Busca no Clipping

CBN CAMPINAS

Um documento propondo políticas de Combate à Discriminação de Gênero, Sexualidade e Violência Sexual, elaborado na Unicamp, está sendo submetido à comunidade universitária. O Grupo de Trabalho responsável pelo documento tem a participação do reitor Marcelo Knobel e o relatório já foi apresentado ao Consu, que é o órgão de deliberação máximo da Universidade. O Reitor explica que a ideia é criar condições que evitem tensão e insegurança no campus, além de criar mecanismos para articular competências, já que atualmente as denúncias ficam fragmentadas pelas unidades e outros órgãos de apoio ao estudante.

O GLOBO ONLINE

A matemática, porém, não engana: as chances de cravar os vencedores de todos os jogos é de apenas 15 em 1 milhão, segundo simulação feita a pedido do GLOBO pelo estatístico Sebastião de Amorim, professor da Unicamp e sócio da consultoria de dados TecnoMétrica.

G1/NACIONAL

Basta a temperatura cair para o apetite a aumentar. O inverno é a época do ano em que é mais difícil evitar as comidas calóricas, o que deixa muitas pessoas apreensivas, com medo de ganhar peso. Para pesquisadores da Unicamp, no entanto, a alimentação reforçada é indispensável para manter a imunidade elevada e evitar doenças comuns nessa estação.

SUPERINTERESSANTE ONLINE

Na dissertação Literatura em televisão: uma história das adaptações de textos literários para programas de TV (Unicamp, 1995), Hélio de Seixas Guimarães ressalta a importância de obras da literatura nacional na produção de telenovelas e minissérie, e afirma que mais de um terço das 600 telenovelas brasileiras se basearam em obras literárias.

GOVERNO DE SÃO PAULO

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) está auxiliando e estimulando a comunidade acadêmica na produção de um documento que propõe políticas de Combate à Discriminação Baseada em Gênero e/ou Sexualidade e à Violência Sexual, elaborado pelo Grupo de Trabalho (GT) constituído pelo reitor, Marcelo Knobel.

UOL NOTÍCIAS

A associação de uma proteína do abacaxi com celulose produzida por bactérias resultou em um curativo eficiente como anti-inflamatório cicatrizante de ferimentos, ulcerações e queimaduras, segundo trabalho de pesquisadores das universidades de Sorocaba (Uniso) e Unicamp, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

CORREIO POPULAR

O desrespeito, o gracejo abusivo, a misoginia, a graça com assuntos que são sérios estão muito presentes no dia a dia do País. As mulheres são frequentemente submetidas a cantadas abusivas, constrangimentos públicos, muitas vezes sob risos. Está tão arraigado culturalmente, a ponto de a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) se obrigar a criar uma secretaria especial para natar do problema do assédio no campus, especialmente sofrido por mulheres, mas também com outras conotações (Correio Popular, 26/06, A4).

BBC BRASIL

A associação de uma proteína do abacaxi com celulose produzida por bactérias resultou em um curativo eficiente como anti-inflamatório cicatrizante de ferimentos, ulcerações e queimaduras, segundo trabalho de pesquisadores das universidades de Sorocaba (Uniso) e Unicamp, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

O LIBERAL

Para o mestre em transportes Creso de Franco Peixoto, professor da Faculdade de Engenharia Civil da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), a redução pode significar que os motoristas estão com mais medo das multas, mas também pode ser resultado de um menor número de veículos nas ruas. Isso porque, segundo o professor, o fim de ano, quando as multas dispararam, é um período de maior movimento no comércio e de fluxo mais intenso. “Alguma influência da presença dos radares está acontecendo, isso é notável, significa o medo de ser flagrado, mas não significa que se tenha consciência de que não pode correr”, afirma Peixoto.

GOVERNO DE SÃO PAULO

A Agência de Inovação Inova Unicamp lançou um crowdfunding (financiamento coletivo) para criar um espaço dedicado a startups dentro de campus de Campinas. O objetivo é chegar aos R$ 60 mil e arrematar uma estrutura construída na Fazenda Argentina para a realização do Campinas Decor 2018.

METRO CAMPINAS

Também será incorporada a área contígua ao Polo Estratégico de Desenvolvimento Unicamp/Ciatec II e a área do entorno do Polo Estratégico de Desenvolvimento do Aeroporto de Viracopos.

CORREIO.COM.BR

Para assumir o novo cenário, o professor da Unicamp Rodofol Jardim de Azevedo, defende é preciso que o mercado tenha profissionais multidisciplinares e preparados, o que segundo o diretor do Instituto de Computação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), é o maior desafio da atualidade.

FOLHA DE S.PAULO

Entre 1870 e 1910, o Brasil foi o maior produtor mundial de látex, a matéria prima da borracha. Hoje, ocupamos a 10a colocação e a produção atual não dá conta da demanda interna. Uma pesquisa da Unicamp, porém, quer acelerar omelhoramento genético para gerar árvores mais resistentes e produtivas e, quem sabe, levar à autossuficiência novamente.

CBN CAMPINAS

Um grupo de pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas e da Universidade de Sorocaba apresentou um estudo que permite a utilização de uma proteína existente em abacaxis em curativos. A substância, na forma de emplastro ou gel, pode ser usada para a cicatrização de ferimentos, queimaduras e até de feridas ulcerativas. Em testes feitos em laboratório, membranas de nanocelulose bacteriana foram submersas por 24 horas em solução de bromelina, a proteína do abacaxi.

CORREIO POPULAR

Para assumir o novo cenário, o professor da Unicamp Rodofol Jardim de Azevedo, defende é preciso que o mercado tenha profissionais multidisciplinares e preparados, o que segundo o diretor do Instituto de Computação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), é o maior desafio da atualidade.

FOLHA DE S.PAULO ONLINE

Os efeitos anti-inflamatórios de uma proteína encontrada no abacaxi foram somados à nanocelulose bacteriana. O resultado é a criação de um curativo –na forma de emplastro ou gel– que pode ser usado para a cicatrização de ferimentos, queimaduras e até de feridas ulcerativas. A novidade vem de um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Sorocaba (Uniso) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). O trabalho, apoiado pela Fapesp, teve resultados publicados na Scientific Reports, do grupo Nature.

G1/NACIONAL

O número de queimadas registradas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) subiu 118,8% em Piracicaba (SP) de janeiro deste ano até esta quinta-feira (28) na comparação com o mesmo período do ano passado. A falta de chuva, a baixa umidade relativa do ar e as altas temperaturas são causas do índice de focos, explica a meteorologista do Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura (Cepagri), da Unicamp, Ana Ávila.

FOLHA DE S.PAULO ONLINE

Hoje, ocupamos a 10ª colocação e a produção atual não dá conta da demanda interna. Uma pesquisa da Unicamp, porém, quer acelerar o melhoramento genético para gerar árvores mais resistentes e produtivas e, quem sabe, levar à autossuficiência novamente.

G1/NACIONAL

A associação de uma proteína do abacaxi com celulose produzida por bactérias resultou em um curativo eficiente como anti-inflamatório cicatrizante de ferimentos, ulcerações e queimaduras, segundo trabalho de pesquisadores das universidades de Sorocaba (Uniso) e Unicamp, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

G1/NACIONAL

Pesquisadora do Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura da Unicamp (Cepagri), da Unicamp, Ana explica que as queimadas prejudicam e muito a qualidade do ar. "A gente tem uma quantidade maior de partículas em suspensão, o que aumenta o risco sobretudo às pessoas que são mais sensíveis, como crianças e idosos. A concentração de partículas em suspensão associada a baixa umidade relativa do ar são extremamente danosos à saúde humana", diz.