O que está acontecendo com a Antártida?

Docente da Unicamp que esteve em 2019 no continente gelado comenta as altas temperaturas registradas recentemente

Alessandro Batezelli em visita ao local em 2019:
O professor Alessandro Batezelli em visita ao local em 2019: "Quando estava lá, a média mais quente foi 2°C no máximo, uma diferença muito grande ao que foi registrado em 2020"

No início de fevereiro de 2020 a Antártida registrou temperaturas recordes e despertou interesse mundial: afinal, o que está acontecendo naquela região e que consequências trará para o planeta? A foto da capa foi feita em meados de janeiro durante um dos picos de temperatura na Ilha Marambio (Península Antártica), onde ocorreram os registros recordes. A imagem, captada pelo fotógrafo e guia de montanha Edson Vandeira, mostra parte da ilha já praticamente sem neve. O docente do Instituto de Geociências da Unicamp, Alessandro Batezelli, esteve no continente gelado em 2019 pelo Programa Antártico Brasileiro (Proantar) e avalia a situação.

Um evento anterior de aumento anormal de temperatura já havia sido registrado em Marambio em novembro de 2019. A frequência e a proximidade dos eventos é um fator que preocupa cientistas de todo o mundo. Segundo Batezelli, na natureza alguns eventos meteorológicos se repetem com frequência nas diferentes estações do ano. “Eventualmente ocorrem anomalias, como a seca na região sudeste do Brasil em 2014. Registros mostravam que há décadas não havia uma seca como aquela. Muito provavelmente essa pode ser uma das razões do calor excessivo na Antártida. Algumas dessas anomalias podem ocorrer em determinadas freqüências. A grande preocupação é quando esses eventos pouco frequentes, que ocorrem de 10 em 10, 20 em 20 ou cada 50 anos, por exemplo, começam a ocorrer a cada 2 ou 3 anos”, diz.

Batezelli voltou da Antártida no início de fevereiro de 2019 - mais ou menos no mesmo período em que ocorreram os ciclos de altas temperaturas em 2020. Ele ficou por quase 3 meses na ilha Vega, cerca de 60 Km da ilha Marambio. No entanto, não percebeu nada que pudesse chamar a atenção para alteração da temperatura naquele momento. “Nessa época do ano, realmente ocorre degelo, mas não a ponto de elevar a temperatura. No ano passado, quando estava lá, a média mais quente foi 2°C no máximo, uma diferença muito grande ao que foi registrado em 2020. O céu ficava azul, com sol, mas a temperatura era muito baixa. Mesmo nos dias mais quentes, o vento que soprava constantemente, dependendo da velocidade, deixava uma sensação térmica de -5 a -10°C”, recorda.

No registro feito pelo docente quando estava deixando a ilha Vega, é possível visualizar como estava a região no início de fevereiro de 2019 (vídeo abaixo). 

Avanço do degelo

Imagens de satélites das últimas décadas mostram o avanço do degelo. “No hemisfério norte, por exemplo, os ursos polares estão invadindo as cidades porque a calota polar está derretendo. Quando o mar congela, eles conseguem andar no gelo e caçar. Como não conseguem caçar, vão para as cidades. Isso já está recorrente”, diz o docente da Unicamp. O derretimento também vem avançando na região antártica. “Há muitos dados no hemisfério norte e mesmo na Antártida sobre o derretimento das calotas. A grande questão é por que houve esse grande aumento de temperatura? Climatólogos têm estudado dados de muitas décadas a fim de entender se esses eventos de aquecimento fazem parte do ciclo climático natural ou se têm relação com a atuação do ser humano”, pontua Batezelli.

O docente lembra que em 2013 houve um registro na Antártida de 13°C. Já em 2015 a temperatura foi a 17,5°C. Em 2020 bateu os 20°C. Com essas medições, cientistas de todo o mundo estão ainda mais preocupados. “Ainda não se pode concluir com precisão o que está acontecendo com o clima na Antártida, apenas apontar teorias. Os dados coletados no passado e dados atuais estão sendo analisados a fim entender suas causas e qual a frequência com que ocorrem. Isso dá subsídio para projeções futuras”, aponta.

#
A primeira imagem foi feita pela Nasa em 4 de fevereiro e a segunda em 13 de fevereiro. O período quente causou derretimento generalizado nas geleiras. É possível identificar na parte inferior esquerda do registro do Earth Observatory, da NASA, a formação de lagos criados com água de degelo

Eventos climáticos

Batezelli também explica que, na escala de tempo geológico, há eventos climáticos extremos que ocorrem por milhares ou milhões de anos. “No Paleozóico ocorreram glaciações que duraram milhões de anos. Já a última era glacial, por exemplo, começou a cerca de 100 mil anos e terminou há cerca de 12 mil anos. Foram intervalos curtos, do ponto de vista geológico”, esclarece. Batezelli também recorda que eventos como estes podem ocorrer em períodos mais curtos, como a “pequena era do gelo”, nos anos de 1650, 1770 e 1850. Naqueles anos foram registradas temperaturas muito baixas no hemisfério norte. “Existem relatos que em 1607 e 1814 o rio Tâmisa, na Inglaterra, congelou completamente. Trata-se de um evento anormal que não se repetiu até os dias atuais”, recorda.

Estudos sobre o clima são interessantes por conta da influência que têm na sociedade. “Cada nova pesquisa introduz mais dados e ajuda a entender o porquê e quando ocorrem esses eventos de resfriamento e aquecimento. Se entendemos como ocorreu no passado, conseguiremos, de certa forma, simular matematicamente situações futuras. Quando esses eventos ocorrem sem nenhuma previsão, podem causar danos à sociedade. Pesquisas científicas envolvendo aspectos da natureza subsidiam políticas públicas de prevenção e contenção de acidentes”, afirma.

A Antártida tem importante papel na regulagem climática do globo. É de lá que se deslocam as correntes marítimas frias que trazem nutrientes e controlam a vida marinha. As frentes frias que regulam as estações no Brasil têm sua origem no continente gelado. Pesquisadores apontam que ainda é cedo para saber que consequências ocorrerão no médio prazo.

Curiosidade geológica

No Cretáceo Inferior, há cerca de 140 milhões de anos, o Supercontinente Gondwana começou a se separar e formar várias porções menores, como América do Sul, África, Antártida, Austrália e Índia. O movimento de separação ocorreu de modo muito lento para as posições em que se encontram hoje. Já no Cretáceo Superior, há cerca de 80 milhões de anos, a Antártida já estava numa área de latitude temperada e, a partir do Mioceno, cerca de 40 milhões de anos, começou a ter geleiras. De lá para cá, a Antártida foi se deslocando lentamente para latitudes mais elevadas, chegando ao pólo sul onde a incidência de raios solares é menor, o que favorece a formação de calotas polares.

 

Confira o vídeo feito pelo docente Alessandro Batezelli quando estava deixando a Ilha Vega, em 2019. 

 

 

Imagem de capa JU-online

Audiodescrição: em imagem aérea panorâmica, ampla superfície do continente antártico, seca como deserto, apresentando alguns trechos com rios e lagos, e a maior parte com terra, sem nenhuma vegetação. Ao fundo, altas montanhas em situação idêntica. Ao fundo, céu azul. Imagem 1 de 1.