Viver mulher em diferentes culturas

“Tudo isso são histórias de mulheres. Marcas, fissuras, pinturas, cortes, mágoas, alegrias. Histórias que eu ouço de outras mulheres em conversas. Meu trabalho é o percurso de uma mulher viajando sozinha por vários cantos do mundo, descobrindo lugares de não pertencimento e fazendo deles uma morada provisória”, contou Regina Carmona, artista plástica que coordenou o workshop Whirl Mandala, o círculo da vida, nesta quinta-feira (8), na Galeria de Arte da Unicamp. A oficina, inserida na exposição sobre as formas do físico feminino no mundo, compôs as comemorações do Dia Internacional da Mulher realizadas na Universidade.

artista plastica Regina Carmona
Regina Carmona na Galeria de Arte da Unicamp

Regina Carmona usou o próprio corpo como suporte para seu trabalho. Tirou em gesso um molde de seu corpo e, sobrepondo camadas de látex, fez uma pele. Nessa pele, imprimiu com técnicas diversas histórias das mulheres que havia colecionado em seu caminho. “Minha obra é o diálogo do meu processo de vida. É nesse diálogo que nós artistas aprendemos a ler o que queremos dizer com nossa obra”, afirmou durante a oficina.

As estudantes do Instituto de Artes (IA) da Unicamp, Camile Rosseto e Camila Bassi, que acompanharam a oficina, ficaram impressionadas com trabalho da artista e com a possibilidade de conhecer o caminho percorrido para chegar à sua produção. “É muito bom ver a exposição de uma mulher tão incrível assim. São tantos detalhes. É algo que inspira”, afirmou Camile Rosseto. Recordando o lugar de objeto da mulher na história da arte, Camila Bassi ressalta importância do evento e do seu lugar como estudante da Universidade. “Alcançar o status de poder estar em uma academia de artes e fazer um curso, ter espaço e uma voz, é muito importante. Por mais que a gente ainda brigue por igualdade, a gente tem uma voz que está reverberando”, pontuou.

Prosseguindo as comemorações do Dia da Mulher, o grupo ElasElis e a bailarina Sarah Raquel preencheram o vão do Ciclo Básico com música e dança, em evento promovido pelo Serviço de Apoio ao Estudante (SAE). O grupo, composto pelas alunas do curso de Música do IA da Unicamp, Mynara Melo (voz), Bruna Duarte (contrabaixo), Maria Cecília Collaço (bateria) e Marília de Castro (piano), trazem proposta de ressignificar as canções de Elis Regina com base no conteúdo de cada letra. Assita ao vídeo da TV Unicamp:

Atividades aconteceram por toda Universidade. No Hospital da Mulher Prof. Dr. José Aristodemo Pinotti (Caism), houve apresentação da Orquestra dos Patrulheiros Campinas e sessões de Reiki. No CIS-Guanabara, com objetivo promover momentos de reflexão sobre o lugar da mulher na sociedade moderna, foram realizadas palestras, mesas redondas, oficinas e apresentações culturais durante todo dia, sob o título Mulher de Fases – Uma Celebração ao Dia Internacional da Mulher. No auditório GGBS, promovida pelo Grupo Gestor de Benefícios Sociais (GGBS), foi apresentada a peça Descontruindo preconceitos e construindo respeito, pelo grupo de teatro Primeiro Ato.

 

Imagem de capa

obra da artista plastica Regina Carmona
obra da artista plastica Regina Carmona