Entidades convidadas veem na assembleia um exemplo para o país

SELO

 

Ildeu de Castro Moreira
Ildeu de Castro Moreira, presidente da SBPC

O professor Ildeu de Castro Moreira, presidente reeleito da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), veio agradecer à Unicamp pelo exemplo de realizar um evento importante que pode contribuir para conclamar a comunidade do país inteiro a se mobilizar e se posicionar claramente diante do momento difícil vivido pela universidade pública, pelo sistema de ciência e tecnologia e pela educação como um todo. “A universidade – e a Unicamp em particular –  tem um papel muito importante no debate e articulação com outros setores para superar as dificuldades que estamos enfrentando, também com destruições aceleradas no meio ambiente e em que o poder econômico valoriza apenas um setor, o dos financistas.”

Ildeu Moreira lembra que a SBPC possui 144 entidades científicas filiadas de todas as áreas do conhecimento, promovendo ações de resistência contra o desmonte do sistema de C&T, como junto a parlamentares e ministros, informando-os de que o orçamento para o setor em 2020 é catastrófico. “Tivemos o corte drástico para o CNPq, a Capes teve o orçamento reduzido à metade e a Finep viu 90% dos recursos vindos de setores econômicos congelados. Falam ainda na fusão do CNPq com a Capes, agências fundamentais há décadas e que seriam descontinuadas, é uma decisão burra. Além da atuação contra esse desmonte, devemos pensar também para a frente, em um projeto de país, com empresários, trabalhadores e a universidade que tem essa obrigação social.”

Oswaldo Alves, professor do Instituto de Química da Unicamp, participou da assembleia extraordinária representando a Academia Brasileira de Ciências (ABC), da qual é vice-presidente. “Vim falar sobre os problemas no sistema de ciência e tecnologia, indicando possíveis soluções e ações da Academia para reverter algumas situações e trabalhar no sentido de preservar as conquistas ao longo de todos esses anos. Estamos apoiando esse movimento de hoje e é importante que tenhamos vários pelo país inteiro, esclarecendo a população sobre a importância da C&T, de que muitos dos problemas que nos afligem têm solução através de pesquisas feitas nos laboratórios.”

O vice-presidente esclarece que a ABC vem trabalhando dentro deste contexto, mas atuando ao nível do Congresso Nacional, principalmente agora com o lançamento em julho da Frente Parlamentar Mista de Ciência, Tecnologia, Pesquisa e Inovação. “A Frente Parlamentar tem nos ajudado a modificar algumas decisões tomadas ultimamente, principalmente em relação às bolsas e na questão candente que é a possibilidade de fusão do CNPq com a Capes – a Academia é absolutamente contrária por acreditar que esses dois órgãos, criados há décadas, têm papeis complementares dentro do sistema de C&T. A Frente nos ajuda, sobretudo, na obtenção de assinaturas para audiências públicas, como a marcada para o dia 17 para tratar de muitos dos assuntos que serão colocados nessa assembleia da Unicamp.”

A Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), enviou Flávia Calé da Silva, mestranda em história na USP, para saudar a comunidade da Unicamp, observando que se trata da única universidade brasileira com mais alunos de pós-graduandos do que graduandos. “Essa assembleia é um exemplo para todas as universidades, justamente quando a autonomia é novamente atacada. Atacam porque respondemos por 90% da produção científica. Não existe desenvolvimento e soberania sem a universidade. O jeito é ir para as ruas no país inteiro para assegurar a universidade pública.”

André von Zuben, secretário de Desenvolvimento Econômico, Social e de Turismo de Campinas e presidente do Conselho Municipal de Ciência e Tecnologia, ressaltou o importante papel da Unicamp para o desenvolvimento da pesquisa, inovação, cultura e também para a economia não só da região como do país. “A cidade tem carinho muito especial pela Universidade. O Conselho de C&T se soma a essa luta frente ao retrocesso na educação, ciência e meio ambiente. Vivemos um momento de resistência, que só vai acontecer se nos unirmos. Só com esse pluralismo teremos voz para defender as bandeiras da universidade.”

A União Nacional dos Estudantes (UNE) se fez presente através do presidente Iago Montalvão, que defendeu o mesmo espaço para assembleias na USP e Unesp, incentivando maior participação dos estudantes na organização da luta para “salvar o país do momento de obscurantismo”: “Precisamos chamar a atenção das pessoas para a importância da universidade e para como ela está sendo atacada, convocando passeadas e falando cada vez mais para o povo”. Também na opinião de Caio Iuje, presidente da União Estadual dos Estudantes (UEE), a assembleia da Unicamp é um exemplo para as demais universidades brasileiras: “É importante que todas se mobilizem, é com unidade que vamos voltar para a rua defendendo a educação pública de qualidade. Não vamos perder para um governo que não acredita na educação”.

Mais sobre o tema:
Em ato histórico, Unicamp aprova moção em defesa da ciência e da educação
Entidades convidadas veem na assembleia um exemplo para o país
Comunidade acadêmica manifesta-se pelo fortalecimento da universidade pública
Assembleia da Unicamp reúne 8 mil e convoca sociedade para defender as universidades públicas
Em ato histórico, Unicamp aprova moção em defesa da ciência e da educação
Primeira assembleia extraordinária em 53 anos reúne comunidade em defesa da Ciência e da Educação
Reitor Marcelo Knobel dá início ao ato histórico em defesa da Ciência e da Educação
Com universidade sob ataque, presidente da Andifes defende esforço mais efetivo de comunicação
Carlos Vogt: "ataque à universidade é ideológico no pior sentido da expressão”
IdEA recebe presidente da Andifes para conferência sobre “A Crise da Universidade”
Unicamp convoca assembleia extraordinária em defesa da Ciência e Educação

Imagem de capa

Ildeu de Castro Moreira, presidente da SBPC
Ildeu de Castro Moreira, presidente da SBPC