Proec abre mostra ‘Exceção’ na Casa do Lago

Lá se vão 70 anos da Declaração Universal de Direitos Humanos e 30 da aprovação da Constituição Federal Brasileira (22 de setembro de 1988), mas a arte ainda precisa chamar atenção para o estado de “Exceção”. Com este nome, a exposição em cartaz no Espaço Cultural Casa do Lago, órgão da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (PRoeC),  até 22 de setembro abre caminhos para a reflexão sobre a suspensão normativa de direitos básicos do ser humano. Por meio da arte, o estado de exceção é abordado desde o regime militar até os tempos atuais, em que o governo é capaz de passar por cima de sua própria legislação em situações cotidianas nas quais cidadãos são coagidos tanto pelo crime organizado quanto pelo aparato repressor do Estado. As obras são assinadas pelos artistas Carmela Gross, Dora Longo Bahia, Maurício Nogueira Lima, Claudio Tozzi e Fábio Morais.

Uma faixa com as inscrições “O racismo é estrutural”, na entrada, já indica a proposta da exposição e o quanto a exceção ainda coloca seres humanos à margem da sociedade. Dentro do espaço, gravuras, fotos e vídeos exprimem o contexto de urgência e instabilidade que a sociedade brasileira vive não somente na ditadura militar, mas também no momento atual, segundo o curador Gabriel Zacarias, professor de história da arte no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp.

A história é apresentada em três núcleos: Exceção Militar, Exceção Renovada e Exceção Estrutural. “A mostra propõe a discussão através da arte. Ela tem uma força específica, consegue colocar questões, reflexões, problemas para atrair a atenção das pessoas de maneira distinta. A gente busca o fato de que a arte, com o que tem de específico, pode provocar um debate, um posicionamento de maneira mais rica”, explica Zacarias,

Doutor em estudos culturais pela Universidade de São Paulo e pós-doutorando no IFCH, o professor Lindener Pareto considera a exposição importante tanto para o público adulto quanto para visitas escolares. Para ele, a mostra é um dos caminhos para as escolas terem contato com a universidade. “As escolas devem vir.”

De acordo com a diretora de Cultura da Proec, Malu Arruda, o conjunto de obras que compõem a exposição vai ao encontro da proposta da Proec de promover a reflexão de temas pertinentes à sociedade. A mostra abre a agenda de trabalhos aprovados na Chamada para Ações Culturais da DCult deste semestre.

O vídeo pode ser conferido no Canal Proec Unicamp no Youtube.

Serviço
Exposição Exceção
Até 22 de setembro
O Espaço Cultural Casa do Lago fica na Avenida Érico Verissimo, 1.011, no campus da Unicamp em Barão Geraldo

Gabriel Zacarias, curador da exposição
Gabriel Zacarias, curador da exposição
Carmen Lúcia Rodrigues Arruda, diretora de Cultura da PRoeC e Gabriel Zacarias
Carmen Lúcia Rodrigues Arruda, diretora de Cultura da PRoeC e Gabriel Zacarias

Imagem de capa

Faixa “O racismo é estrutural”, na entrada da exposição
Faixa “O racismo é estrutural”, na entrada da exposição