“O coronavírus levou as pessoas a tirar a generosidade da gaveta e a reduzir a competitividade”

Coordeno o Laboratório de Estudos de Vírus Emergentes, o Leve, na Universidade Estadual de Campinas [Unicamp]. Antes da pandemia, estudávamos o mecanismo pelo qual determinados vírus – em especial aqueles transmitidos por insetos, os arborvírus – causam doenças. Nosso foco eram alguns vírus da Amazônia, como o oropouche e o mayaro, que provocam doenças febris exantemáticas [com erupções na pele], além dos vírus da dengue, zika e chikungunya. Muitos estudos eram feitos com camundongos nocaute, que não expressam determinados genes essenciais para a resposta do organismo ao vírus. Usamos essa estratégia para compreender quais componentes da resposta imunológica controlam a infecção.

Lei matéria completa na Revista Pesquisa Fapesp

Imagem de capa

José Módena (à frente no centro, com máscara de dinossauros) com sua equipe no laboratório | Foto: Arquivo pessoal
José Módena (à frente no centro, com máscara de dinossauros) com sua equipe no laboratório | Foto: Arquivo pessoal