Vida e morte do seu Totó de Bento

Ficção e realidade se fundem na narrativa literária que reconstitui a trajetória de um personagem que amava a sua terra

A trajetória de um “jovem senhor” que amava sua terra e cuja vida é interrompida por um tsunami de lama, no subdistrito de Bento Rodrigues, em uma tragédia sem precedentes no País. A narrativa literária “Vida e morte do seu Totó de Bento” foi construída a partir da intertextualidade com a obra de Machado de Assis, objetivando partir do inverossímil (defunto-autor, narrador onisciente) para a veracidade dos fatos.

Foto: Jefferson Vasques
Mar de lama | Foto: Jefferson Vasques, blog “eu passarin”

A escolha do personagem foi baseada em um personagem real, morador antigo e muito querido de Bento – Antônio Prisco de Souza, o seu Totó. A trama foi desenvolvida a partir de uma vasta leitura de depoimentos, reportagens e áudios, contextualizando as primeiras 26 horas da tragédia, e explicitando a situação em Bento Rodrigues, “a cidadezinha varrida do mapa”.

A elaboração do texto está embasada no contexto histórico sociocultural (e também o emocional de Totó, por meio das figuras de construção literárias) do sujeito-locutor-enunciador, e a construção das cenas de enunciação, com o objetivo de convocar o receptor-locutário-enunciatário a refletir sobre a problemática em torno de interesses maiores envolvendo a empresa mineradora Samarco e também as consequências nefastas de sua atuação em relação ao homem e ao meio ambiente.

A partir da perspectiva dos teóricos da Análise do Discurso francesa, a intencionalidade do discurso se faz clara: convocar o leitor a pensar sobre a maior tragédia ambiental de todos os tempos em nosso país. O recurso da interlocução, muito utilizado por Machado de Assis, remete a uma tentativa do autor de dialogar com o leitor.


Prólogo

Dedico, em sucintas linhas, minhas lacônicas memórias póstumas não “ao verme que primeiro roeu as carnes frias do meu cadáver”, mas à mineradora Samarco, que com seu “Desenvolvimento com Envolvimento” me arrastou lama adentro, contribuindo também para que meus conterrâneos e toda a minha cidade fosse riscada do mapa das Geraes, em uma tragédia sem precedentes na história do nosso país.

As palavras em si mesmas são tudo: no intuito de desabafo de um finado, escrevi-as à base de melancolia e certa revolta. Não tenho pretensão de arrebanhar milhares de leitores, mas espero angariar as simpatias da opinião que, de certa forma, possam intervir para que a justiça seja feita, e também para que outras tragédias desse tipo possam ser evitadas.

O prólogo é curto; e, em vez de abrir estas memórias pelo princípio – meu nascimento –, optei pelo fim, já que hoje sou um defunto-autor. Devo lhes dizer que fui inspirado pelo célebre romance de Machado de Assis, Memórias póstumas de Brás Cubas, obra realista por meio da qual o autor se utiliza de finíssima e cáustica ironia com intuito de relatar (e de atacar) as mazelas e injustiças do mundo, levando o leitor a importantes reflexões.

Não relatarei a vocês, caros leitores, toda a minha trajetória; apenas me reportarei a passagens de maior significância. Sendo assim, seguem minhas palavras.


Entre o rio e a montanha

Sou o Totó de Bento, nascido Antônio Prisco de Souza na bucólica e muito antiga cidadezinha mineira de 600 habitantes, chamada Bento Rodrigues, subdistrito de Santa Rita Durão, localizada a 35 km da cidade Mariana, e a 124 km de Belo Horizonte, capital das Minas Gerais.

Pois bem, meus caros leitores, começo pelo fatídico dia em que tudo aconteceu: o dia de minha morte. Era o dia 5 de novembro de 2015. O relato que se segue trata brevemente de esparsas reminiscências de uma vida inteira muito bem vivida em minha cidade natal, encrustada entre montanhas, cachoeiras e caudaloso rio.

Foto: blog “Pascoal Online”
Rio Gualaxo do Norte, subafluente do Rio Doce, Mariana (MG) | Fonte: blog “Pascoal Online”

Cidadezinha que sucumbiu ao “mar de lama”, tragédia provocada pelo rompimento de uma das barragens de rejeitos de minérios de ferro - a do Fundão -, que acabou danificando a barragem de Santarém, ambas pertencentes à unidade Germano, e instaladas naquele subdistrito. Essas barragens eram operadas pela Samarco, empresa mineradora controlada pela Cia Vale do Rio Doce, multinacional brasileira, e pela BHP Billiton, multinacional anglo-australiana – ambas mineradoras exportadoras.

Pois lhes digo que seguia eu com minha rotina naquela trágica quinta-feira abafada de novembro. Após voltar da pescaria com os meus sobrinhos, em cercanias de rio doce e tranquilo, encontrava-me em casa sob banho frio, munido do sabonete de essências feito pela minha irmã Maria Aparecida, com quem eu dividia a casa da minha mãe. Demorava-me ao lavar e desembaraçar meus longos cabelos, sempre escondidos em espécie de boné – touca preta. Depois de me banhar, passei o café em coador de pano surrado, comi o pão de queijo “dormido”, fiz uma oração a Nossa Senhora Aparecida, finalizei com sinal da cruz e, em seguida, saí com minha velha bicicleta, companheira de todas as horas.

Com meus cabelos revoltos a secarem em sol ardente, saí pedalando atrás de plateia na vizinhança para a minha sessão de “contação de causos extraordinários”. Os pequenos ouvintes apreciavam me ouvir; sempre se mantinham atentos e curiosos, e ficavam à minha espera todas as quintas-feiras à tarde, na ladeira abaixo da minha casa. Mas, naquela tarde, a criançada ficara na escola até mais tarde para o ensaio do coral de encerramento do ano letivo, segundo dissera minha vizinha e amiga Maria José.

Então, decidi-me por visitar minha amiga Sandra, que morava na entrada da cidade, a uns dez minutos dali, e segui pedalando. Meus cabelos, agora devidamente secos, estavam resguardados pela minha touca inseparável. Enquanto prosseguia entre as estreitas ruas – algumas de terra, outras de paralelepípedos –, pus-me a pensar em minha infância.


A infância nas Geraes

Eu cresci menino liberto, entre montanhas, pássaros, entre azuis e verdes, sons e cheiros. Tive uma infância feliz, no aconchego dos braços maternos, nas longas conversas ao pé do fogão à lenha em noites de medo, em noites felizes, em dias amargos, em dias de sonho, em anos difíceis, anos de luta e de grande superação.

Com 14 anos, perdi meu pai, Alcino – carpinteiro –, quando o mesmo caíra de cima do telhado ao tentar arrumá-lo depois de forte tempestade. Homem sisudo, de poucas palavras, meu pai me ensinou a pescar e a montar cavalo brabo.

Foto: Portal Novidade em Foco
Fogão à lenha, parte das lembranças de Totó | Foto: Portal Novidade em Foco

Filho mais velho dentre duas irmãs, eu ajudava minha mãe a fazer doces, e saía vendendo-os por cidades vizinhas: os famosos doces caseiros da dona Candinha, valente guerreira que se punha entre os grandes tachos de cobre madrugadas adentro, revezando-se durante o dia a lavar roupas para fora – sustentava a casa com maestria, desde que meu pai se fora. Cozinheira de mão cheia, em dias de festa, lá estavam o torresmo, o angu, a couve picada bem fininha, a leitoa à pururuca, os pães de queijo, os doces, o frango com molho... Eu me deliciava, maravilhado com os quitutes da minha mãe, ricamente compostos sobre toalha de linho alvíssima e muito bem engomada por ela.

Minha mãe me contava muitas e muitas longas histórias; e eu adorava ouvi-las. Ficava horas enlevado, ora com o enredo, ora com o desfecho delas, que sempre continha “uma moral”, um ensinamento, um exercício de fé, de coragem. Eu gostava do timbre e da entonação da voz de minha mãe, que no final de cada uma das histórias cantava doces e vibrantes melodias de Milton Nascimento.

Eu achava minha mãe sábia por demais. E muito aprendera eu com ela; e muito me inspirei nela. Muito da minha vida foi pautada pelos ensinamentos de minha mãe, que me dizia que quanto mais eu agradecesse a Deus, mais coisas boas aconteceriam. Devota fervorosa de Nossa Senhora, minha mãe ensinou-me a rezar, a ter fé em Deus e na vida.


Conversando com as lembranças

Eram 14h30. Pássaros e mais pássaros voavam em direções contrárias, aos bandos, em sons estridentes. Seguia eu, naquele momento, assoviando cantigas que ecoavam suaves em meus pensamentos, imerso em lembranças de minha mãe, da sua voz mansa, dos seus sábios conselhos, das conversas intermináveis, da nossa cumplicidade.

Também vinha visitar minha memória o LP Geraes – o tal “bolachão” de minha mãe, tocando na vitrolinha antiga –, do meu cantor predileto, Milton Nascimento, o Bituca. “Caldeira”, a trilha musical da minha infância, trazia-me uma forte sensação de pertencimento à minha adorada terra. Essa cantiga era a minha preferida; eu a ouvia e ouvia até que, certa vez, riscara o disco, para tristeza de minha mãe.

Fonte: Portal de Bento Rodrigues
O pacato vilarejo de Bento Rodrigues | Fonte: Portal de Bento Rodrigues

Convém, caros leitores, aqui situar que no auge dos meus quase 74 anos, eu era tido como um homem com coração, alma e vigor de um menino. Atentem para que se prevaleça um Totó nascido em terras das minas, romântico, sonhador, muito querido por todos, apaixonado por suas origens, por sua gente, por suas raízes, pela boa música, por boas histórias, e, claro, pela boa comida mineira! Assim me autodefino em escassas linhas.

Quando mais novo, lá pelos meus 30 anos, apaixonei-me por uma morena de olhos oblíquos, Nilce, e com ela tive um lindo romance. Todos gostavam de nos ver juntos. Formávamos, segundo diziam, um casal perfeito. Por onde passávamos, éramos costumeiramente elogiados. Diziam sermos muito bonitos e bastante carismáticos. Éramos muito bem-vistos pelo povo do lugarejo das Geraes. Ajudávamos minha mãe na elaboração dos doces caseiros e de outros quitutes da culinária local, e também administrávamos a venda, agora em espaço próprio – um pequeno salão no fundo da casa da matriarca, construído por mim.


Um amor das montanhas

E o tempo seguia calmo naquelas paragens, onde as conversas se estendiam nas ruas batidas de terra, à porta das casas, com os mais velhos agachados em frente à porta, sempre com seus cigarros de palha e goles de aguardente envolvidos por muitos dedos de prosa assessorada por minha viola, entrecortada pelas histórias da região que eu contava ora em verso, ora em prosa. A cantoria também imperava sob meu comando em eventos tradicionais da vila, tendo como cenário as montanhas, as árvores frondosas, as noites de lua cheia e céus de radiantes estrelas.

Certo dia, a mulher que eu muito amava, trocou-me por alguém de posses, um homem muito mais velho, dono de muitas terras, fazendeiro próspero da cidade de Mariana. Então, naquela ocasião, recolhi-me em longos e silenciosos dias, mergulhado em lembranças da longa convivência com minha doce Nilce, a quem dediquei atenção e afeto desmedidos. Ela foi a única mulher com quem dividi sonhos, com quem planejava me casar.

Depois disso, nunca mais tive outra mulher, e não mais falei sobre amores e minhas dores. Tempos depois, a despeito das supostas dores de amor, segui sem amarguras, doando-me a todos, sempre solícito em todas as atividades do povoado, principalmente nas festividades religiosas nas quais me esmerava com grande empenho, enfeitando procissões, ruas, quermesses e os postes de luzes alaranjadas.

Foto: Carlos dos Reis, arquivo pessoal
Seu Totó, Antônio Prisco de Souza | Foto: Carlos dos Reis, arquivo pessoal

Eu continuei ajudando a minha mãe no pequeno negócio informal de guloseimas mineiras até que, anos depois, veio ela a falecer em meus braços, vitimada por forte pneumonia. Desde então, meus caros leitores, comecei a me descuidar da aparência, e não mais me interessei pelo ramo da minha mãe. Em pouco tempo, fechei o pequeno negócio que, um dia, minha mãe começara e tanto me incentivara.

Deixei meus cabelos crescerem revoltos, quase sempre escondidos na touca preta, e passei, então, a viver de bicos. Chamei uma de minhas irmãs, Maria Aparecida, com seus filhos, para juntos morarem comigo na casa da minha mãe, no alto do morro, próximo ao cemitério da cidadezinha. A irmã mais nova era meu xodó, e meus sobrinhos me adoravam. Não me casei, não tive filhos, e virei um paizão dos meninos, já que minha dileta irmã ficara viúva e trabalhava em tempo integral em casa de família, em Mariana.

Desde então, vivenciei ternura infinita. Vi meu coração preenchido de amor imensurável por meus sobrinhos. Ensinei-os a pescar e a jogar bola. Também os ajudava nas tarefas, levava-os à igreja; passava horas contando-lhes “causos”, ouvindo música com eles, ensinando-lhes coisas, e, principalmente, aprendendo muito com eles. Voltei a sorrir como nunca. Os meninos traziam-me a renovação: um novo olhar de mim mesmo, um novo olhar para o mundo. E eu agradecia a Deus e a Nossa Senhora por ter aquela família.


O progresso anuncia sua chegada

Certo dia, queridos leitores, veio a novidade: barragens seriam construídas em Mariana pela mineradora Samarco. Era o ano de 1977, e Bento, como era carinhosamente chamado o distrito de Bento Rodrigues, presenciava um movimento atípico de pessoas entre idas e vindas, na empreitada do recrutamento de cerca de três mil funcionários de cidades vizinhas. Muitos se dividiam em opiniões sobre um possível progresso; outros, desconfiados, nunca viram com bons olhos a instalação da mineradora por aquelas bandas – eu era um desses bastante desconfiados.

Em minhas histórias, sempre frisava que séculos antes de tornar-se um vilarejo, Bento fizera parte da rota de homens ambiciosos que buscavam ouro naquelas terras atravessadas pela Estrada Real. O nome do lugar – o mesmo da igreja local – seria uma homenagem a um desses aventureiros do século XVIII, quando começou a ocupação da área, antes mesmo da municipalização de Mariana. Eu sabia “de cor e salteado” as aventuras e desventuras dos “desbravadores-exploradores-homens do ouro”.

Fonte: site Cozinha Afetiva
Prato típico Frango caipira com ora-pro-nóbis | Fonte: site Cozinha Afetiva

Nos últimos tempos, eu estranhava os funcionários da mineradora batendo à porta dos moradores, com questionários sobre o que eles achavam da possível construção de outras barragens. Achava mais estranho ainda o fato de a empresa comprar terras e mais terras no entorno da cidade. Terras em que moradores cultivavam grandes hortas e, especialmente, a exuberante ora-pro-nóbis, planta ornamental, riquíssima em nutrientes, que servia como alimento e, com a qual minha mãe preparava um frango ao molho (dos deuses!).

Muitos moradores viviam da produção de hortaliças e legumes, além do cultivo de frutas e de variados temperos e ervas. Pimentas saíam dali para elaboração artesanal de uma geleia (famosa!) disputadíssima pelos turistas. Existia ali uma agricultura familiar.

Ali imperava uma profusão de cores, cheiros e sabores inigualáveis, que rescendiam por todos os cantos de Bento. Dava gosto de ver como tudo crescia viçoso! Os alimentos saíam direto da horta para a mesa, sem agrotóxicos; a água era muito boa de beber; o leite era fresco, tirado da vaca na hora; faziam-se queijos e geleias; os ovos frescos eram das galinhas caipiras que corriam soltas pelos quintais; compadres e comadres criavam seus porcos e suas vacas em pastagens verdes... Era bom o ar da cidade, era bom demais da conta viver ali, em Bento Rodrigues, sô!

Já havia alguns anos, amigos leitores, que eu e minha amiga Sandra estávamos engajados em perpetuar histórias e memórias do povo. Também, sempre que podíamos, reuníamo-nos junto aos moradores com alguns questionamentos sobre suspeitas de falhas (e possíveis consequências para a cidade e municípios vizinhos) na construção das barragens. Preocupávamo-nos com o que vinha por trás da atividade da empresa que tinha como lema “Desenvolvimento com Envolvimento”.

Nós dois tínhamos uma consciência apurada de fatos aparentemente desconhecidos pela população, sobre a duvidosa atuação da mineradora em relação à preservação do meio ambiente e a real preocupação com o bem-estar dos moradores; preocupávamo-nos com questões primordiais no tocante ao desenvolvimento sustentável consciente.

Nesses encontros, as opiniões dos moradores se dividiam. Muitos deles se recusavam a pensar ou falar algo negativo da Samarco, pois sabiam que a mineradora dera certo vigor à economia da região. Toda a história da cidade estava ligada à mineração. Se antes o ouro guiava a economia da região, agora era o minério de ferro, já que 80% da economia local era ligada – direta ou indiretamente – à atividade. Tínhamos, Sandra e eu, consciência do poder da mineradora: a maior parte da população trabalhava lá, e tinha medo de perder a única fonte de renda.

Fonte: Portal Planejo Viajar
Ponto de encontro de moradores e turistas, Pousada da Sandra | Fonte: Portal Planejo Viajar

Nessas ocasiões, as discussões ora se davam na capelinha de São Bento, no centro da cidade (construída no século XVIII), ora em piqueniques no hotel fazenda de Sandra, próximo à Cachoeira do Ouro Fino, no rio Gualaxo do Norte, ponto turístico situado à entrada da cidade – um lindo lugar!

Sandra transformara o casarão centenário herdado dos pais em um hotel fazenda com boa infraestrutura para abrigar turistas que faziam a rota da Estrada Real. Imóvel de dois andares, ela levara quatro anos para restaurá-lo. Minha amiga sempre se orgulhara de ter resgatado dele lindas lembranças de sua meninice, e sentia-se privilegiada por ter seu empreendimento próximo à cachoeira com queda de 15 metros, em lago límpido, cristalino. Ela adorava ver a filha de dois anos crescendo no casarão, às voltas de uma infância feliz, em meio à exuberante paisagem, em um lugar onde todos se queriam tão bem. Tinha uma clientela assídua no restaurante do hotel e, nos finais de semana, sempre havia razoável ocupação de turistas na aprazível estância.

Mas como disse anteriormente, decidira-me ir até a estância da minha amiga para prosear sobre as coisas da cidade, sobre as nossas angústias: a necessidade de ampliarmos discussões em torno do futuro de Bento Rodrigues com sugestões no incentivo a atividades culturais para crianças, jovens e adultos. Sabíamos que a cidade, vinculada à administração de Mariana, seguia pobre devido à corrupção deslavada de prefeitos anteriores e seus desvios de dinheiro público, entre trocas inúmeras de governantes, nos últimos sete anos. Sabíamos que tinha muito a se fazer pela frente e a tarefa mais árdua seria a conscientização política do povo. Sonhávamos com a implementação do ecoturismo, dentre outros assuntos recorrentes.

Ambos tínhamos sonhos e planos em comum para uma cidade ainda melhor. Preocupávamo-nos sobremaneira com a preservação da história e da cultura local – além, claro, das preocupações com a atividade da mineradora. Pairava sempre pesadamente no ar a pergunta que não queria se calar: “E se as barragens se romperem, sô?”


A barragem interrompe sonhos: Totó é tragado pela lama

Pois bem, já perto do hotel, avistei, à porta do restaurante, que ficava no andar de baixo do casarão, a minha amiga-comadre Sandra a me saudar, animada como sempre. Junto à imagem de Sandra, vinha uma chuva de poeira mais densa do que de costume, cena sempre repetida nas tardinhas da cidade. Em questão de segundos, por volta das 16h daquele dia 5 de novembro de 2015, vi meus pensamentos sequenciados em flashes na memória, como trailer de filme.

De repente, em meio à gritaria, buzinas e pessoas correndo desesperadas para todo canto, tudo se tingiu de marrom. A música “Caldeira” se fez loooonge. O sorriso de Sandra se apagou. Eu ouvia a voz delicada da minha mãe. Via minha Candinha com o terço a me benzer; meu pai chegando em cavalo manso e convidando a me aconchegar no lombo do animal. Meus sobrinhos acenavam ternamente; dividiam comigo os peixes pescados frescos. Minhas irmãs sorriam – as duas de branco na primeira comunhão. O meu pai, sempre sisudo, agora animado, contava-me causos de pescador. O céu contrastava com o marrom lá embaixo. De uma hora para outra, tudo ali parecia algo pós-apocalíptico, surreal, a protagonização do horror.

Eu ouvia os gritos de Sandra. Vi meus cabelos se libertarem da minha inseparável touca preta. Veio então uma imensidão de lama, a uma altura de uns 15 metros, arrastando a tudo e a todos. Eu estava sendo tragado pelo tsunami de lama – 62 milhões de toneladas de lama fétida, perversa.

Fonte: Portal Conexão Planeta
O mar de lama que matou Totó, 16ª vítima da tragédia | Fonte: Portal Conexão Planeta

Uma imensa gelatina marrom com rejeitos de minério de ferro cobria agora a paisagem da minha linda e bucólica cidade. Veio um furacão mórbido varrer em definitivo os meus sonhos. Eu avistava Nilce, sentia o calor de seus beijos. Seus olhos oblíquos liquefaziam-se em ternura por mim. Palavras ternas saiam dos lábios dela.

Eu sentia o cheiro da infância, o cheiro do torresmo na panela imensa, o sabor do angu. Todos os cheiros bons, todas as melodias invadiam o meu peito, minha memória, tais quais com a mesma força da lama.

Por uma fração de segundos, pensei ter escapado do turbilhão de lama... Veio a imagem de Bento e, suas cores, seus sons, seus sabores, seus cheiros, sua gente amada, o som da natureza – agora furioso por demais aos meus ouvidos.

O mar de lama calou para sempre vidas, sonhos, casas, histórias, memórias. Bento virou cena de filme hollywoodiano de terror.

Sandra conseguiu se salvar e salvar muitas pessoas. Eu e mais outras tantas vítimas desaparecemos no mar de lama, amigos leitores! Famílias tiveram todas as suas coisas submersas pela tóxica lama. Meus familiares e meus amigos, acredito terem guardado boas lembranças minhas.

Percebi-os inconformados, olhos perdidos na tenebrosa lama e sua devastação. Vi meus sobrinhos obstinados a me procurarem em vão. Vi lágrimas pesadas, sensação de impotência e imensa tristeza. Desolação, revolta.

O mar de lama varreu de vez o distrito naquele dia tenebroso. Vocês não têm ideia da cena de horror que ali se instaurou, meus caros leitores!

Bento Rodrigues foi riscada do mapa, graças à lama da Samarco. Graças ao lema da mineradora: “Desenvolvimento com Envolvimento”. E eu apenas espero que os culpados assumam responsabilidades, que não sejam omissos diante da maior tragédia de todos os tempos, uai! Talvez assim eu possa descansar em paz!

Hoje, fica apenas o lamento daquilo que poderia ter sido evitado, daquilo que poderia ter sido e que não foi.

 

Referências

YouTube. Música: Caldeira - Milton Nascimento. Vídeo (4min26s), publicado em 19 dez.2015. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=uFWY7BWWgyQ>. Acesso em: maio 2016.

YouTube. Álbum Geraes. Vídeo (45min55s), publicado em 30 out.2014. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=ksjz2yek-yg> Acesso em: maio 2016.

Pontos turísticos de Bento Rodrigues, imagens antes e depois. Google (SI). Disponível em <https://www.google.com.br/search?q=pontos+turisticos+de+bento+rodrigues&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ved=0ahUKEwiTk5nC3KPMAhVDkJAKHaDbDT4QsAQIKQ&biw=1366&bih=637>. Acesso em: maio 2016.

CASTRO, Carol; FLORESTI, Felipe. Bento Rodrigues tem cor de tragédia e cheiro de morte. Superinteressante, São Paulo. Disponível em: <http://super.abril.com.br/…/bento-rodrigues-tem-cor-de-trag…> Acesso em: maio 2016.

PIMENTEL, Thais; FREITAS, Raquel. Corpo de 16ª vítima da tragédia em Mariana é identificado pela família. G1, São Paulo.
Disponível em: <
http://g1.globo.com/minas-gerais/desastre-ambiental-em-mariana/noticia/2015/12/identificado-corpo-de-16-vitima-da-tragedia-em-mariana.html>. Acesso em: maio 2016

GONÇALVES, Eduardo; FUSCO, Nicole; VESPA, Talyta. Para que não se repita. Veja, São Paulo. Disponível em: <http://veja.abril.com.br/especiais/tragedia-em-mariana-para-que-nao-se-repita/>. Acesso em: maio 2016.

R7. Veja como era o pacato distrito de Bento Rodrigues antes da tragédia. R7, São Paulo. Disponível em: <https://noticias.r7.com/minas-gerais/fotos/veja-como-era-o-pacato-distrito-de-bento-rodrigues-antes-da-tragedia-11112015#!/foto/1>. Acesso em: maio 2016.

FREITAS, Raquel. Não merece isso que aconteceu. Disponível em: <http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2015/11/nao-merece-isso-que-aconteceu-diz-sobrinho-de-desaparecido.html>. Acesso em maio 2016.

 

Rosana Cristina Gimael: É formada em Letras, com especialização em Arte e Técnica de Tradução, ambos concluídos na PUCCAMP. Mestranda em Divulgação Científica e Cultural do Labjor/IEL/Unicamp. Foi aluna do curso de extensão “Mídia, Leitura e Comunicação”, do Projeto Correio Escola, na Faculdade de Educação, na mesma Universidade. Professora há 35 anos, leciona Português nas escolas municipal, estadual e privada, e administra o blog Mergulhando nas Palavras: rosanagimael@blogspot.com.br É coautora da coleção didática “Gêneros Textuais e Redação”, pela Cia da Escola. rosanacristinagimael@gmail.com

 

 

Imagem de capa JU-online

O mar de lama que matou Totó, 16ª vítima da tragédia | Foto: Portal Conexão Planeta