Literatura Infantil (1880-1910)

 
A casa                

 

 

A boneca

 

Olavo Bilac

 

 

Deixando a bola e a peteca

Com que inda há pouco brincavam,

Pó causa de uma boneca,

Duas meninas brigavam.

 

Dizia a primeira: “É minha!”

_ “É minha!” a outra gritava;

E nenhuma se continha,

Nem a boneca largava.

 

Quem mais sofria (coitada!)

Era a boneca. Já tinha

Toda a roupa estraçalhada,

E amarrotada a carinha.

 

Tanto puxaram por ela,

Que a pobre rasgou-se ao meio,

Perdendo a estopa amarela

Que lhe formava o recheio.

 

E, ao fim de tanta fadiga,

Voltando à bola e à peteca,

Ambas, por causa da briga,

Ficaram sem a boneca...

 

 

 

 

Olavo Bilac, Poesias infantis (Rio de Janeiro: Ed. Francisco Alves, 1949), pp. 31-32 apud: LAJOLO, Marisa & ZILBERMAN, Regina. Um Brasil para crianças. Global, SP, 1993, 4ª ed.

 

 

A casa