Fórum de diretores discute formação docente e conjuntura do País

imagem da mesa de abertura do evento com todos os convidados
Mesa de abertura do evento, durante a fala da professora Teresa Atvars

Com a leitura completa de um artigo para jornal, o professor Valdemar Squissardi deu início à sua participação na mesa de abertura do 39º Encontro Nacional do Fórum Nacional de Diretores de Faculdades, Centros de Educação ou Equivalentes das Universidades Públicas Brasileiras (Forumdir). Docente aposentado da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e pesquisador da educação superior, Squissardi leu “A catástrofe se aproxima das universidades federais e do sistema de ciência e tecnologia”, escrito pelo reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Roberto Leher, publicado esta semana no Jornal do Brasil.

O texto chama a atenção para “a neblina cerrada que recai sobre o futuro dos conhecimentos científico, tecnológico, artístico e cultural, provocada pela emenda dita do Teto (declinante) dos Gastos (EC 95/2016) ”. O palestrante procurou enfatizar a preocupação dos pesquisadores da área com os efeitos da medida que limitou os gastos do governo, para a educação pública brasileira. Squissardi conclamou Paulo Freire, afirmando que o educador “lutou pela superação dos analfabetos e dos analfabetos políticos em geral, da consciência ingênua para a consciência crítica da realidade”.

O convidado do evento também disse que os atuais desafios da educação superior no Brasil, tema de sua palestra, “não são um fenômeno natural e a-histórico que se explicaria por si mesmo”. Segundo o docente nada se explica por si mesmo “e sim no contexto de uma realidade que contém os fatores, as causas que produzem o se, os fatos, o todo”. O palestrante ainda comentou sobre como o ensino se transformou em uma commodity, ou uma mercadoria.

O encontro começou na noite desta quarta-feira (15), no Salão Nobre da Faculdade de Educação (FE) da Unicamp e vai até sexta-feira, 17. Estão reunidos cerca de 30 diretores de instituições públicas, representando todas as regiões do País. (Confira a programação) A diretora da FE, Dirce Zan, salientou que o fórum está articulado com outras entidades que trabalham na formulação e acompanhamento das políticas públicas para a educação e que estão presentes em várias instancias que planejam políticas educacionais. “Na edição de 2018 nossa preocupação maior é com as políticas públicas para formação de professores, que acabam afetando licenciaturas, cursos de pedagogia e ainda as políticas de educação básica e das universidades, uma vez que os cursos estão nas universidades”, afirmou.

Assuntos como o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) o PIBID e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) estão sendo debatidos nas mesas do evento. “Estamos vendo que a expansão de vagas para cursos de formação de professores infelizmente está ocorrendo na rede privada e em educação a distância. Nos interessa muito que tipo de instituição tem formado os professores no País” ressaltou a diretora.

diretores sentados no auditório
Diretores e público participam do Forumdir

Na abertura que antecedeu a palestra de Squissardi, a coordenadora geral da Unicamp Teresa Atvars,  afirmou que o evento tem importância estratégica, considerando o momento da vida política brasileira. De acordo com ela, o debate deve refletir sobre as melhores estratégias de aproximação com a sociedade. “Precisamos pensar onde nós estamos errando na nossa comunicação com a sociedade que não está alinhada com os princípios e valores que estamos colocando como absolutamente essenciais para o desenvolvimento do País”.

Para Atvars, a universidade e a sociedade não estão alinhadas quando se trata de compreender a gravidade do momento. “A sociedade permanece inerte nessa temática que é crucial não só para o presente mas para o nosso futuro principalmente. Temos milhões de jovens em idade escolar e fora da escola. Consequentemente serão jovens que estarão fora do trabalho qualificado e numa marginalidade que compromete o futuro do País”, refletiu. A coordenadora geral afirmou que da mesma forma que a defesa da autonomia universitária, a defesa da educação também será mais decisiva quando partir da sociedade.

A presidente do Forumdir, Márcia Maria Gurgel Ribeiro, docente da Universidade Federal do Rio Grande do Norte também se manifestou a respeito da conjuntura brasileira. “A instabilidade institucional que vivemos, aprofundada pelas políticas recessivas e expectativas de cortes têm gerado inquietações e incertezas para o desenvolvimento da educação, da ciência e tecnologia. Presenciamos ainda a instalação de processos autoritários e a desestabilização dos movimentos organizados com ameaças constantes às atividades acadêmicas”, observou.

A dirigente destacou uma série de definições e compromissos assinalados no documento final do último encontro Forundir, em 2017, em Belém (Pará). “Tentamos assegurar uma pauta de reivindicações para a garantia de direitos, de princípios e de espaços democráticos que assegurem uma sociedade justa e igualitária”. No final desta edição também será elaborado um documento para divulgação.

 

Imagem de capa

Professor Valdemar, da UFSCar na conferência de abertura
Professor Valdemar, da UFSCar, na conferência de abertura