Reitor conhece obra de Hospital Regional em Barueri

O reitor da Unicamp, Antonio José de Almeida Meirelles, esteve em Barueri na quarta-feira, dia 2/12, para conhecer as obras do Hospital Regional. A unidade deverá ser entregue em 2022 e terá 40 mil metros de construção, 10 pavimentos, 310 leitos, centro cirúrgico com oito salas de grande porte, 20 leitos de RPA (Recuperação Pós-Anestésica), 30 leitos de pronto atendimento, hospital-dia com 20 leitos, setor de radioterapia e quimioterapia e salas equipadas com tomografia e ressonância magnética.

A visita foi viabilizada por gestões do deputado federal Baleia Rossi junto ao prefeito Rubens Furlan (PSDB). Estiveram presentes, além do prefeito, a deputada federal Bruna Furlan (PSDB), o vice-prefeito e secretário de Obras Roberto Piteri, o assessor parlamentar Arthur Cruz (representando o deputado Baleia Rossi), o diretor da DEAS, Oswaldo Grassiotto, e o assessor de Relações Governamentais e Institucional da Unicamp, William Alexandre de Oliveira.

 

Acima, da esquerda para direita: Na foto: William, Rubens Furlan (prefeito de Barueri), dr Oswaldo, deputada estadual Bruna Furlan, assessor Parlamentar Arthur Cruz e o reitor Tom Zé.
Foto acima: William Alexandre Oliveira (Reitoria-Unicamp), Rubens Furlan (prefeito de Barueri), Oswaldo Grassiotto (DEAS-Unicamp), Bruna Furlan (deputada federal), Arthur Cruz (assessor parlamentar) e o reitor Antonio José A Meirelles

De acordo com Antonio Meirelles, a ideia foi conhecer o projeto e a forma de gestão que está sendo proposta para a unidade em Barueri. A prefeitura da cidade informa, em seu portal de notícias, que foi firmado um convênio com o Governo do Estado de São Paulo para a construção, tendo a municipalidade cedido o terreno e arcado com a metade do valor da obra. O governo estadual se encarregou do restante da construção e financiará o funcionamento do equipamento depois de pronto.

A forma de custeio do Hospital Regional da RMC tem sido debatida pelos prefeitos das cidades que compõe a região, e será discutida também pelos representantes dos municípios da Diretoria Regionais de Saúde 7, 10 e 14. Uma das propostas para divisão do custeio prevê o rateio entre Governo do Estado, Sistema Único de Saúde (SUS) e prefeituras.