Grupo propõe mapear diáspora científica brasileira nos EUA

Projeto do NEPP foi discutido com a Embaixada Brasileira em Washington e submetido à análise da Fapesp

Quem são, onde trabalham e em quais atividades estão envolvidos os brasileiros que vivem nos Estados Unidos e atuam em áreas ligadas à ciência, tecnologia e inovação (CT&I)? Estas e outras perguntas devem ser respondidas por um projeto submetido à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) por pesquisadores do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas (NEPP) da Unicamp. A demanda nasceu do interesse da Embaixada do Brasil em Washington em mapear a diáspora científica brasileira em terras norte-americanas. O objetivo da iniciativa é promover a aproximação entre os profissionais baseados nos EUA com seus pares no Brasil, de modo a conectá-los em rede, facilitando consequentemente a realização de cooperações e intercâmbios científicos e tecnológicos.

O acordo que possibilitou a elaboração do projeto foi assinado em dezembro último pelo reitor Marcelo Knobel e pelo embaixador Sérgio Amaral. Atualmente, a proposta encontra-se sob análise da Fapesp. Segundo a coordenadora do projeto, Ana Maria Carneiro, a ideia é que os trabalhos sejam realizados por um grupo formado por pesquisadores e pós-graduandos do NEPP, além das professoras Flávia Consoni, do Instituto de Geociências (IG) da Unicamp, e Elizabeth Balbachevsky, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP. “Também vamos contar com o apoio da Embaixada, que realizou ações anteriores voltadas à mobilização dos brasileiros que estão inseridos em universidades, institutos de pesquisas, agências de fomento e empresas norte-americanas”, informa.

As ações de engajamento com a diáspora brasileira de CT&I se desdobraram em duas grandes iniciativas por parte da Embaixada. A primeira foi o interesse demonstrado junto à Fapesp em promover um estudo aprofundado sobre o tema. “Nós fomos contatados, compusemos a equipe de pesquisadores e preparamos o projeto”, relata Ana Maria. A segunda iniciativa foi a realização, em duas oportunidades (2017 e 2018), de eventos com a participação de brasileiros que trabalham em áreas ligadas à CT&I.

Foto: Perri
Ana Maria Carneiro: proposta prevê a realização de um amplo mapeamento, que incluirá desde questões históricas envolvidas nessa migração de cérebros para o exterior, até o número de profissionais e seus respectivos empregadores

De acordo com a pesquisadora, a proposta submetida à Fapesp prevê a realização de um amplo mapeamento, que incluirá desde questões históricas envolvidas nessa migração de cérebros para o exterior, até o número de profissionais e seus respectivos empregadores, passando pelos principais motivos que levaram esse contingente a deixar o Brasil. Em algum momento, prevê a pesquisadora do NEPP, uma parte desse público deverá ser convidada a responder a um questionário. “Depois disso, vamos fazer a caracterização desses profissionais, para saber onde estão, o que fazem e o que têm a dizer sobre a possibilidade de estabelecer cooperações com grupos no Brasil”, detalha.

Além disso, o projeto também fará uma análise sobre as políticas públicas que possam favorecer o engajamento dos integrantes da diáspora científica. “Outra tarefa que pretendemos cumprir é olhar para a experiência de outros países, para identificar iniciativas que possam ser adequadas à realidade do Brasil. É importante lembrar que políticas de engajamento com esse propósito requerem atenção não apenas para o que ocorre externamente, mas também para o que acontece no ambiente institucional doméstico, que precisa igualmente facilitar a interação”, analisa Ana Maria.

A especialista do NEPP afirma que não é possível fazer uma estimativa de quantos brasileiros trabalham atualmente em ambientes vinculados à CT&I nos EUA. Um levantamento feito pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) calcula que cerca de 75 mil brasileiros que vivem nos EUA têm curso superior. “O nosso grupo de interesse está contido nesse contingente”, esclarece Ana Maria. Ainda segundo ela, o objetivo do mapeamento não é fazer um recenseamento dos brasileiros que apresentam o perfil de interesse, ou seja, não é identificar cada um deles. “Vamos iniciar pelos nomes mais relevantes e já conhecidos pela Embaixada. A expectativa é que, através deles, possamos chegar a outros profissionais, naquilo que chamamos de ‘efeito bola de neve’”. O projeto apresentado à Fapesp está previsto para durar dois anos.


Reino Unido

Durante as conversações entre a Embaixada do Brasil em Washington e a Fapesp, a Embaixada do Brasil em Londres também demonstrou interesse em mapear a diáspora científica brasileira no Reino Unido. Em fevereiro último, a representação diplomática promoveu uma primeira ação nesse sentido, ao realizar um workshop que reuniu diversos atores ligados ao tema. Ana Maria e outros três pesquisadores do NEPP estiveram presentes. “Foi um encontro bastante interessante, durante o qual foram discutidos diversos assuntos relacionados à diáspora científica brasileira”, conta.

A realização do levantamento relativo ao Reino Unido encontra-se em fase de negociação entre o NEPP e a Embaixada. De toda forma, Ana Maria considera que as eventuais metodologias desenvolvidas durante o estudo relacionado à presença de profissionais brasileiros de CT&I nos EUA possam ser aproveitadas num eventual segundo trabalho. “Esperamos que essas metodologias sirvam, ainda, para o desenvolvimento de políticas públicas, visto que o Ministério das Relações Exteriores demonstrou interesse em criar um programa para o acompanhamento da diáspora científica brasileira de maneira ampla, que não seja focada especificamente em um país. Isso demonstra que o Itamaraty enxerga esses profissionais como um ponto importante no exterior”, pontua.   

 

 

Imagem de capa JU-online

Audiodescrição: em sala de trabalho, imagem em perspectiva e de busto, mulher sentada em cadeira, ao centro da imagem e com olhar voltado para a esquerda, fala e gesticula com a mãos, mantendo os braços projetados para frente e apoiados sobre uma mesa que encontra-se à frente. Logo às costa dela, há duas amplas janelas basculantes de vidro e sobre a mesa, à esquerda, uma impresso, um fax, um xícara de louça e um mouse. Ela veste blusa de tecido leve, sem mangas e em tom bege claro. Imagem 1 de 1.