecidas.

A leitura e o estudo dessas literaturas (e de outras do continente africano) se configuram como um passo indispensável para ampliar o conhecimento dos múltiplos e diversos contextos em que se faz literatura em língua portuguesa. É importante que as Áfricas “que fizeram o Brasil” se tornem cada vez mais estuda- das, conhecidas e valorizadas.

Foto de um homem que aparece de pé, apoiando um dos braços no corrimão de uma escada. Ele é branco, tem o cabelo curto e grisalho, usa óculos, calça jeans, camisa azul e tênis.
O escritor João Paulo Borges Coelho: desfazendo equívocos sobre a literatura africana (Foto: Eduardo Martins/Ponto-Final-Macau)

JU – No livro, vocês dizem que os capítulos “mostram a sofisticação e a complexidade de um corpus que dificilmente poderá caber em cartilhas e paradigmas críticos preconcebidos”. Qual a importância de lançar um livro que traz ensaios sobre a obra de João Paulo Borges Coelho?

Organizadoras Especialmente no atual cenário, dentro e fora do Brasil, a obra de Borges Coelho contribui de forma substancial para desfazer alguns equívocos que acabam pautando o debate sobre as literaturas africanas, dentro ou fora da academia, na qual frequente- mente nos deparamos com leituras romantizadas ou tão somente pessimistas e estereotipadas da África.

O projeto literário do autor contribui para quebrar certos binarismos que ainda são bastante comuns em algumas leituras, desfazendo essencialismos e apontando para os processos, as contradições e as ambiguidades que pautam o tempo e o espaço pós-colonial não apenas na África, mas em todo o mundo.

Suas histórias inscrevem experiências e memórias de importantes figuras públicas e de cidadãos comuns, inscritos em diversas posições no espectro político, social, geográfico e racial que caracterizam a diversidade e a multiplicidade constitutivas das nossas vidas. Nesse sentido, um livro sobre sua obra é importante para realçar tais características, demonstrando como sua literatura situa-se na contramão de regimes de verdade que se pretendem únicos e inquestionáveis.


Título: A obra literária de João Paulo Borges Coelho. Panorama crítico

Organizadoras: Elena Brugioni, Fernanda Gallo e Gabriela Beduschi Zanfelice

Páginas: 336

Formato: 14 x 21 cm

Editora da Unicamp

#

twitter_icofacebook_ico