Estudante da Unicamp é finalista em concurso de composição e leva Hermeto Pascoal à Turin

Variações sobre um tema de Hermeto Pascoal – 04 de maio de 1997 disputará o primeiro lugar no VI Concurso de Composição da Foundation Franz Liszt. A composição do violonista Renato Sarmento, estudante do Instituto de Artes (IA) da Unicamp, será executada, junto com as duas concorrentes no Festa del Paradiso, em Turin, na Itália, no dia 24 de setembro. As três peças serão gravadas ao vivo, por intérpretes convidados do festival, e apreciadas por júri popular.

Segundo Renato Sarmento, a peça é fruto de um presente de Hermeto Pascoal, para os músicos. Sarmento se refere ao livro Calendário do Som, publicado pelo compositor e multi-instrumentista alagoano, no ano 2000. Nele, Hermeto escreveu uma música por dia, durante um ano. “Tais peças foram publicadas em sua versão manuscrita, com apenas a melodia e uma sugestão de harmonia e, ao final, uma pequena dedicatória ou observação”, contou Sarmento. “Além disso, liberou todo o livro de direito autoral e fez questão de não gravar nenhuma. Foi um presente para os músicos, creio eu”, declarou o estudante, que acabou encantado pela música 04 de maio de 1997, para a qual fez um arranjo para violão.

O arranjo foi apresentado na disciplina de iniciação à composição e, depois de um tempo na gaveta, foi revisado e finalizado, em 2018. Justo a tempo de ser enviado ao Concurso de Composição da Fondation Franz Liszt, aberto para peças para violão, piano ou ambos, em formato de música de câmara. Entre composições de todo mundo, Variações sobre um tema de Hermeto Pascoal – 04 de maio de 1997 ficou entre as três finalistas. “Senti-me lisonjeado e muito feliz pelo reconhecimento da obra. Creio que as obras de arte não têm um dono, o criador é o veículo de algo que já existe. Através da arte, é expressa a conexão com o sublime. Eu tinha essa sensação com relação a essa peça, e isso veio para confirmar minha intuição”, afirmou.

Sarmento busca agora formas de viabilizar sua ida para Itália para defender sua peça na final. A escassez de concursos e financiamento da arte no país foram destacados pelo músico como os principais entraves ao desenvolvimento da arte e da sociedade como um todo. “Os concursos são ferramentas de fomento a novos artistas para se inserirem no mercado e trazem maior visibilidade ao que há de mais novo em termos de arte contemporânea. Quanto maior a participação em tais concursos, maior será o interesse pelas novas artes e pelo incremento da capacidade cultural da sociedade. Isso pode levar a um redirecionamento para um caminho que traga mais educação e cultura a todos”, afirmou Renato Sarmento.

O estudante carioca, que viera para o interior de São Paulo para cursar Ecologia na UNESP, acabou se enveredando pelos caminhos da música, mergulhou no violão clássico e, em 2016, ingressou no curso de bacharelado em composição, no IA da Unicamp. Em paralelo, trabalhou com a música popular em projetos de samba, choro, marchas e gafieira. Renato Sarmento participa também do grupo Camerata de Violões de Campinas, com um CD lançado este ano. “Como compositor ainda estou me descobrindo”, diz com humildade.

Gravação realizada pelo estudante Gabriel Ângelo no Núcleo Interdisciplinar de Comunicação Sonora (Nics).

Imagem de capa

Renato Sarmento, estudante do Instituto de Artes (IA) da Unicamp
Renato Sarmento, estudante do Instituto de Artes (IA) da Unicamp