Consu aprova indicação de Francisco Gomes Neto para a PRDU

Foto Perri
O professor Francisco Gomes Neto substitui a professora Marisa Beppu  na PRDU

A indicação de Francisco de Assis Magalhães Gomes Neto para ocupar o cargo de pró-reitor de Desenvolvimento Universitário em substituição a Marisa Beppu foi aprovada por unanimidade pelo Conselho Universitário (Consu) da Unicamp, em sessão extraordinária realizada na manhã desta terça-feira (12). Chico, como é conhecido pela comunidade universitária, é professor do Instituto de Matemática e Ciência da Computação (IMECC). Ao falar sobre a mudança na composição da Administração Central, o reitor Marcelo Knobel fez um agradecimento à Marisa Beppu pela dedicação à Universidade e adiantou que não tem dúvidas de que seu sucessor dará continuidade ao excelente trabalho que vem sendo executado pela Pró-Reitoria de Desenvolvimento Universitário (PRDU).

Durante a reunião, Knobel fez um breve balanço dos dois anos de gestão, destacando os resultados obtidos com as medidas voltadas ao equilíbrio financeiro da Unicamp. Segundo o reitor, a situação atual é bem melhor que a identificada no momento da posse, mas ainda requer cuidado. O dirigente lembrou aos conselheiros que o fraco desempenho da economia brasileira impediu a completa estabilização financeira da Universidade. “Para os senhores terem uma ideia, os atuais repasses do ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços] estão no mesmo patamar que em 2008, com a diferença que naquela época a nossa folha de pagamento com os aposentados representava 17,5% do orçamento, e hoje representa 35%”, comparou.

Foto Perri
Nome do novo pró-reitor de Desenvolvimento Universitário foi aprovado por unanimidade pelo Consu

Muitos dos avanços obtidos no último biênio, ressaltou Knobel, foram alcançados graças à colaboração da professora Marisa e sua equipe. A docente preferiu não falar aos membros do Consu, porque já havia feito isso em oportunidade anterior. [Confira aqui discurso feito por Marisa Beppu em reunião da Câmara de Administração, em fevereiro último]. Já o professor Chico agradeceu a indicação para o cargo, bem como a confiança manifestada pelos integrantes do Conselho. Ele considerou que será um desafio suceder a professora Marisa, e adiantou que não tem a menor pretensão de superá-la. “Pretendo manter os passos dados até aqui”.

O novo pró-reitor afirmou que, por ser a melhor escola de ensino superior da América Latina, a Unicamp tem todas as condições de buscar soluções para diferentes problemas, tanto os relativos às distintas áreas de pesquisas, quanto os que afetam as rotinas da própria instituição. “De minha parte, quero dizer que as portas da PRDU estarão sempre abertas para recepcionar, com muito respeito, as sugestões e demandas dos senhores”, concluiu o professor Chico.

 

 

“Há muito tempo, venho tratando com o Prof. Marcelo e profa. Teresa, a intenção de sair da PRDU, ao fim da primeira metade da gestão.

Quando me convidaram para esta cadeira, senti-me na obrigação de assumir a empreitada, pois eu sabia que a universidade passaria pelos piores e mais desafiadores anos de sua história, situação produzida tanto pelas erradas decisões do passado, quanto pela situação econômica que que se instalara.

No mais puro senso de cumprimento do dever, assumi a PRDU em abril de 2017. Numa situação de desequilíbrio de contas, processos não transparentes, e estruturas que necessitavam de ajuste.

Hoje, não digo que a Universidade esteja curada, mas acho que a fase mais aguda já passou.

Uma universidade não sobreviverá sem uma gestão responsável. Um declínio futuro não estará afastado se não enxergarmos isto.

Com as contas mais em dia, a universidade tem a opção de tomar as decisões mais acertadas.

Sentei nesta cadeira com a certeza de que eu não seria unanimidade, muito menos receberia a aceitação inconteste de todas as iniciativas.  Sempre tive a noção exata de meu papel e nunca me furtei disto.

Corrigir rumos e maus hábitos, ou mudar a inércia em uma direção, requer força e decisões que desagradam um grande contingente de pessoas e fazer o justo, nem sempre é popular. Aliás, quase nunca é.

Quebrar a omissão, a prática da influência pessoal, o balcão, não é algo trivial.

Procurei fazer um trabalho fiel e dedicado à Universidade. Não olhei Unidade, grupo, credo, nem fiz discriminação de qualquer natureza para realizar as decisões.

Espero ter demonstrado, nos trabalhos da PRDU, que segui os princípios da impessoalidade, da transparência, da eficácia e da probidade.

Penso que quem ocupa um cargo público tem que ser capaz de tomar decisões que, mesmo que lhe prejudiquem pessoalmente, tragam os ganhos à instituição. Foi desta maneira que realizamos o trabalho árduo que tinha que ser feito, e espero que, mais que um orçamento equilibrado, deixemos também referenciais.

Da mesma forma que tenho a percepção de ter feito a minha parte, tenho a humildade em reconhecer meus limites, devido aos meus referenciais de base e, por isso, quando tenho menos a contribuir.

Agradeço a cada um que colaborou com as tantas frentes da PRDU, desde a gestão de projetos e obras, partilhadas com os diretores, a famosa lista da PRDU, que agora vai para Depi, a orçamentação e transparência na criação e designação de GRs, do próprio tratamento do orçamento, a carreira dos funcionários e a Carreira Pq baseadas no mérito, as certificações e os estudos estruturantes

Alguns desses projetos, como a da carreira, exigem ainda um cuidadoso olhar na implementação. Tenho certeza de que o professor Francisco, que me substituirá, continuará, de maneira brilhante, a execução desses projetos. Aos diretores que têm me procurado recentemente sobre todos os assuntos, eu digo tranquilamente que não haverá descontinuidade de agenda. Por fim, agradeço à comunidade da Unicamp, ao professor Marcelo, à professora Teresa, pela imensa honra que foi ocupar esta cadeira. Agradeço a todos pelo companheirismo, profissionalismo e apoio. Meu muito obrigada.”
 

Marisa Beppu