Guardiões da universidade

Foto: Reprodução

Muito boa a ideia de levar ao conhecimento da opinião pública a Magna Charta Universitarium, MCU, que o reitor Marcelo Knobel reproduziu e comentou recentemente na imprensa [I]. O texto chama a atenção para um conceito que muitas vezes é afogado no mar das urgências: valores. Knobel destaca que “os valores têm se tornado cada vez mais importantes para as universidades. Não só os valores explícitos no MCU, mas também os valores que as universidades adotam para dar suporte e expressar a sua missão”. Mais adiante acrescenta que “assim, os valores se tornam cada vez mais importantes como base para decisões e operações”. Esses valores precisam de guardiões, como o Observatório da Magna Charta, cujo site merece ser vasculhado [II], em particular o acervo de relatos e documentos referentes aos eventos especiais [III]. O acervo parece incompleto (faltam alguns anos), mas em 2005 aparece o relato sobre o trabalho de um grupo que discutiu o tema “A ideia de universidade do futuro” em um encontro na Universidade da Islândia. Na breve apresentação do trabalho destaca-se a pergunta que todos deveríamos fazer: “Quais são as histórias que contamos a nós mesmos sobre universidades que são um risco quando pensamos sobre o futuro?” O relatório completo está lá para ser baixado e é bem interessante e oportuno, uma avaliação que não é sinônima de total concordância com seu conteúdo. No finalzinho uma frase chave diz que “a instituição (universidade) deve assumir a responsabilidade de seus futuros possíveis em vez de se submeter às fatalidades das urgências de curto prazo.”

Magna Carta
A Magna Charta Universitarium já foi assinada por mais de 850 universidades de 85 países | Reprodução

A preservação dos valores caros às universidades no espírito da carta magna é tarefa para mais de um guardião, além do observatório, e os sites de alguns deles eu vasculho de quando em vez. O primeiro deles vem da Califórnia, é o Remaking the University [IV], mantido por Michael Meranze e Christopher Newfield (esse já foi mencionado em coluna anterior). O último post por lá é uma crítica ao financiamento pelo estado do sistema público de ensino superior da Califórnia. Mas tem um arquivo temático pelo qual vale a pena navegar (canto superior direito: topic archives).

Através desse primeiro portal eu conheci um segundo, agora no Reino Unido, cujo nome também é autoexplicativo: Campaign for the Public University. Infelizmente não é tão ativo quanto o companheiro californiano, mas o acervo de ideias é robusto. Lá temos, por exemplo: “taxas escolares: dez razões contrárias” [V].

Cada uma das razões é discutida em detalhe junto com referências adicionais. A razão número 7 é que o ensino pago causa dano à cultura universitária. Como assim? Nas palavras da autora, “o modelo de mercado para a educação superior, que situa os estudantes como consumidores, cria falsas expectativas para os estudantes e suas famílias e danifica o tecido da vida universitária.” Seguindo o texto um outro ponto crucial: “a aplicação do consumismo à educação distorce a relação estudante-professor. Ela eleva o pensamento instrumental e rebaixa os imperativos intelectuais.”

Juntando começo, meio e fim, estamos essencialmente falando de valores e lembrando a pergunta feita em Reykjavik: que histórias contamos e recontamos a nós mesmos?

 

[II] http://www.magna-charta.org/

[IV] http://utotherescue.blogspot.com.br/

[V] https://publicuniversity.org.uk/2015/11/09/tuition-fees-10-reasons-against/