Curso de Enfermagem comemora 40 anos de serviço à sociedade

Comunidade universitária comemora quatro décadas do curso de enfermagem
Comunidade universitária comemora quatro décadas do curso de enfermagem

As salas de aula do curso de enfermagem da Unicamp ficavam localizadas, nos primeiros tempos, no espaço do atual restaurante Giovannetti, no bairro Cambuí. O prédio não tinha um bom estado de conservação. E os estágios na graduação aconteciam na Santa Casa de Misericórdia. Esse foi o embrião da Unicamp e, parte dessa história, foi recuperada na tarde desta sexta-feira (2), durante as comemorações dos 40 anos de criação do curso de enfermagem da Universidade. A solenidade, bastante disputada, aconteceu no auditório da Faculdade de Ciências Médicas (FCM), reunindo alunos, ex-alunos, funcionários e docentes.

O reitor da Universidade, Marcelo Knobel, ressaltou a importância desse curso para a formação profissional e para a assistência à saúde da população. Participaram ainda do evento a coordenadora geral da Universidade, Teresa Dib Zambon Atvars; a pró-reitora de Desenvolvimento Universitário, Marisa Beppu; e a pró-reitora de graduação, Eliana Amaral; além de outras autoridades e convidados.

Marcelo Knobel parabenizou a organização do evento, que conseguiu congregar grande contingente de ex-alunos. Ele disse que acompanhou, quando pró-reitor de Graduação, a transferência do curso de eEnfermagem, que funcionava na FCM, para a Faculdade de Enfermagem (FEnf), em 2012. “É uma alegria festejar esse aniversário e espero estar aqui nas comemorações dos próximos 40 anos”, disse. 

O reitor da Unicamp, Marcelo Knobel
O reitor da Unicamp, Marcelo Knobel

O diretor da FCM, Ivan Toro, agradeceu a equipe da enfermagem de todos os tempos que o ajudou no seu trabalho. “Foi uma honra ter visto o crescimento da enfermagem, sua formação, pesquisa, gestão e cuidados com a população. Continuem trabalhando e sugerindo ações e mudanças para melhorar o nosso Sistema Único de Saúde (SUS)”, realçou. 

A diretora da FEnf, Maria Isabel Pedreira de Freitas, atribuiu a evolução do curso de enfermagem aos alunos de graduação e fez um apelo para que todos os ex-alunos não se distanciem da faculdade. Ela aproveitou para destacar a importante parceria da FEnf com o Hospital de Clínicas (HC), Hospital da Mulher "Prof. J.A. Pinotti" - Caism, Hospital de Sumaré (HES) e Centro de Saúde da Comunidade (Cecom).

A diretora da FEnf, Maria Isabel
A diretora da FEnf, Maria Isabel Pedreira de Freitas
O diretor da FCM, Ivan Toro
O diretor da FCM, Ivan Toro

Erika Duran, presidente da Comissão de Graduação da FEnf, sublinhou que a enfermagem trabalhou muito para a formação dos alunos e sempre em defesa da família. Disse que as ações da enfermagem foram sempre bastante resolutivas e que este é o modo de formar profissionais na Unicamp. Renata Pietro, do Conselho Regional de Enfermagem, disse que o curso da Unicamp é muito importante para o contexto nacional e que sempre teve profissionais atuantes nas mais diferentes esferas, entre elas ética e em terapia intensiva.

Os docentes da FEnf Maria Helena Baena de Morais Lopes e José Luiz Tatagiba Lamas relataram a história do curso de enfermagem. Tatagiba lembrou que foi colega de turma de Maria Helena e que chegou à Unicamp através do Colégio Técnico (Cotuca). Disse que teve aulas de anatomia no Instituto de Biologia (IB), num prédio próximo à DGA (Diretoria Geral de Administração), e que seu primeiro professor dessa disciplina foi o médico Luis Alberto Magna. 

Maria Helena comentou que o que mais a impressionou na Unicamp foi o despojamento das pessoas que encontrou no campus no primeiro dia de aula. Ela também revelou que foi aprovada em engenharia agrícola, que não chegou a cursar, e que só depois resolveu fazer enfermagem. Falou do enorme esforço dos primeiros mestres que lecionavam ao mesmo tempo diversas disciplinas para cumprir às exigências curriculares. Saiba mais sobre a história do curso de enfermagem.

 

Renata Pietro, do Conselho Regional de Enfermagem
Renata Pietro, do Conselho Regional de Enfermagem
Maria Helena Baena e José Luiz Tatagiba, docentes da FEnf
Maria Helena Baena e José Luiz Tatagiba, docentes da FEnf

Imagem de capa

Público lotou auditório da FCM
Público lotou auditório da FCM