Reitoria divulga nota de repúdio ao ataque cibernético racista

NOTA DE REPÚDIO AO ATAQUE CIBERNÉTICO RACISTA

Repudiamos veementemente o ataque cibernético sofrido no dia de ontem pelo webinário “Atlântico Negro”. A sala virtual em que acontecia o evento foi invadida de forma massiva por vozes e imagens que impediram o direito de fala da professora da Unicamp, Dra. Lucilene Reginaldo, bem como de todos que acompanhavam a atividade, numa clara agressão à missão que a sociedade entregou à universidade de produzir conhecimento e difundi-lo de forma livre e democrática. Esse gesto violento e autoritário, procura também, por meio da intimidação, calar os avanços que a sociedade realizou nas últimas décadas no reconhecimento da injustiça representada pela escravidão. Procura, na mesma lógica racista que sustentou a escravidão, ocultar a competência intelectual dos negros, impedir sua manifestação pública e seu direito elementar de ter protagonismo na construção do conhecimento a respeito de sua própria história. Ao gesto mesquinho que procura intimidar o conhecimento e a verdade, interpomos nosso compromisso de que continuaremos ao lado do cidadão e da cidadania, promovendo a universidade como espaço plural, atento aos fatos e comprometido com a verdade e com a justiça.

Marcelo Knobel
Reitor

09 de junho de 2020.

 

NOTA ESCRITA PELA PROFESSORA LUCILENE REGINALDO:

ELES QUEREM NOS ACUAR NAS REDES 

Imagem de capa

Nota de repúdio da Unicamp
Nota de repúdio da Unicamp