Ecologia com visão sistêmica

Como funciona hoje em dia a Biosfera.

Os consumidores humanos conseguiram ter acesso a recursos fósseis que não estavam sendo usados e intensificar a exploração dos recursos da biodiversidade. Trata-se de recursos de alta qualidade que levaram milhões de anos para serem produzidos: solos, aqüíferos, turfa, carvão, petróleo, gás, hidroeletricidade, espécies vegetais e animais. O uso destes recursos possibilitou um crescimento exponencial para o gênero humano a um custo social e ambiental muito grande que põe em risco a sobrevivência da espécie.

Pico de produção e consumo e início da decadência (senescência).

A natureza trabalha em ciclos de produção e consumo. Uma parte pequena da produção de biomassa, por diversos motivos, pôde fica fora do alcance dos decompositores e se converter em estoques de energia de alta qualidade. O homem moderno converteu esses estoques não renováveis na base de seu desenvolvimento industrial;. Porém depois do crescimento virá uma etapa de senescência na qual o consumo se ajustará as taxas de produção sustentáveis.

A cadeia trófica dos ecossistemas naturais é composta de autótrofos (produtores) e heterótrofos (consumidores). Os produtores (plantas e algas) fixam a energia solar e os consumidores aproveitam os estoques de biomassa (vegetal e animal). Na natureza as cadeias tróficas são curtas, geralmente três ou quatro consumidores, atuando em seqüência, sendo o último nível trófico composto pelos decompositores que aproveitam os resíduos dos produtores e dos consumidores.

Já nos ecossistemas dominados pelo homem moderno a cadeia trófica se expandiu e mudou de conteúdo. Os seres humanos deslocaram as plantas e os animais nativos e o uso dos recursos energéticos permitiu novos empregos intensivos no uso de energia fóssil.

O fim do petróleo de baixo custo de extração cortará o topo da cadeia trófica humana, pois não terá base de sustentação energética. Também a qualidade do trabalho humano mudará pois a humanidade terá que re-aprender a trabalhar com recursos renováveis.

A análise cuidadosa e a comparação das cadeias tróficas dos ecossistemas naturais e dos ecossistemas antrópicos (subsidiados pelo petróleo) permitem discutir cientificamente capacidade de suporte, qualidade de vida, emprego e sustentabilidade. Até hoje o resultado desses estudos aponta para situações de calamidade e sugerem a adoção do princípio de precaução. As políticas públicas necessárias para a transição ao Desenvolvimento Sustentável precisam do estudo de novos modelos de produção para assentar enormes massas de gente no meio rural no mundo inteiro. Não podemos ficar inertes, pois os problemas para a sociedade e o ambiente aumentarão enormemente (o custo da oportunidade perdida é muito alto).

Devemos começar com grande empenho a estudar esses novos modelos em diversos países do mundo e a intercambiar experiências. O modelo de desenvolvimento atual deve ser questionado e a formulação destes novos modelos de produção é uma das ferramentas mais valiosas nesse questionamento. Fora isso, a divulgação dos resultados desses trabalhos inovadores cria nas pessoas o desejo de participar e contribuir na construção de uma nova sociedade.

Enrique Ortega. LEIA/DEA/FEA/Unicamp (22/02/2003)

Referência:
Howard T. Odum, Elisabeth C. Odum, 2001. “The Prosperous Way Down: Principles and Policies”. University of Colorado Press.

Questôes:

  1. Como conscientizar os capitalistas(que pensam apenas no lucro imediato) de que os recursos fósseis são escassos e que sua exploração tem um limite?
  2. Problemas como pobreza, miséria, fome, mortalidade infantil poderão ser agravados. Além disso, o desenvolvimento econômico também estará comprometido com o fim dos recursos fósseis.
  3. Há outra alternativa de energia que possa vir a ser descoberta no futuro que não provenha do petróleo?
  4. Por que muitos pesquisadores insistem na tese de que, com o tempo, o homem se adaptará a escassez do petróleo? Eles estariam enganados? Por quê?