O embate nos primórdios da ciência precisa ser relembrado

Ilustração: Luppa SilvaFísico de formação e profissão, admito que certos aspectos de como esta ciência é ensinada, tanto no ensino médio, quanto no superior, são desalentadores. Tentando me explicar: é comum que o início do curso contenha apenas uma pincelada do que é ciência, método científico e que tudo começou com Galileu Galilei e pronto. Bem, alguns lembram que Galileu foi condenado pela Igreja, mas com o tempo ninguém mais dava atenção a isso. Vale lembrar que Galileu só foi “inocentado” pelo papa João Paulo II 350 anos depois da morte do filósofo toscano. Com o tempo, disciplinas sobre metodologia científica foram desaparecendo, tanto na graduação, quanto na pós-graduação, e, onde ainda persistem, passaram a ser mais uma espécie de guia de publicação. Metodologia (como fazer ciência) e, principalmente, epistemologia (afinal, o que é ciência?) foram, assim, como direi, varridas para debaixo do tapete. É uma pena, pois em uma época em que a autoridade da ciência é tão facilmente contestada por diferentes grupos, vale bem a advertência em artigo recentemente publicado na revista Questão de Ciência: "Isso tudo sugere que tão importante quanto informar, é explicitar o processo gerador da informação: ‘comunicar ciência’ efetivamente é, além da comunicação de dados e resultados, a comunicação de um modo de pensar" [I]. E não só na divulgação científica, mas parece que, no próprio ensino formal de ciências, aspectos importantes do processo desse modo de pensar começaram a ser deixados de lado. Isso se reflete na própria evolução do artigo científico sobre a qual já tive a oportunidade de discorrer, embora apresentando exemplos, que hoje comporiam um anedotário [II]. O objetivo então era para mostrar como publicações científicas se modificaram desde seus primórdios e de que a metodologia que caracteriza essa forma de pensar (ciência) só passou a ser marca registrada desses textos apenas em tempos relativamente recentes.

Como foi então a construção desse novo modo de pensar, a ciência? Esse espaço abaixo dessa linha pode, no máximo, puxar alguns fios da meada para dar uma ideia do tamanho da empreitada e, assim, começo por uma controvérsia menor, entre muitas outras, no século XVII e que achei por mero acaso. Reproduzo dois trechos do início de uma carta resposta de Robert Hooke (1635-1703), filósofo natural [III] inglês, contemporâneo e desafeto em várias ocasiões de Isaac Newton (1643- 1727). Hooke merece pelo menos uma coluna só para ele, mas para não desviar o assunto remeto a uma referência [IV]. A resposta [V] é para o astrônomo francês Adrien Azout (1622-1691), que criticara um método anunciado pelo colega inglês para confecção de lentes. Era uma das polêmicas menores em que o franzino, e com múltiplos interesses, além de corresponsável pelo planejamento da reconstrução de Londres em 1666 [VI], se metera. Consegui encontrar também a carta com as críticas de Azout e depois a tréplica de Azout à réplica de Hooke. Não tive sucesso na busca do que sempre procuramos quando nos deparamos com uma controvérsia: quem tinha razão? Não se sabe, nem uma dissertação de mestrado sobre essas controvérsias científicas no século XVII dá uma resposta [VII]. Não importa, o que vale é a controvérsia em si.

A disputa era em torno do que hoje seria uma simples proposta de instrumentação científica (lentes ópticas), mas os contornos acabaram sendo mais abrangentes. O Sr. Hooke escreve ao editor, que foi o mediador do debate, e começa por agradecer-lhe a oportunidade. A seguir, enuncia as objeções, declarando que a principal delas é contra a proposta em si: “parece que o objetor está insatisfeito pelo fato de eu ter proposto algo em teoria, sem primeiro verificá-la na prática”. À continuação, Hooke contrapõe, afirmando que o objetor poderia ter corrigido os erros por meio de experimentos em vez de apresentar especulações. O filósofo inglês segue dizendo que ele “não apresentou uma mera teoria, mas algo de história e uma questão de fato”. Continua afirmando que ele realizou tantas tentativas quanto possíveis e pensou “que não seria inaceitável ter uma descrição de um caminho (a proposta) que seria ao mesmo tempo nova e geometricamente verdadeira e, aparentemente, não impraticável...” Logo depois Hooke sugere que com a publicação (da proposta), “uma concepção engenhosa e de importante fato filosófico seria comunicada ao mundo letrado e inquiridor, excitando, assim, mentes de homens para o exame (da questão de fato) e seu aprimoramento”.

Reprodução

Nessa carta, publicada em 1665, observamos que o que hoje seria uma simples disputa técnica era, então, um debate sobre o que seria conhecimento, como deveria ser testado e refutado, além de critérios para publicar uma pesquisa e qual a função da publicação para a filosofia natural. No meio da contenda, insinua-se a importância do editor, e não apenas dos personagens, que século e meio mais tarde seriam chamados de cientistas. O fundador e editor até o final da vida da Philosophical Transactions era Henry Oldenburg (1618-1677), que traduzia as cartas do astrônomo francês para apreciação de Robert Hooke e publicação na sua revista. Segundo Sarikadis, “a difusão de informação científica através da Royal Society não seria completa sem a contribuição de cientistas estrangeiros. Oldenburg percebeu a importância de iniciar a correspondência com cientistas de outros países e, às vezes, efetuava tal correspondência sem a aprovação do conselho da sociedade da qual era também secretário.” A correspondência de Oldenburg era tão ampla por toda a Europa, que chegou a ser preso por um tempo na Torre de Londres, suspeito de espionagem em 1667, durante a segunda guerra Anglo-Holandesa.

O tempo na prisão não demoveu Oldenburg de continuar sua correspondência com Antonie van Leeuwenhoek (1632-1723), comerciante holandês, que era também exímio microscopista e considerado o “pai da microbiologia”. Oldenburg traduzia (ou mandava traduzir) as cartas do construtor de microscópios da cidade de Delft para publicá-las na Philosophical Transactions [VIII]. Mas na busca errática pelas bases bibliográficas, uma carta de Leeuwenhoek publicada depois da morte do eminente editor inglês é que chamou a minha atenção no contexto dessa meada e que também ilustra (abaixo) esta coluna. É uma crítica a outro instrumentador e suas promessas. O holandês chega a ridicularizar seu rival, afirmando que o que este declarava ter observado era impossível: no fundo, Leeuwenhoek não admitia a possibilidade de que seus microscópios estariam sendo superados.

Reprodução

Uma das críticas mais contundentes era contra a possibilidade de tentar entender algo sobre as estrelas com um telescópio com essas novas lentes, afinal, “a distância da estrela fixa mais próxima é tão grande, que se uma bala de canhão fosse disparada do Sol em direção a essa estrela, ela levaria 700 mil anos para chegar a ela.” Leeuwenhoek termina em um tom que talvez Oldenburg, se estivesse vivo, teria editado: “Em resumo, senhor, eu não consigo imaginar como alguém se atreve a não somente inventar tais estórias ridículas, como também publicá-las com o propósito de enganar as mentes fracas com as proezas dessas lentes”.

A história é curiosa e, talvez, deveria ser investigada: quem era o virtuoso de Londres? Que instrumentos ópticos eram esses? No entanto, contento-me, por ora, com a leve cutucada em René Descartes e a controvérsia sugerida: novamente uma questão sobre instrumentos para responder as inúmeras perguntas que os filósofos naturais passaram a fazer naquela época. E assim voltamos a um personagem crucial. Dez anos antes de ser condenado pela inquisição, em grande parte pela publicação de “Diálogo sobre os dois principais sistemas do mundo”, Galileu Galilei (1564-1642) publicou “O analisador” (1623), considerado como seu “manifesto científico”, que representa uma guinada no seu trabalho e no qual ataca o “autoritarismo do dogma aristotélico, que impede os processos da descoberta e aquisição de conhecimento” [IX], mas ao mesmo tempo infere possíveis limites para essa nova maneira de pensar, a ciência. Boa parte desses limites tem a ver com os instrumentos necessários, muitos ainda não desenvolvidos e que também eram ardentemente debatidos, como vimos acima.

Aprendemos na escola que Galileu desferiu facada letal em Aristóteles, que estaria então refugiado atrás muros da Igreja, mas enterrado para o nascente mundo da ciência. Não foi tão simples assim: a briga continuou por um bom tempo, como podemos ver no prefácio ao terceiro ano da Philosophical Transactions [X]. Texto de 1666 (abaixo) em que o editor, o velho e bom Oldenburg, só para não esquecer, reafirma a relevância dos avanços já publicados e a importância dessa disseminação para o crescimento das “artes e invenções”. Em seguida desafia aqueles que ainda preferem a escuridão... Esses mesmos fingiriam estimar Aristóteles e, por isso, o prefácio-editorial-manifesto sai em defesa do filósofo grego.

Reprodução

Boa parte do edifício de Aristóteles continuava em pé,  apenas sua Física havia caído, mas mesmo assim é carinhosa a defesa no editorial da mais antiga publicação científica: “Certamente, se Aristóteles tivesse tido a sorte de apreciar a nossa óptica e outros instrumentos de arte e tais engenhos como os que empregamos, ele teria outra atitude e teria reconhecido uma variedade maior curiosidade”.

Os excertos encontrados e comentados acima dão apenas uma ideia da intensidade do debate na época, que precisa ser relembrado: ciência não se estabeleceu como uma espécie de dez mandamentos, caindo de repente do céu. Hoje o convite a essa lembrança parece ser um aviso necessário.

De quebra aprendemos que nem só de filósofos, naturais ou não, fez-se a ciência. De editores também.

 


 

[I] http://revistaquestaodeciencia.com.br/questao-de-fato/2019/05/13/vacinas-evolucao-transgenicos-pesquisa-revela-crencas-dos-brasileiros

[II] https://www.unicamp.br/unicamp/ju/artigos/peter-schulz/matou-cascavel-e-publicou-o-pau

[III] A palavra cientista foi cunhada apenas em 1834 por William Whewell em substituição a filósofo natural.

[IV] http://www.scielo.mec.pt/pdf/ctm/v20n3-4/v20n3-4a07.pdf

[V] Mr. Hook's Answer to Monsieur Auzout's Considerations, in a Letter to the Publisher ofThese Transactions, Philosophical Transactions (1665-1678), Vol. 1 (1665 - 1666), pp. 64-69:

[VI] https://pt.wikipedia.org/wiki/Grande_inc%C3%AAndio_de_Londres

[VII] Scientific controversy and the new astronomy: the intellectual and social contexts of the Hevelius-Hooke dispute, Voula Sarikadis;

[VIII] https://royalsocietypublishing.org/doi/full/10.1098/rstb.2014.0344

[IX] https://scholarworks.unr.edu/handle/11714/3465

[X]A Preface to the Third Year of These Tracts: Philosophical Transactions (1665-1678), Vol. 2 (1666 - 1667), pp. 409-415: