O desastre continua

Quarenta municípios, em dois Estados, foram atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão

O vazamento não parou. Esta é a realidade do desastre de Mariana. Rejeitos da barragem de Fundão ainda escorrem pelos rios. Uma tragédia sem precedentes que continua, apesar dos longos meses que separam o fatídico dia 5 de novembro de 2015. O estrago não foi só local, mas se espalhou ao longo de centenas de quilômetros, dois Estados e 40 municípios.

Contabilizar os danos irreparáveis não é uma tarefa fácil. Vidas, fauna, flora, memória, esperanças, foram levados pela lama. Um patrimônio histórico de mais de três séculos foi destruído em questão de minutos. O fato aconteceu mais de dois anos e, ainda assim, a Samarco não consegue sanar o problema, que se arrasta.

Após o rompimento da barragem de Fundão, a Samarco passou a tratar a questão do vazamento: de janeiro até fevereiro de 2016 já tinham ultrapassado os cinco milhões de m³ de rejeitos. Fora o que ainda continuou escoando pela Bacia Hidrográfica do Rio Doce. Os desdobramentos do desastre não cessaram.

Em nota, a Samarco apresentou um plano de contenção dos rejeitos, com medidas tomadas após a tragédia. O documento aponta que a barragem de Santarém recebeu obras de reforço e sua situação é de estabilidade. Os rejeitos escoaram para os diques construídos no intuito de conter os sedimentos da barragem.

No entanto, a questão da construção desses diques é bem obscura. A mineradora recebeu uma intimação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e da Polícia Civil (PC) para cessar de vez com o vazamento e, só assim, retornar suas atividades na região. Isto gerou controvérsias em boa parte da população, incluindo o prefeito da cidade, Duarte Eustáquio Gonçalves Júnior. Eles defendem a volta da Samarco para gerar recursos para a região, cuja receita fiscal é majoritariamente da mineração.

Como parte do primeiro acordo com o Ministério Público Federal (MPF) e órgãos ambientais, a mineradora apresentou um projeto para conter ou minimizar os impactos do rompimento.

Foto: Fabiana Grassano
Obras contínuas para contenção da lama em Bento Rodrigues, julho de 2016

O sistema de diques foi projetado com esse objetivo, uma vez que as barragens de Fundão e Santarém já operavam com excesso de sedimentos e algumas estruturas já estavam abaladas, segundo relatórios do Instituto Brasileiro do Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Os diques, Selinha1 (S1), Selinha2 (S2) e Selinha3 (S3) foram construídos logo abaixo da barragem de Santarém.

O Relatório de acompanhamento das atividades emergenciais da Samarco, atualizado em 31 de março de 2016, já demonstrava a situação precária desses diques. O S1 foi construído no dia 28 de dezembro de 2015, com cinco metros de altura e capacidade de 16 mil de m³. O dique S2 foi concluído em 22 de fevereiro de 2016, com capacidade de 45 mil de m³. Por fim, o dique S3, concluído no final de fevereiro, possui capacidade de 1,3 milhão de m³.

Um quarto dique, o S4, estava sendo projetado para construção e iria transformar o distrito de Bento Rodrigues em uma barragem de rejeitos para “cessar” o vazamento. No entanto, esta ação foi suspensa pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Em junho de 2016, o G1, portal de notícias da Globo, revelou que a Samarco havia desmatado uma área de cerca de 1,3 km² de Mata Atlântica na região do rompimento para a construção do dique S4.

Os diques S1 e S2 ficaram inoperantes em fevereiro de 2016 e o acúmulo de rejeitos foi ultrapassado. Somente o dique S3 ficou em funcionamento, construído praticamente em cima de Bento Rodrigues, mas que também estava próximo ao limite de sua capacidade.

Esses diques, com a finalidade de reter a lama e os rejeitos, seriam posteriormente assoreados. Mas, com tamanha quantidade de detritos presente nas águas da represa de Fundão, a vida útil desses diques se esgotou rapidamente.

O Ministério Público de Minas Gerais afirmou que as contenções não eram efetivas e medidas judiciais foram tomadas contra a mineradora na tentativa de cessar os danos ambientais contínuos à Bacia Hidrográfica do Rio Doce.

A água que escorria do dique S3 era barrenta e depositava um pó nos leitos e margens dos cursos de água. Além disso, o impacto promovido pela construção desses diques provocava alagamento de bosques e pastos. A Samarco informou que tem adotado ações para impedir o assoreamento com o carreamento de lama e rejeitos depositados nas margens dos rios. As ações implicariam na colocação de pedras, plantio de grama e implantação de mantas de geotêxteis (para contenção de resíduos líquidos e sólidos), como parte do plano de recuperação ambiental entregue ao Ibama.

As ações para que Bento Rodrigues continue na memória vêm tomando força. O tombamento da região se deu no mesmo modelo de outras áreas em que ocorreram catástrofes e atrocidades como, por exemplo, o memorial do dia 11 de setembro de 2001 em Nova York e o campo de concentração da Polônia e da Itália.

Essa medida partiu do IPHAN, que entrou com pedido de tombamento de Bento Rodrigues, Paracatu de Cima e Paracatu de Baixo. Além de resgatar o que foi soterrado pela lama, também é uma forma de manter viva a memória do que aconteceu para que não se repita.

Estavam situados nesses três distritos bens de valor cultural, como igrejas, sítios arqueológicos, muros de pedras do período colonial, bosques, pastos e propriedades privadas. Desde o final de abril de 2016, o tombamento já era uma medida cautelar, provisória, até que o processo fosse concluído, de acordo com o MPMG.

Reprodução
Mapa das barragens da Samarco antes do desastre | Fonte: Reprodução | site da Samarco

Quem achou que a tragédia terminava no dia após o rompimento da barragem, estava enganado. Periodicamente, novas notícias são expostas sobre o assunto, informando as irregularidades da empresa e o total descaso do Estado.

Os desdobramentos do rompimento da barragem podem ser ainda piores. A própria Samarco já assumiu o risco de novos vazamentos – e não só de Fundão e de Santarém. O desastre afetou outras construções que utilizam represas como, por exemplo, a usina hidrelétrica Risoleta Neves do consórcio de Candonga inaugurada em 2004. Como tudo na região, o lago de Candonga está com a sua densidade alterada devido ao acúmulo de lama. Em períodos de chuvas, os problemas aumentam.

O complexo da hidrelétrica tem estrutura para suportar o volume de água e não água com rejeitos. Algumas medidas foram tomadas, como o fechamento das comportas para elevar o nível de água, retirando assim, mais de 10 milhões de m³ de sedimentos que ficaram depositados no fundo do lago. Assim, caso não fossem tomadas as medidas necessárias para retirar esse material, haveria risco de rompimento da barragem.

Com a estação de chuvas, o problema aumenta. A Samarco está correndo contra o tempo, pois a mineradora precisa retirar esses sedimentos do lago através de dragagem, procedimento que faz parte do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado pela mineradora, o MPMG, a Advocacia Geral dos Estados (AGE) e o consórcio de Candonga.

A hidrelétrica está situada na Bacia Hidrográfica do Rio Doce, a 100 km de distância da barragem de Santarém. Ela ocupa uma área de mais de 83 mil km² nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo ficando entre os municípios de Rio Doce e Santa Cruz do Escalvado, na zona da Mata Atlântica de Minas Gerais. A usina atende aproximadamente 400 mil habitantes e abastece as cidades de Ponte Nova, Viçosa, Guaraciaba, Ouro Preto, Mariana e Ubá, além de outras da Zona da Mata.

O consórcio que administra a hidrelétrica é formado, principalmente, pela Companhia Elétrica de Minas Gerais (Cemig) e a Vale. Com o rompimento da barragem de Fundão, a hidrelétrica abriu suas comportas para escoar a enxurrada de lama.

Para sua construção, mais de 100 famílias que formavam a comunidade de São Sebastião do Soberbo foram retiradas do local e transferidas para a cidade de Santa Cruz do Escalvado, com o nome de Nova Soberbo.

 


 

Referências

BRAGON, R. Justiça dá cinco dias para Samarco eliminar vazamento de lama em Mariana. UOL, Belo Horizonte, Abr. 2016. Disponível em: <http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultima-noticias/2016/04/06/justica-da-cinco-dias-para-samarco-eliminar-vazamento-de-lama-em-mariana.htm>. Acesso em: 01 jun. 2016.

CRISTINI, F. MP investiga obras para unificar barragens e ampliar capacidade. G1, Belo Horizonte, Dez. 2015. Disponível em: <http://g1.globo.com/minas-gerais/desastre-ambiental-em-mariana/noticia/2015/12/mp-apura-se-obras-foram-iniciadas-antes-de-licenciamento-em-fundao.html>. Acesso em: 10 ago. 2016.

HEMERSON, L.; PARANAIBA, G. Justiça defere liminar do MP e obriga Samarco a conter vazamento de lama em Bento Rodrigues. Estado de Minas, Belo Horizonte, Abr. 2016. Disponível em: <http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2016/04/06/interna_
gerais,750827/justica-defere-liminar-do-mp-e-obriga-samarco-a-conter-vazamento-de-la.shtml
>. Acesso em: 27 mai. 2016.

IPHAN nega autorização à Samarco para construção de dique, diz MP. G1, Belo Horizonte, Jun. 2016. Disponível em: <http://g1.globo.com/minas-gerais/desastre-ambiental-em-mariana/noticia/2016/06/iphan-nega-autorizacao-samarco-para-construcao-de-dique
-diz-mp.html
>. Acesso em: 30 jun. 2016.

JARDIM, W. F. O desastre de Mariana é o retrato do Brasil. JU, Campinas, Nov. 2015. Disponível em: <http://www.unicamp.br/unicamp/noticias/2015/11/23/artigo-o-desastre-de-mariana-e-o-retrato-do-brasil>. Acesso em: 27 mai. 2016.

LACERDA, N. Usina ajudaria a conter lama. O Tempo, Dez. 2015. Disponível em: <http://www.otempo.com.br/hotsites/mar-de-lama/usina-ajudaria-a-conter-lama-1.1182199>. Acesso em: 10 ago. 2016.

LOBATO, P. H. Cenário na Usina Risoleta Neves ainda é desolador, três meses após tragédia em Mariana. Estado de Minas, Fev. 2016.
Disponível em: <
http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2016/02/06/interna_gerais,732046/cenario-na-usina-risoleta-neve-ainda-
e-desolador-tres-meses-apos-tra.shtml>. Acesso em: 30 jun. 2016.

NOGUEIRA, M. Samarco descumpre decisão judicial e continua poluindo Rio Doce, diz Ministério Público. Terra, Abr. 2016. Disponível em: <http://economia.terra.com.br/samarco-descumpre-decisao-judicial-e-continua-poluindo-rio-doce-diz-ministerio-publico,
b20a6d128a61b54eff610a564c66f76214kwpfnq.html
>. Acesso em: 27 mai. 2016.

PARREIRAS, M. Diques para conter lama da Samarco são insuficientes e rejeito segue poluindo Rio Doce. Estado de Minas, Mar. 2016. Disponível em: <http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2016/03/30/interna_gerais,748386/diques-para-conter-lama-da-samarco-
sao-insuficientes-e-rejeito-segue-p.shtml
>. Acesso em: 27 mai. 2016.

PIMENTEL, T. Justiça determina que Samarco contenha vazamento de lama em MG. G1, Belo Horizonte, Abr. 2016. Disponível em: <http://g1.globo.com/minas-gerais/desastre-ambiental-em-mariana/noticia/2016/04/justica-determina-que-samarco-contenha-vazamento-de-lama-em-mg.html>. Acesso em: 01 jun. 2016.

PONTES, F. Barragem da Samarco em Mariana registra novo vazamento de resíduos. Agência Brasil, Brasília, Jan. 2016. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-01/barragem-em-mariana-tem-novo-vazamento-de-residuos>. Acesso em: 27 mai. 2016.

RELATÓRIO da Samarco. Samarco. Ago. 2016. Disponível em: <http://issuu.com/samarcomineracao/docs/dossie_reduzido_10_08-
v01/1?e=22364013/37799043
>. Acesso em: 15 ago. 2016.

RODRIGUES, L. Vazamentos em barragem da Samarco motivam nova ação do Ministério Público. Agência Brasil, Belo Horizonte, Abr. 2016. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-04/vazamentos-em-barragem-da-samarco-motivam-nova-acao-do-ministerio-publico>. Acesso em: 27 mai. 2016.

USINA RISOLETA NEVES. A Usina. Disponível em: <http://www.candonga.com.br/a-usina/>. Acesso em: 30 Jun. 2016.

VALE, J. H. Iphan nega autorização à Samarco para construção de dique em Bento Rodrigues. Estado de Minas, Jun. 2016. Disponível em: <http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2016/06/09/interna_gerais,771044/iphan-nega-autorizacao-a-samarco-para
-construcao-de-dique-em-bento-rod.shtml
>. Acesso em: 30 jun. 2016.

VALE, J. H. Samarco assina TAC para limpeza da Usina de Candonga, que corre risco de colapso. Estado de Minas, Jun. 2016. Disponível em: <http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2016/06/15/interna_gerais,772945/samarco-assina-tac-para-limpeza-de
-usina-que-corre-risco-de-colapso.shtml
>. Acesso em: 30 jun. 2016.

 

Andressa Alday - Graduada em História pela PUC-Campinas. Estagiou no Centro de Memória da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp. Trabalha na Secretaria de Pós-Graduação em Divulgação Científica e Cultural Labjor/IEL/Unicamp. Email: andressa_alday@yahoo.com.br

 

Veja os capítulos anteriores

Foto: Reprodução

 

 

 

Imagem de capa JU-online

Obras contínuas para contenção da lama em Bento Rodrigues, julho de 2016 | Foto: Fabiana Grassano, arquivo de viagem