Cine Pagu exibe dois curtas metragens no dia 14

No lado esquerdo há quatro mulheres de costas andando no meio de uma rua  e no lado direito, ilustração de quatro rostos em um fundo preto

A primeira sessão de novembro do Cine Pagu ocorrerá no dia 14, a partir das 14h, na sala de tese da pós graduação do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) na Unicamp. Haverá a exibição de dois curtas metragens - "CEP 05300" e "Cabeças Falantes" - e debates em torno deles, com a presença das diretoras Lygia Pereira e Natasha Rodrigues.

O evento pretende atrair interessados por cinema e interessados por estudos e discussões acerca de gênero. Confira a sinopse dos filmes abaixo.

 

CEP 05300 (2017) - 20 min

Direção: Adria Meira e Lygia Pereira.

O documentário “CEP 05300” mostra a história de quatro mulheres que cresceram na mesma rua e que em momentos diferentes da vida realizaram um aborto. Em conversas informais, elas relatam suas diferentes experiências com o processo, evidenciando a necessidade de expor o tema, bem como legalizar o procedimento.

Lygia Pereira, 25 anos, formada em Midialogia pela Unicamp, trabalha com produção, roteiro e direção, tendo atuado em diversas produções audiovisuais independentes desde 2012. Entre 2012 e 2016, trabalhou com produção, roteiro, captação e edição de vídeos para o coletivo de mídia Xavantevê. Dirigiu, roteirizou e montou o documentário CEP 05300, em 2015, selecionado para diversos festivais nacionais, dentre eles a 20ª Mostra de Cinema de Tiradentes e o 27º Kinoforum; no mesmo ano fez a produção do documentário Jogo Truncado, selecionado no edital Curtas Universitários do Canal Futura e exibido em inúmeros festivais; em 2016 trabalhou como freelancer de captação e edição de imagem e filmou o documentário Festa de Reinado: Minas e Tradição, que está em processo de pós-produção.

 

Cabeças Falantes (2017) - 20 min

Direção: Natasha Rodrigues

O filme retrata a vivência de jovens negrxs em uma universidade pública. Numa mistura de situações ficcionais com entrevistas, o documentário representa uma forma de inadequação social que aparenta ser sutil externamente, mas que explode internamente nas cabeças desses sujeitos. De maneira sensível, o filme traz um pesado conflito entre vozes de preconceitos e estigmas e o desejo de ocupar o espaço universitário.

Natasha Rodrigues, 26 anos, concluindo o curso de Midialogia na Unicamp, trabalha com fotografia, produção cultural e direção. Atuou como diretora de palco em projetos de Talk Show de temática LGBT em 2014 e 2015. Estudou na Universidade de Potsdam, Alemanha, em 2015. Entre 2015 e 2017, trabalhou como freelancer na realização de vídeos de artistas musicais. Em 2016 realizou o projeto fotográfico La Loba, que consiste em fotos íntimas de mulheres negras. Em 2017 escreveu e dirigiu o documentário Cabeças Falantes, que estreou em agosto. Atualmente realiza trabalhos fotográficos voltados principalmente para o nu artístico.

Mais informações estão disponíveis na página do Cine Pagu.