O Campus

A planície onde se situa a Cidade Universitária "Zeferino Vaz", nome atribuído ao campus da Unicamp em Campinas, era parte da fazenda Rio das Pedras. Propriedade de João Adhemar de Almeida Prado, foi "vendida" pela quantia simbólica de um cruzeiro. Almeida Prado recebeu este valor das mãos do presidente Humberto de Alencar Castelo Branco.

O campus tem o nome do seu fundador e idealizador, professor Zeferino Vaz, falecido em 1981. Foi ele quem orientou a elaboração do plano diretor da Universidade para que o seu "traçado físico e urbanístico representasse o melhor relacionamento possível entre o conceito e a filosofia da Universidade, seus objetivos acadêmicos e de pesquisa, o caráter e as limitações do terreno, e os estágios de crescimento necessários". Pretendeu-se, na verdade, conjugar a filosofia da Universidade, que se pretendia implantar com sua implantação territorial.

Foi assim que outras propostas anteriores de doação de terrenos nas circunvizinhanças de Campinas foram rejeitadas. Não apenas os aspectos de infraestrutura foram estudados, mas pensou-se ainda na perspectiva de evolução urbana da cidade, considerando-se a localização de indústrias e as possibilidades de acesso à Universidade. O acesso não poderia acontecer apenas pelo centro da cidade: seria fundamental a utilização das rodovias da região para facilitar a vinda das pessoas de outras cidades. Influenciou também na escolha a possibilidade da construção estratégica dos edifícios de pesquisa, considerando-se o desenvolvimento de atividades que fossem além das atividades de graduação, que orienta a maioria dos projetos de construção de prédios para universidades. A Unicamp deveria ser matriz geradora de docentes e pesquisa para o País, voltada à pesquisa e à pós-graduação.

Essa condição foi determinante para que as três áreas do conhecimento fossem alocadas em três grandes setores: Ciências Exatas, Ciências Biológicas e Humanidades. Esses setores teriam ligações a extensões como o Hospital das Clínicas, Centro de Tecnologia e Centro de Vivência etc. O início da implantação, entretanto, exigia uma ocupação territorial com flexibilidade para permitir a expansão das áreas de pesquisa diante da demanda de novas atividades.

O primeiro edifício construído foi o do Instituto de Biologia, em 1968. Hoje, a área do campus atinge quase 3 milhões de metros quadrados e está repleta de prédios rodeados por parques e gramados. O plano inicial sofreu alterações e adaptações devido às novas exigências que foram acontecendo em virtude do desenvolvimento da Universidade.

*(In: Reunião designada pelo Conselho Diretor para o estudo do Plano Diretor, 24 de agosto de 1981. CD/Comissões - 1981/cx. 71 mç.5 - Arquivo Central do Siarq)