Força-Tarefa Unicamp realiza mais testagens no município de São Paulo

No dia 10 de novembro, a equipe da Força-Tarefa Unicamp contra a Covid-19, por meio da Frente de Ações Sociais, retornou à cidade de São Paulo para complementar a campanha de testagem junto à população LGBTQIA+ usuária dos Centros de Cidadania do município.

A testagem em assintomáticos tem papel importante no controle da transmissão. Pessoas sem sintomas, mas que testam positivo, são capazes de transmitir o SARS-CoV-2 a outros indivíduos. “A identificação rápida de alguém infectado permite monitorar esse indivíduo e iniciar, de forma precoce, o acompanhamento médico, em caso de evolução da doença, bem como a possibilidade de monitorar as pessoas que mantiveram contato próximo com ele, reduzindo, assim, o potencial de transmissão comunitária”, destaca Adilton Leite, assessor da Diretoria Executiva da Área da Saúde e voluntário nas campanhas de testagem.

Testagem no Centro de Cidadania de São Paulo: A testagem em assintomáticos tem papel importante no controle da transmissão
Equipe da Unicamp durante testagem no Centro de Cidadania de São Paulo: A testagem em assintomáticos tem papel importante no controle da transmissão

Os Centros de Cidadania são vinculados à Prefeitura Municipal de São Paulo e desenvolvem ações permanentes de combate à homofobia e respeito à diversidade sexual. Trata-se de uma iniciativa da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, por meio da Coordenação de Políticas para a população LGBTQIA+, realizada em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Eles atuam a partir dos eixos de defesa dos Direitos Humanos: atendimento a vítimas de violência, preconceito e discriminação, prestação de apoio jurídico, psicológico e assistência social, com acompanhamento para realização de boletins de ocorrência e demais orientações de promoção da Cidadania LGBTI.

No município de São Paulo são 5 sedes fixas, e em todas elas a Força-Tarefa Unicamp já realizou campanha de testagem. Nessa última ação, realizada no Centro Edson Neris, na Zona Sul, foram feitos 100 testes, sendo 50 do tipo RT-PCR e 50 testes rápidos para detectar a presença de anticorpos (IgG e IgM). Não houve resultado positivo para RT-PCR. Já a pesquisa sorológica apontou 25 resultados IgG positivo.