“...filhos de DEUS”. João 1.12

 

Angelo Leonardo Mondin
jetroreuel@yahoo.com.br

 

Dedicado e consagrado unicamente ao ESPÍRITO SANTO, meu SENHOR e PASTOR, em nome de JESUS CRISTO.
Sermão entregue como “trabalho de Literatura Brasileira I”. Campinas SP, outubro de 2005.
Este sermão não é produto do desejo do pregador em agradar seus amigos, colegas de classe e professor, como secularmente conviria, mas sim é resultado da vontade do ESPÍRITO SANTO em atingir as almas de todos quantos o lerem e/ou ouvirem.

 

I

É sabido por todos o fato de que há uma proposição que afirma que “todos são filhos de DEUS”, isto é de que todos os seres humanos, sejam bons ou maus, pobres ou ricos, trabalhadores ou roubadores, honestos ou corruptos, todos são filhos de DEUS; sejam católicos, protestantes, judeus, adeptos de diferentes religiões – das mais ocidentais às mais orientais -, todos alcançaram o galardão da filiação. E eis o grande benefício de tal recompensa chamada graça: que todos sendo de diferentes nações e religiões, uns crendo em Maomé, outros crendo em Taniguichi, Buda, Oyassama, Moisés, Saint German, Kardec, Jesus; todos teriam recebido o benefício de serem filhos de DEUS. Assim, diante do fato de que por intermédio da tomada de consciência dessa verdade, a qual se tem espalhado pela humanidade, isto é, a notícia de que todos são filhos de um DEUS bom e amoroso ao qual podem servir ao seu bel prazer, e também diante do fato de que todos sendo filhos desse maravilhoso DEUS são por isso guiados pelo SEU ESPÍRITO pergunta-se: por quê haveria tantas mordeções entre esses filhos? Por quê de haver tantos desacordos e brigas, e contendas, e insultos, e mortes, e a necessidade de mártires? Além disso, se todos também assumem como verdadeira a proposição de que “o diabo é uma produção da mente” então, haveria que o próprio ESPÍRITO DE DEUS que nos guia, afinal somos todos filhos, seja espírito maligno? De modo nenhum! DEUS é bom e SEU ESPÍRITO É, e SENDO não poderia ter características malignas. Mas, posto que todos são filhos de DEUS e por isso integralmente guiados pelo ESPÍRITO DE DEUS, como dizem as Escrituras:“todos que são guiados pelo ESPÍRITO de DEUS são filhos de DEUS”1 (pois em ser filho de DEUS e ser guiado pelo SEU ESPÍRITO é que consiste a graça), e visto que não há diabo, por quê dos filhos, guiados integralmente pelo mesmo doce e amoroso ESPÍRITO,  brigarem como cães sarnentos na disputa por um osso? Por quê de haver tantas guerras? Tantas disputas? Tanta pobreza? Por quê, se todos, por causa da graça, são guiados incessantemente por DEUS? Para responder tais questões é necessário analisarmos as matérias que fundamentam e/ou mesmo podem compor a proposição que afirma serem todos filhos de DEUS.

II

Estaria o problema em DEUS? Seria DEUS contraditório e inconstante em todos os seus caminhos? Teria ELE uma mente com pensamentos de mal a nosso respeito? Se não há diabo, não seria ELE o único responsável por guiar seus filhos as práticas que considera execráveis e proibidas? Seria ELE mutável e volúvel? Absolutamente não! ELE mesmo diz “EU, o SENHOR, não mudo”2. Mas, apesar DELE afirmar não mudar, por quê em outro lugar diriam as Escrituras que, nos dias de Noé, ao ver a degradação moral e espiritual do gênero humano “se arrependeu o SENHOR de ter feito o homem”3? Oras, se diz “arrependeu-se” não significa que mudaram-se-lhe as intenções do coração? E se mudou não seria incorreto dizer que DEUS é imutável? Jamais! Pois ELE é realmente imutável e tem “pensamentos de paz e não de mal”4 a nosso respeito, pois “o SENHOR é bom”5 como diz o salmista. Contudo, por quê arrependeu-se? Como pode ser imutável se mudou? Como chamá-lo imutável se ELE arrependeu-se? Oras, arrependeu-se justamente porque é imutável, mais que isso: arrependeu-se porque é imutavelmente bom e perfeito, pois viu ELE como toda terra estava “corrompida e cheia de violência”6, percebendo ELE que os homens trocaram  o bem pelo mal, se arrependeu por não ver a mesma imutabilidade no exercício do bem, a qual deveria o homem buscar ter. E sendo a bondade a essência de SEU caráter não seria possível que em sua presença permanecesse o mal, pois sua bondade degrada o mal até o ponto de destruí-lo, de maneira que aqueles que se apegam a essência do mal são também destruídos pela manifestação da sua bondade. E por isso diz a passagem “e isso lhe pesou no coração”7, isto é, lhe pesou o fato dos homens terem se apegado tanto ao mau que estes viriam a ser destruídos com a manifestação de sua bondade. Assim, em vista do fato da imutabilidade da bondade e amor da divindade, não é DEUS responsável por semelhante degradação que vemos hoje entre os “filhos de DEUS”, a qual é bem semelhante aquela presente entre os homens nos dias de Noé.

Oras, se DEUS não é o responsável pelo mau, se ELE é imutavelmente bom, como seu ESPÍRITO pode guiar seus filhos a se morderem como cães sarnentos? O fato é que não pode, não por carência de poder, mas por ocasião da excelência do SEU caráter. E se não pode, seriam realmente tais filhos guiados pelo ESPÍRITO DE DEUS? Absolutamente não! Pois como diz o TEMOR DE ISAQUE: “O MEU ESPÍRITO não agirá para sempre no homem, pois este é carnal”8. E como é carnal? Paulo falando aos gálatas, e hoje a nós, em sua epístola diz que são carnais na “prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e cousas semelhantes a estas”9. Entrementes, se todos que são guiados pelo ESPÍRITO DE DEUS são filhos de DEUS, que estaria acontecendo? Todos são filhos de DEUS, mas não agem como seu ESPÍRITO, cujos frutos são “amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio”10? Como é isto de ser filho de DEUS sem ser guiado pelo ESPÍRITO DE DEUS? Simplesmente não é, pois se fosse seriam realmente filhos de DEUS, coisa que não são de modo algum.

III

Talvez fosse o caso de todos serem, então chamados filhos de DEUS não por causa de serem guiados pelo ESPÍRITO, mas por razão de terem sido criados por DEUS. Axioma justo, pois se entre os homens chamamos Saussure de pai da lingüística moderna, visto da matéria bruta da lingüística histórica ter criado algo novo, se pela mesma razão chamamos Einstein de pai da física moderna, visto da bruta física newtoniana ter criado algo novo, por quê não haveríamos de chamar DEUS de PAI, visto ELE não só ter criado a matéria bruta, mas também o homem? Além disso, quando nasce uma criança ela é a semelhança da imagem do pai, quando nasce um pássaro ele é a semelhança da imagem de seu pai, quando nasce uma árvore ela é a semelhança da árvore de onde se tirou a semente, e assim sucede-se com todas as coisas: são a semelhança daquilo de onde a semente que os gerou veio. Semente de milho produz pé-de-milho, semente de manga produz mangueira, semente de pássaro produz pássaro e semente de homem produz homem, os quais ainda que não sejam iguais são semelhantes aos seus respectivos criadores e pais. Aliás, quem é maior: o criado ou o criador? Certamente o criador e isso porque sem ele não haveria o ser criado,  assim o criado lhe é semelhante, mas nunca igual por lhe dever a existência. E por quê é assim? Por causa da semente. Diz Jesus em Lucas 8.11 “A semente é a palavra de DEUS”. E o que disse DEUS? Oras, todos sabemos: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança”11. Assim sendo, se esta é a palavra de DEUS, se esta é a semente que criou os homens, se este que lança a semente é realmente pai por ocasião do que sai de dentro da semente, podemos dizer que somos filhos do criador da semente. DEUS liberou a palavra “façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança”. Desta semente surge o homem. Eis a razão porque seguramente todos somos filhos de DEUS: porque surgimos da semente DELE. ELE nos criou, logo nos é Pai. Todavia, que diremos das brigas, das guerras, das disputas, da pobreza, da prostituição, da impureza, da lascívia, da idolatria, das feitiçarias, das inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e cousas semelhantes as quais vemos com tanta freqüência nos filhos de DEUS? Não dissemos que a criatura é a semelhança do seu criador? Então, de onde terão vindo essas coisas? Serão tais marcas provenientes da semente de DEUS? Não podem ser, e isso por dois motivos: porque já provamos anteriormente que DEUS é bom, amoroso, imutável e por isso perfeito, e também porque já dissemos que cada semente produz de acordo com sua natureza. Então, que estará acontecendo? Se todo que cria é criador e por isso pai, se a semente do pai produz filho semelhante, se árvore de fruto doce produz sementes que se tornam árvores de frutos doces, se árvore de fruto amargo produz sementes que se tornam árvores de frutos amargos, por quê será DEUS árvore de fruto doce e todos nós, seus filhos, árvores de frutos amargos? Pode da mangueira nascer jabuticabas ou da jabuticabeira nascer mangas? Pode do cachorro nascer um homem e do homem nascer um cachorro? E pode do que é santo sair semente lasciva, idólatra, ciumenta, briguenta, assassina, prostituta e da semente lasciva, idólatra, ciumenta, briguenta, assassina e prostituta nascer fruto santo? Não! Entretanto, não é Adão chamado de Filho de DEUS12? Certamente que sim! E assim é chamado porque recebeu a palavra de DEUS (sendo, por isso, semelhante a DEUS). Também, por isso de ser Eva chamada filha de DEUS, pois se do filho de DEUS foi tirado algo, desse algo que era sua costela, costela de um filho de DEUS, costela filha de DEUS, só poderia surgir uma Eva filha de DEUS. Assim, ambos eram filhos de DEUS, por isso, se naquela época tivessem nascido Caim, Abel, Sete e tantos outros filhos e filhas, estes também seriam chamados filhos de DEUS, e deles teríamos todos nós descendido e por isso seriamos chamados filhos de DEUS. Mas... não é fato que somos todos descendentes de Adão e Eva? E não eram Caim, Abel, Sete e outros filhos e filhas realmente descendentes de Adão e Eva? Todavia em nenhum lugar as Escrituras fazem referência a descendência do primeiro casal como descendência de “filhos de DEUS”. Mas se já temos dito que Adão era chamado de filho de DEUS e que Eva que saiu dele era filha de DEUS, por quê será de seus filhos não serem chamados “filhos de DEUS”? Jesus responde: “vós sois do diabo, que é vosso pai”13 e prossegue explicando a razão disso: “quereis satisfazer-lhe os desejos”. Logo, nem todos são filhos de DEUS, e se não são por qual via haveriam de ser filhos de DEUS ou do diabo? Aliás, haverá que o diabo seja criador para ser chamado pai, e basta alguém ser criador para ser chamado pai? Certo que não, pois senão jamais estaria escrito “Pois a qual dos anjos disse jamais: Tu és MEU filho, EU hoje te gerei? E outra vez: EU te serei Pai, e ele me será filho?”14. A resposta é: a nenhum dos anjos, pois senão Satanás seria chamado filho de DEUS apenas por ser sua criatura. Então, por que razão uns humanos serem chamados filhos de DEUS e outros filhos do diabo?  Segundo Jesus é por causa da semente, por isso disse “veio o inimigo dele, semeou joio no meio do trigo”15; e que é o trigo e o joio senão sementes? E que produzirá a terra que recebe a semente de joio senão joio? E a terra que recebe semente de trigo, que produzirá senão trigo? Mas se a terra que produz trigo receber joio não deixará de ser aproveitável por causa da mistura que lá se faz? E tal terra não será tratada como se lá só houvesse joio, visto ter se tornado inútil como se assim fosse? DEUS semeou o trigo “De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás”16 e o diabo semeou o joio “É assim que DEUS disse: Não comereis de toda árvore do jardim?” e porque a terra chamada Eva e Adão optou por receber as duas sementes, e porque DEUS não é DEUS de desordem, no que deu isso? Se o diabo é pecador e se sua semente é o pecado, no que deu isso? “Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu a também ao marido, e ele comeu” 17. Daí nasceram filhos a Satanás, pois filhos de pecado geram pecado. Caim matou Abel, pois os filhos de Adão tinham a natureza que estava dentro de Adão, e se a natureza de Adão é pecaminosa seus filhos também são filhos pecadores, porém como DEUS não peca eles não poderiam ser chamados filhos de DEUS, pois a natureza de DEUS não é o pecado. E se filho de pecado gera pecador, e se pecador gera pecador e se todos que estão sobre a terra são descendentes de Adão, e se Adão pecou temos que, na verdade, todos que se dizem filhos de DEUS estão muito longe de serem realmente filhos de DEUS. Isto é: todos que se dizem filhos de DEUS, na verdade são filhos do pecado e por isso jamais foram filhos de DEUS.

Apesar de tudo isso, se ninguém é filho de DEUS por ser criatura de DEUS, não haveria de ser por outro motivo? Afinal, se ainda é possível dizer “todos são filhos de DEUS”, deve existir outro motivo para isso.

IV

Todos são filhos de DEUS é o que dizem várias religiões. Estas fazem bem em dizer tal coisa, posto que comumente se aceita que todas as religiões são boas e levam a DEUS. E se cada religião se constitui um caminho, uma possibilidade diferente, mas que sempre aludem a um Ser, uma Força , uma Entidade que teria sido a fonte criativa de tudo, é seguro afirmar que todos os caminhos levam a este sujeito causador de tudo que há, sujeito que aqui chamaremos DEUS. Em razão disso é justo afirmar que todos que seguem as religiões são filhos de DEUS, afinal, seus mestres, os fundadores de tais religiões, não são mensageiros de DEUS? Não consistirá, como já disse, nisso a graça: em que todos sendo de diferentes nações e religiões, crendo em Maomé, crendo em Taniguichi, em Kardec, em Buda, Moisés ou Jesus, todos terem recebido o benefício de serem filhos de DEUS? Evidente que sim, afinal todos estes são grandes homens enviados por DEUS e pregaram a revelação de que todos são filhos de DEUS. Sendo, portanto, fato de que todas as religiões são o meio pelo qual os humanos são conduzidos a um DEUS único, imutável, amoroso, bondoso e perfeito, no dizer islâmico “clemente e misericordioso”. No entanto, por quê haveriam das religiões com seus fiéis serem como cães sarnentos brigando por um osso? Não deveriam se amar, se abraçar, se oscularem, afinal todos os caminhos levam a DEUS e todos os caminhos tem seus mestres enviados por DEUS. Não deveria haver coesão entre eles, visto se referirem a um único DEUS? Haveria que DEUS seja inconstante? Desnecessário é repetir os motivos de não ser. Mas, se há um único DEUS e se este é coeso em si, e se este enviou vários mensageiros, por que também dizem tais mensageiros coisas tão largamente desconexas entre si? Duas hipóteses possíveis: Ou DEUS é contraditório – já dissemos que isso não é possível -, ou então ninguém se torna filho de DEUS por intermédio das religiões, entretanto se alguma(s) tornasse(m) alguém filho de DEUS, tal(is) religião(ões) seria(m) verdadeira(s), divina(s) e por isso, seu(s) mensageiro(s) seria(m) verdadeiramente o(s) guia(s) enviado(s) por DEUS. Por esta razão, convém observar as características que permitem identificar o(s) verdadeiro(s) lidere(s) e, por conseguinte, a(s) verdadeira(s) religião(ões) a(s) qual(is) pode(m) tornar alguém filho de DEUS.

Anteriormente discorremos acerca de cada semente produzir de acordo com sua natureza, assim dissemos que “semente de milho produz milho e semente de manga produz manga”, da mesma forma que filhos de DEUS só produzem filhos de DEUS e filhos do pecado só produzem filhos do pecado, pois são árvores distintas, de modo que o(s) guia(s) de DEUS que é (são) filho(s) de DEUS deve(m) ter a(s) religião(ões) que cria(m) filhos de DEUS, todavia se tal(is) guia(s) não é(são) filho(s) de DEUS não poderá(ão) tornar ninguém filho de DEUS, razão pela qual tal(is) líder(es) e sua(s) religião(ões) são mentiras. Mas, alguém dirá: “não semeiam todos boas palavras e se as palavras são as sementes e se as sementes produzem a natureza que há dentro delas, não serão eles filhos de DEUS visto serem produtos de uma semente e hoje serem uma árvore chamada religião que cria mais sementes, as quais produzirão mais filhos de DEUS?”. Se isto é verdade por quê temos tantos filhos de DEUS brigando como cães sarnentos pelo osso? A resposta é: porque não bastam palavras, pois até o joio é semelhante em semente e em aparência ao trigo, mas interiormente a semente e a planta joio são malignas em relação ao trigo. Por isso, é preciso que o corpo produtor da semente seja um corpo transformado, isto é: o fundador de uma religião como enviado de DEUS, como verdadeiro filho de DEUS deverá não ser filho do pecado, devera ser como Adão: possuindo um corpo de carne, porém não sendo descendente da semente de Adão, e não só da semente espiritual que o levou a queda, mas daquela que ele e todo homem possui em seu corpo carnal e que perpetua toda humanidade. Por isso disse o SENHOR a serpente: “Porei inimizade entre ti [serpente] e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente”18. Oras, se todos pecaram pelo simples fato de serem descendentes constituídos pela semente carnal do desventurado Adão, que adiantará só possuírem palavras divinas? Se apenas ela fosse suficiente Satanás jamais as teria usado ao tentar Jesus19. Assim, é preciso que o enviado de DEUS seja possuidor da semente celestial não só em suas palavras, mas em seu corpo. No entanto, para que isto se dê há necessidade de que a terra virgem seja semeada não com semente humana, mas divina. Há necessidade de que o verdadeiro guia seja nascido de mulher, mas sem que haja a semente adâmica. Este seria o enviado fundador da verdadeira religião. Pois bem: por mais divinais que tenham sido as palavras e obras de Maomé, terá este nascido de uma terra virgem? Será seu corpo carnal produzido com a semente descendente de Adão ou com a pura semente divina? E quanto a Buda? E quanto a Taniguichi? Kardec? Moisés? Pedro? Oyassama? Confúcio? Krishna? Maria? Francisco de Assis? Lutero? Wesley? Valnice? Eu? Alguns desses ou de quaisquer outros foram ou são filhos de uma virgem? Evidentemente não, e se não são nascidos de uma virgem como poderão ser enviados de DEUS? Como poderá a semente de Adão produzir filhos à DEUS? Não pode, e se não pode chamaremos estes de “guias”? “Não” é uma resposta inadequada, mas “talvez”. Quem então terá nascido de semente divina em terra virgem? Quem nos resta? Dizem as escrituras: “Como será isto, pois não tenho relação com homem algum?”20 E momentos antes dessa pergunta o anjo, enviado da parte de DEUS, lança a semente de DEUS sobre a terra virgem “Eis que conceberás e darás à luz a um filho, a quem chamarás pelo nome de Jesus”21. Eis o guia! Por isso dizem as escrituras que a semente, a palavra, “o VERBO se fez carne”22 sendo por isso o verdadeiro guia: porque não é só semente de DEUS em palavras, mas também é em carne! Em vista disso, aqueles guias com suas religiões serão verdadeiros se atestarem JESUS como o Filho de DEUS que deve ser seguido, isto é, se tais religiões declararem que só servem para dizer que CRISTO é o único filho de DEUS, que ELE deve ser seguido pois só quem é filho de DEUS possui as palavras de DEUS e deve ser ouvido e seguido; temos que o fim de todas a religiões e de todos os guias verdadeiros é JESUS e sua religião. Então, qual religião que torna alguém filho de DEUS senão a de JESUS? Qual religião teria aquele que é semente de DEUS em carne e palavras? Qual religião terá tal fundador? Evidentemente aquela que foi fundada por CRISTO, a qual faz de seus seguidores filhos de DEUS, isto é, a religião cristã: o catolicismo, o ortodoxismo grego, o protestantismo e outras fés irmãs e totalmente submissas a CRISTO. Mas, apesar disso, se apenas os fiéis dessa religião são os verdadeiros filhos de DEUS e se conhecemos que DEUS é bom e amoroso assim como seu filho JESUS, porque será que tais fiéis, quer dentro do catolicismo, do ortodoxismo, do protestantismo, ou mesmo estes três segmentos entre si mordem-se, muitas vezes até a morte, como cães sarnentos brigando por um osso? Se JESUS é realmente o filho de DEUS e este é o guia dos católicos, dos ortodoxos, dos protestantes e de tantos outros, por quê haverá tamanha contradição? Por quê os fiéis, os filhos do DEUS amoroso se odeiam, se mordem, se matam, se prostituem, são glutões, gananciosos, voltados para a magia, idólatras, lascivos, orgulhosos, metidos, embrutecidos como demônios? Será a semente de JESUS maligna? Certo que não, pois este é o enviado filho de DEUS. Será sua religião maligna? Não, porque sendo filho de DEUS sua religião deve ser como ELE é e como sua palavra é. Então por quê sua religião é como se não fosse? Por quê os chamados filhos de DEUS atuam como filhos do pecado? A única resposta plausível e bíblica é que JESUS na verdade nunca veio constituir uma religião e por isso dos filhos dessas religiões se morderem: porque nem catolicismo, nem ortodoxismo, nem protestantismo e nem qualquer outro segmento cristão ser capaz de tornar qualquer pessoa filha de DEUS, o que é atestado pelas viciosas vidas de seus fiéis, pela sua inconstância mesmo dentro das religiões que (se) dizem salvíficas. Por esta razão nenhuma religião faz qualquer pessoa filha de DEUS*. Ainda assim, mesmo diante de quadros tão aterradores, não haveria algum meio de todos ou pelo menos alguns serem chamados “filhos de DEUS”?

V

Anteriormente verificamos que JESUS é o único filho de DEUS e por isso o único capaz de semear o trigo de DEUS, por isso é exata a proposição que afirma que são filhos de DEUS todos que praticam as mesmas obras de JESUS, pois cada semente produz de acordo com sua natureza, de maneira que são filhos de DEUS os que praticam as obras de JESUS. Não voltaremos ao mérito das religiões no que diz respeito as obras, mas apenas afirmaremos que aqueles que fazem as obras que JESUS fez, tais como curar enfermos, expulsar demônios, ressuscitar os mortos, pregar o evangelho, amar o próximo, profetizar, estes são os verdadeiros filhos de DEUS, visto estar escrito que “o Filho nada pode fazer de si mesmo, senão somente aquilo que vir fazer”23, oras logo se imita, se repete, se reproduz é filho de DEUS. Assim, é filho de DEUS todo aquele que faz as obras de JESUS! Proposição maravilhosamente brilhante, por isso do seu refulgir como sobranceira estrela estabelecida a vista de todos no inatingível e intransponível firmamento! Mas... será verdadeira? Tendo já concluído que o filho de DEUS deve ter o caráter do Pai, e também lembrando que já provamos ser JESUS o filho de DEUS, pergunta-se: por quê até mesmo aqueles que são filhos de DEUS, aqueles que praticam as mesmas obras que tem visto em JESUS, por quê de ainda terem seus corações tão corruptos, tão viciosos, tão roubadores, ciumentos, lascivos, gananciosos e carentes por benefícios humanos? Por quê dos tais filhos de DEUS serem como cães sarnentos que se aproximam das mãos daquele que segura um osso sujo entre os dedos? Por quê de pegar-lhe o osso e lamber os dedos dessa pessoa como se fizesse o benefício de limpá-los ao privá-los de um osso podre? Simplesmente porque ansiavam não pelo limpar, mas pelo comer o osso. Haverá que obras más, obras cobiçosas, obras intelectuais, ou até as mais dignas e elevadas obras das criaturas de DEUS possa tornar alguém filho de DEUS? Haverá que chamaremos o joio de trigo apenas por se parecer com o trigo? Haverá que chamaremos os filhos do pecado de filhos de DEUS simplesmente por suas obras serem aparentemente iguais às obras de DEUS? Não! Jamais diremos isso, pois o trigo – que é JESUS, a semente do trigo – que é a Palavra de DEUS, e os verdadeiros filhos de DEUS não são os de aparência externa, mas os de natureza interna, por isso a aparência externa, isto é, as obras jamais serão suficientes para fazer qualquer criatura de DEUS um filho de DEUS, pois a própria Escritura diz: “não de obras, para que ninguém se glorie”24. Por esta razão ninguém se torna e nem é filho de DEUS mediante boas ou más obras.

VI

Todos são filhos de DEUS por ocasião da graça. Dizem as escrituras: “pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de DEUS”25. Eis aí a explicação do motivo pelo qual todos são filhos de DEUS: pela graça, o dom, a virtude, o predicado, a dádiva, o beneplácito, o favor imerecido e gratuito de um DEUS todo bom, perfeito e amoroso. Assim, não por obras, nem por religiões, nem por ocasião de ser criatura, mas simplesmente todos são filhos pela graça, isto é por causa do infinito amor do DEUS que desejou que fosse assim. “É dom de DEUS” diz o versículo. Então, posto que a graça é um dom, isto é, uma dádiva que “Deus dá a quem não merece” (Castellanos: 2003, p.6)26, é possível afirmar que todos são filhos de DEUS, pois a graça vem do SENHOR e se esta escrito que “Viu DEUS tudo quanto fizera, e eis que era muito bom”27, temos que a graça é boa. E este bem consiste em que dele surja um bem maior; o qual só pode ser que todos gratuitamente se tornem filhos de DEUS. Oras, existirá bem maior que esse? Haverá beneplácito maior que este? É evidente que sim, e este bem consistiria em que os tais filhos de DEUS não fossem como cães sarnentos brigando por um osso, que não fossem lascivos, prostitutos, idólatras, sábios segundo o pecado e loucos segundo DEUS, depravados, maus, violentos, blasfemos, coisas, aliás, que estão muito longe da graça de DEUS, e antes, estão próximas do inferno e do diabo. Mas então, que estará acontecendo? Haverá que a graça tenha falhado? Haverá que não hajam filhos de DEUS? Haverá que não haja graça? Então quem sabe haja filiação apenas por intermédio da crença em DEUS? Nem assim é possível, pois se fosse possível tal coisa não só as pessoas que crêem, mas até os demônios seriam chamados filhos de DEUS, pois Tiago, irmão do SENHOR, atesta em sua epístola que mesmo os demônios crêem em DEUS28. De maneira que nem pela graça e nem pelo crer em DEUS surgem filhos a DEUS.

VII

Ainda poderia gastar mais tempo discorrendo acerca da possibilidade de alguém ser filho de DEUS por intermédio das imagens de esculturas, todavia não me deterei longamente neste ponto e apenas direi o que já esta posto nas Escrituras “Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não as adorarás, nem lhes darás culto”29 e por quê disse DEUS isso? O profeta tangedor nos revela o porque disso quando conta que se tornam “semelhantes a eles [os ídolos] os que os fazem e quantos neles confiam”30. Como semelhantes a eles? O que significa isso? Significa que a pessoa se torna como o objeto de seu culto, assim, não é novidade que muitos dos que se dizem filhos de DEUS na verdade não sejam. Mas alguém poderá dizer que Davi ao desenhar a planta do templo e Salomão ao construí-lo fez dois grandes querubins, todavia se aquele que diz isso tivesse perspicácia saberia que em II Samuel 5.21 Davi e seus homens tomaram para si os ídolos dos filisteus e nunca se desfizeram deles e depois disso algo semelhante aconteceu entre Davi e Salomão: ambos caíram em pecado na área sexual. Davi com Bate-Seba31 e Salomão com suas mais de mil mulheres as quais o corromperam32. Mas alguém dirá “e acaso ídolos podem persuadir alguém a se prostituir sexualmente e espiritualmente”? O SENHOR responde quando fala por boca do profeta Oséias: “O meu povo consulta o seu pedaço de madeira, e a sua vara lhe dá a resposta; porque um espírito de prostituição os enganou*, prostituindo-se, abandonaram o seu DEUS”33.

Por isso, nem é novidade que os tais que se dizem filhos sejam lascivos; eis que o culto às imagens e aqueles que as fazem se constituem em mais um justo motivo para não serem chamados de filhos de DEUS, pois se tornam possuídos pelo demônio que habita nas imagens, assim: Davi com sua pequena imagem cometeu um único adultério e Salomão com suas gigantes imagens cometeu multidões de adultérios**.

Então, por quais meios ou meio será alguém chamado de filho de DEUS? Se não é por ser criatura, se não é por religiões, se não é por obras, se não é por graça, se não é por crer em DEUS, se não é por intermédio de imagens de escultura, como será então alguém filho de DEUS? Vejamos o que as Escrituras dizem: “EU SOU O SENHOR que te tirei de Ur dos caldeus para dar-te por herança esta terra. Perguntou-lhe Abrão: SENHOR DEUS, como saberei que hei de possuí-la?”34. Eis nossa grande questão de todos nós: SENHOR DEUS, como saberei ser filho de DEUS? Abrão precisava de uma garantia irrefutável, Abrão precisava que DEUS fizesse algo do qual não pudesse escapar, algo que lhe desse segurança acerca da possibilidade de herdar a terra prometida, e nós precisamos de algo que nos de a segurança de possuirmos a nossa terra prometida: a filiação.

DEUS, continuando, responde: “Toma-me uma novilha, uma cabra e um cordeiro”. Mais tarde o SENHOR diz novamente, porém a Moisés “O cordeiro será sem defeito, macho [...] Tomarão do sangue [...] O sangue vos será por sinal”35.

– SENHOR, mas por que todos são como cães sarnentos brigando por um osso?! – é o que perguntamos, enquanto Isaías continua:

“Mas ELE foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. ELE foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro. [...] porque as iniqüidades deles levou sobre si [...] levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu.”36.

E João Batista diz: “Eis o Cordeiro de DEUS, que tira o pecado do mundo”37. Completa César Castellanos:

“JESUS entrou no mundo como filho do homem para que você seja filho de DEUS; ELE morreu a sua morte para que você viva sua vida; ELE tomou sua natureza humana, para que você seja participante de sua natureza divina; ELE veio morar em sua casa, a terra, para que você possa morar na casa dELE, o Céu”38

E como fez isso? Acerca do assunto, muito bem discorre o dr. James Carlow: “[...] uma vez que uma pessoa entrasse em aliança no Oriente Médio, na Antiguidade, especificamente a aliança de sangue, esta pessoa não poderia ser liberada das suas obrigações”39, em outras palavras: “Isto é o MEU sangue, o sangue da [nova] aliança, derramado em favor de muitos”40. Tudo que MEU é teu, tudo que é teu é MEU, os teus inimigos são MEUs inimigos e os  MEUs inimigos são teus inimigos, EU sou teu e tu és MEU. Esta é a linguagem das alianças de sangue. E o que nós LHE demos? Um beijo, traição, blasfêmias, chicotadas, uma coroa de espinhos, uma cruz, pregos que lhe fincaram as mãos e lhe deram tétano.

O SENHOR passa a concentrar o peso de seu corpo sobre o prego que lhe atravessava os pés, se esforça para movimentar suas pernas lentamente, como que dando pequenos e sofridos pulos, pois só assim lhe era possível forçar a respiração... movimentando suas pernas com seu corpo apoiado sobre um prego banhado de sangue e que atravessava nervos, carnes e ossos, lhe era possível pagar nossos pecados – por ocasião da asfixia advinda da falta de ar dos pulmões que paravam de funcionar, efeito do tétano, efeito de nossos pecados. ELE estava pregado nu a vista de sua mãe e diante de seus inimigos; totalmente despido, no dizer do profeta Isaías: “não tinha aparência nem formosura; olhamo-LO, mas nenhuma beleza havia que nos agradasse. Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer”41. Que nós lhe demos? “Salva-te a ti mesmo, descendo da cruz!”42 enquanto ELE, nu, ferido, humilhado, desprezado por nós, ontem e hoje, dizia a nosso favor “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem”43. Isaías bem o chamou de ovelha levada ao matadouro e de nosso intercessor. Nós o matamos. Sim! Nós matamos o único filho de DEUS, aquele que jamais pecou!

Logo, no que consiste a verdadeira graça? Pode esta ser definida? Absolutamente não, porém pode ser belamente figurada da seguinte forma: Um pai tinha um filho de aproximadamente 33 dias de vida; era o seu único filho. Certo dia, como sempre fazia, entrou em sua casa um de seus criados, todavia algo estranho aconteceu dessa vez: o homem foi até a cozinha e armou-se de uma faca serrilhada e de um pau de macarrão,  voltou, seguiu até o final do corredor e entrou no quarto à sua esquerda. Lá estava a criança. O homem pegou a criança em seus braços e foi até a sala. Ali iniciou uma terrível seção de tortura. A criança inicialmente foi despida, sua cabeça e seu tórax foram fortemente esmurrados. Após isso o homem pegou o pau de macarrão e malhou-o com o máximo de força nos ombros do bebê, seguiu-se a carnificina com o descascamento da pele de todo corpo da criança e por fim o seu esquartejamento. Terminado o espetáculo, o homem organizou os pedaços da criança na mesa central.   

O pai da criança estava estarrecido, havia contemplado todo o crime e não podia mexer-se de tanto horror. Em certo momento até virou o rosto para não ver seu filho naquele estado deplorável.

O homem, manchado de sangue lançou os pedaços da criança aos pés do pai e perguntou-lhe com um sorriso soslaio:

– E agora? O que você vai fazer comigo? Diga! O que você vai fazer?!!!

O coração daquele pai aperta, falta-lhe voz, um doloroso nó toma o interior de sua garganta e as lagrimas ameaçam cair, mas o pai da criança, ainda que abalado, calmamente recolhe os pedaços da criança, deposita-os num pano branco que fica ensopado de sangue e depois caminha calmamente até o criminoso e diz: “Agora saiba de uma coisa: você matou meu único filho. Você, meu criado, és o único culpado e merece ser punido com morte, eu posso e tenho poder para matar você, mas farei diferente: receberei você como se fosse meu único filho, vou te amar como se o fosse e dar-te-ei o nome de meu filho. Tudo que me pertencer eu te darei. Olhe este sangue que está sobre você... Este sangue que tornou-te, que fez de você, meu filho”. Então lançando-se no assassino o pai passou a abraçá-lo e beijá-lo com amor terno e profundo, enquanto o assassino tentava escapar se jogando aos pés do bondoso e amoroso pai, suplicando-lhe perdão com lágrimas cheias de arrependimento por sua existência e atos até aquele momento tão execráveis. O assassino entendendo que não aceitar a adoção seria um pecado ainda maior contra aquele pai, se deixou adotar e nunca ouve outro filho que amou tanto aquele pai como aquele ex-assassino. Isso é graça. Por isso é comum que todos sejam como cães, pois ELE não veio para os sãos, mas para os doentes44, para os lascivos, idólatras, assassinos, inconstantes, viciosos, roubadores, feiticeiros, sábios, ricos, bons, maus, depravados, estudantes, profissionais, empregados e desempregados, etc., para esses ELE veio, para que sejam curados sendo transformados em filhos de DEUS.

Como então ser filho de DEUS? O livro de Atos explica no apelo de Pedro: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de JESUS CRISTO para a remissão dos vossos pecados”45. Eis o meio pelo qual alguém se torna filho de DEUS: primeiro crendo em seu coração que DEUS ressuscitou a JESUS dentre os mortos e confessando-o como SENHOR com a boca46 e em voz audível, ato que é seguido de profundo arrependimento, depois se batizando e mantendo a fé em JESUS CRISTO, isto é, na aliança que por intermédio DELE e de SEU sangue DEUS PAI fez com todos aqueles que recebem a CRISTO.  Por isso esta escrito: “a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de DEUS, a saber os que crêem no SEU nome”47 e “a fim de que recebêssemos a adoção de filhos”48. Assim, o nosso homem carnal é crucificado com CRISTO e CRISTO vem viver em nossos corações. Mas talvez alguém ainda persista em perguntar o por quê, “por quê”?!!! Apesar de tudo isso, por quê há tantos filhos de DEUS que se portam como cães sarnentos brigando por um osso? A resposta é porque os tais não são filhos, porque nunca verdadeiramente aceitaram o SENHOR JESUS CRISTO, o chamam de SENHOR, SENHOR  e não o conhecem e nem por ELE são conhecidos, nunca se arrependeram verdadeiramente e nunca se batizaram (e se isto fizeram tal batismo não passou de um inútil banho), por isso “arrependei-vos e crede no evangelho”49,

“Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos  os que entram por ela), porque estreita é a porta, e apertado o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que se acertam com ela”50.

Em nome de JESUS CRISTO de NAZARÉ, PAI, concede que “A graça do SENHOR JESUS seja com todos”51.

“E a todos quantos O receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de DEUS, a saber, aos que crêem no SEU nome”52, “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele comigo. [...] Quem tem ouvidos, ouça o que o ESPÍRITO diz às igrejas”53.

Amém.

 


 

Bibliografia

A BÍBLIA SAGRADA. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida, Revista e Atualizada no Brasil. 2a ed. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 1993.

CASTELLANOS, César. “A salvação”. In: Fundamentos. São Paulo. Palavra da fé produções ltda, 2003.

CASTELLANOS, César. “Ganhar”. In: A escada do sucesso. São Paulo: Palavra da fé produções ltda., 2001.

GARLOW, James L. “A linguagem da aliança no velho testamento”. In: A aliança. Campinas: Casa Nazarena, 2003.

 

Bibliografia de apoio

BERTUZZI, Federico A. In: Latinos no mundo muçulmano. São Paulo: Editora Sepal, 1993.

CASTELLANOS, César. In: Liderança de sucesso através dos doze. São Paulo: Palavra da fé produções, 1999.

FAJARDO, Claúdia M. de. In: Afirmando meus passos. Trad. Inez Arcanjo. São Paulo: Palavra da fé produções ltda., 2000.

GAMONS, Peter. In: O poderoso nome de JESUS. Sem cidade: Conexão Paz, 1993.

GUERREIRO, Isaque Lameira. In: Manual prático do missionário. Sem cidade: Sem editora, 1995.

HINN, Benny. In: Bom dia ESPÍRITO SANTO. São Paulo: Bom pastor editora ltda., 2002.

____________. In: Este é o dia do seu milagre. São Paulo: Bom pastor editora ltda., 2002.

HAGIN, Kenneth E. In: O nome de JESUS. Trad. Gordon Chown. Rio de Janeiro: Graça Artes Gráficas e Editora Ltda., 1999.

MANLEY, Jack. In: Jorge Müller. Venda Nova, MG: Editora Betânia, 1986.

MILHOMENS, Valnice. In: Plano estratégico para a redenção da nação. São Paulo: Palavra da fé, 2000.

____________.  In: Comunhão e princípios de fé. São Paulo: Palavra da fé produções, ltda., 1993.

____________.  In: Orando a palavra. São Paulo: Palavra da fé produções, ltda., 1993.

____________.  In: Personalidades restauradas. São Paulo: Palavra da fé produções ltda., 1992.

____________. In: Adoração em santidade; Idolatria e religiosidade X Feitiçaria e imoralidade. São Paulo: Palavra da fé produções, 2002.

____________. In: Manual do consolidador: Construindo novos relacionamentos. São Paulo: Palavra da fé produções ltda., sem data.

____________.  In: Bem vindo à Família de Deus. São Paulo: Igreja Nacional do Senhor JESUS CRISTO, sem data.

NOVA, Renê Terra. In: Babilônia e Roma: a diferença é o nome. Manaus: Semente de vida Ltda., 1999.

O NOVO TESTAMENTO VIVO. São Paulo: Editora mundo cristão, 1988.

PATE, Larry D. In: Missiologia – a missão transcultural da igreja. São Paulo: Editora Vida, 1997.

PÉCORA, Alcir. “Sermão da Sexagésima”. In: Padre Antonio Vieira, Sermões 1. org. de Alcir Pécora. São Paulo: Hedra, 2000.

 



1 Romanos 8.14 “Pois todos os que são guiados pelo ESPÍRITO de DEUS são filhos de DEUS”.

2 Malaquias 3.6 “Porque EU, o SENHOR, não mudo; por isso, vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos”.

3 Gênesis 6.6 “então se arrependeu o SENHOR de ter feito o homem na terra, e isso lhe pesou no coração”.

4 Jeremias 29.11 “EU é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais”.

5 Salmo 135.3 “Louvai o SENHOR, porque o SENHOR é bom; cantai louvores ao seu nome, porque é agradável”.

6 Gênesis 6.11 “A terra estava corrompida à vista de DEUS e cheia de violência”.

7 Gênesis 6.6 “então se arrependeu o SENHOR de ter feito o homem na terra, e isso lhe pesou no coração”.

8 Gênesis 6.3 “Então, disse o SENHOR: O MEU ESPÍRITO não agirá para sempre no homem, pois este é carnal; e os seus dias serão cento e vinte anos”.

9 Gálatas 5.19-21 “Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e  cousas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de DEUS os que tais cousas praticam”.

10 Gálatas 5.22-23 “Mas o fruto do ESPÍRITO é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra esta cousas não há lei.

11 Gênesis 1.26 “Também disse DEUS: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra e sobre todos os répteis que rastejam pela terra”.

12 Lucas 3.38 “Cainã, filho de Enos, Enos, filho de Sete, e este, filho de Adão, filho de DEUS”.

13 João 8.44 “Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira”.

14  Hebreus 1.5 “Pois a qual dos anjos disse jamais: Tu és MEU Filho, EU hoje te gerei? E outra vez: EU lhe serei Pai, e ele me será Filho?”.

15 Mateus 13.25 “mas, enquanto os homens dormiam, veio o inimigo dele, semeou joio no meio do trigo e retirou-se”.

16 Gênesis 2.16-17 “E o SENHOR DEUS lhe deu esta ordem: De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás” – uma interpretação muito pobre desta passagem afirma que o pecado foi comer o fruto, quando na verdade a causa do pecado foi outra: o homem não cuidou como devia do jardim, pois a serpente lá penetrou. Ambos, mulher e homem, desobedeceram o comando de não comer e depois que comeram passaram a fazer o trabalho do diabo: se acusaram (perspectiva esta bem diferente da limitada visão de que o pecado foi “comer a maçã” quando as escrituras nenhuma vez citam tal palavra).  Há também quem diga que isso era figurativo e significava que o pecado foi Adão manter relações sexuais com Eva, quando, na verdade, tais relações foram permitidas por DEUS ao decretar “multiplicai-vos”. Por fim, uma outra visão totalmente absurda e muito apresentada por aquelas(es) que se dizem feministas é dizer que apenas Eva é apresentada como culpada, todavia tal argumento é completamente fraco e cheio de cegueira, pois Eva foi enganada e Adão pecou conscientemente; ele não foi persuadido, ele se deixou seduzir: foi um rebelde e por isso, na epístola aos Romanos, Paulo diz que a morte entrou no mundo por um homem, o qual é Adão, assim, de certa forma seu pecado é tão grave como o de Eva.

17 Gênesis 3.6 “Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu”.

18 Gênesis 3.15 “Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar” – para esta passagem, uma tradução mais adequada é “Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua semente e o descendente da mulher. [...]”.

19 Lucas 4.1-13 “JESUS, cheio do ESPÍRITO SANTO, voltou do Jordão e foi guiado pelo mesmo ESPÍRITO, no deserto, durante quarenta dias, sendo tentado pelo diabo. Nada comeu naqueles dias, ao fim dos quais teve fome. // Disse-lhe, então, o diabo: Se és Filho de DEUS, manda que esta pedra se transforme em pão. // Mas JESUS lhe respondeu: Está escrito: Não só de pão viverá o homem. // E, elevando-o, mostrou-lhe, num momento, todos os reinos do mundo. // Disse-lhe o diabo: Dar-te-ei toda esta autoridade e a glória destes reinos, porque ela me foi entregue, e a dou a quem eu quiser. // Portanto, se prostrado me adorares, toda será tua. Mas JESUS lhe respondeu: Está escrito: Ao SENHOR, teu DEUS, adorarás e só a ele darás culto. // Então, o levou a Jerusalém, e colocou sobre o pináculo do templo, e disse: Se és Filho de DEUS, atira-te daqui abaixo; porque está escrito: Aos seus anjos ordenará a teu respeito que te guardem; e: Eles te susterão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra. Respondeu-lhe JESUS: Disto está: Não tentarás o SENHOR, teu DEUS. // Passadas que foram as tentações de toda sorte, apartou-se dele o diabo, até momento oportuno” – as barras transversais são acréscimos meu e servem para indicar parágrafos.

20 Lucas 1.34 “Então, disse Maria ao anjo: Como será isto, pois não tenho relação com homem algum?”.

21 Lucas 1.31 “Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem chamarás pelo nome de JESUS”.

22 João 1.14 “E o VERBO se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória como do unigênito do PAI”.

* Cabe aqui uma consideração: muitos misturam o conceito “religião” com o de “igreja” e, por isso poderiam argumentar que pela presença deste cães seria conveniente deixar de freqüentar a Igreja, todavia convém esclarecer tal idéia a luz de Hebreus 10.25 onde está escrito “Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima”. O relevante aqui é o <<não deixemos de congregar-nos>> e isto fala a respeito de pessoas, por isso diz Paulo em Romanos 16.5 “saudai igualmente a igreja que se reúne na casa deles. Saudai meu querido Epêneto, primícias da Ásia para CRISTO”; suplica o apóstolo <<igreja que se reúne na casa deles>>. E quem é esta Igreja? Entre os versículos 3 e 16 Paulo nos dá uma lista de nomes (Priscila, Áquila, Epêneto, Maria, Andrônico, Júnias, Amplíato, Urbano, Estáquis, Apeles, Trifena, Trifosa, Rufo, Hermas, Júlia, etc.) demonstrando que a Igreja é o ajuntamento das pessoas que servem a CRISTO (as quais são pedras vivas, como esta escrito em IPedro 2.5: “também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a DEUS por intermédio de CRISTO.”). Quem é a Igreja? Nós, nós que somos <<como pedras que vivem>>. Entretanto alguém poderá questionar: “mas nesses ajuntamentos não há a presença daqueles que são como cães sarnentos brigando por um osso?”. De fato há, mas isso não é motivo para não se reunir, primeiro porque já foi dito <<não deixemos de congregar-nos>>, e segundo porque já fomos alertados disso, pois o discípulo amado antevendo tal situação alertou-nos escrever em I João 2.18-19 onde chama tais pessoas de anticristos: “Filhinhos, já é a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo, também, agora, muitos anticristos têm surgido; pelo que conhecemos que é a última hora. Eles saíram de nosso meio; entretanto, não eram dos nossos; porque, se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco; todavia, eles se foram para que ficasse manifesto que nenhum deles é dos nossos”, e Paulo também confirma isso quando se despede de seus irmãos em CRISTO em Atos 20.23-30: “Eu sei que, depois da minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes, que não pouparão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando cousas pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles”. Posto isso, deixo de falar da igreja.

23 João 5.19 “Então, lhes falou JESUS: Em verdade, em verdade vos digo que o Filho nada pode fazer de si mesmo, senão somente aquilo que vir fazer o Pai; porque tudo o que este fizer, o Filho também semelhantemente o faz”.

24 Efésios 2.9 “não de obras, para que ninguém se glorie”.

25 Efésios 2.8 “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de DEUS”.

26 CASTELLANOS, César. “A salvação”. In: Fundamentos. São Paulo. Palavra da fé produções ltda, 2003.

27 Gênesis 1.31 “Viu DEUS tudo quanto fizera, e eis que era muito bom. Houve tarde e manhã, o sexto dia”.

28 Tiago 2.19 “Crês, tu que DEUS é um só? Fazes bem. Até os demônios crêem e tremem”.

29 Êxodo 20.4-5 “Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. // Não as adorarás, nem lhes darás culto; porque EU SOU O SENHOR, teu DEUS, DEUS zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem” – as duas barras transversais indicam novo parágrafo.

30 Salmo 115.8 “Tornem-se semelhantes a eles os que os fazem e quantos neles confiam”.

31 II Samuel 11.1-27 “Decorrido um ano, no tempo em que os reis costumam sair para a guerra, enviou Davi a Joabe, e seus servos, com ele, e a todo o Israel, que destruíram os filhos de Amom e sitiaram Rabá; porém Davi ficou em Jerusalém. // Uma tarde, levantou-se Davi do seu leito e andava passeando no terraço da casa real; daí viu uma mulher que estava tomando banho; era ela mui formosa. Davi mandou perguntar quem era. Disseram-lhe: É Bate-Seba, filha de Eliã e mulher de Urias, o heteu. Então, enviou Davi mensageiros que a trouxessem; ela veio, e ele se deitou com ela. Tendo-se ela purificado da sua imundícia, voltou para sua casa. A mulher concebeu e mandou dizer a Davi: Estou grávida. Então, enviou Davi mensageiros a Joabe, dizendo: Manda-me Urias, o heteu. Joabe enviou Urias a Davi. // Vindo, pois, Urias a Davi, perguntou este como passava Joabe, como se achava o povo e como ia a guerra. Depois, disse Davi a Urias: Desce a tua casa e lava os pés. Saindo Urias da casa real, logo se lhe seguiu um presente do rei. Porém Urias se deitou à porta da casa real, com todos os servos do seu senhor, e não desceu para sua casa. // Fizeram –no saber a Davi, dizendo: Urias não desceu a sua casa. Então, disse Davi a Urias: Não vens tu duma jornada? Por que não desceste a tua casa? Respondeu Urias a Davi: A arca, Israel e Judá ficam em tendas; Joabe, meu senhor, e os servos de meu senhor estão acampados ao ar livre; e hei eu entrar na minha casa, para comer e beber e para me deitar com minha mulher? Tão certo como tu vives e como vive a tua alma, não farei tal cousa. Então, disse Davi a Urias: Demora-te aqui ainda hoje, e amanhã te despedirei. Urias, pois, ficou em Jerusalém aquele dia e o seguinte. Davi o convidou, e comeu e bebeu diante dele, e o embebedou; à tarde, saiu Urias a deitar-se na sua cama, com os servos de seu senhor; porém não desceu a sua casa. // Pela manhã, Davi escreveu uma carta a Joabe e lha mandou por mão de Urias. Escreveu na carta, dizendo: Ponde Urias na frente da maior forca da peleja; e deixai-o sozinho, para que seja ferido e morra. Tendo, pois, Joabe sitiado a cidade pôs Urias no lugar onde sabia que estavam homens valentes. Saindo os homens da cidade e pelejando com Joabe, caíram alguns do povo, dos servos de Davi; e morreu também Urias, o heteu. Então, Joabe enviou notícias e fez saber a Davi tudo o que se dera na batalha. Deu ordem ao mensageiro, dizendo: Se, ao terminares de contar ao rei os acontecimentos desta peleja, suceder que ele se encolerize e te diga: Por que vos chegastes assim perto da cidade a pelejar? Não sabíeis vós que haviam de atirar do muro? Quem feriu a Abimeleque, filho de Jerubesete? Não lançou uma mulher sobre ele, do muro, um pedaço de mós corredora, de que morreu em Tebes? Por que vos chegastes ao muro? Então, dirás: Também morreu teu servo Urias, o heteu. // Partiu o mensageiro e, chegando, fez saber a Davi tudo o que Joabe lhe havia mandado dizer. Disse o mensageiro a Davi: Na verdade, aqueles homens foram mais poderosos do que nós e saíram contra nós ao campo; porém nós fomos contra eles, até à entrada da porta. Então, os flecheiros, do alto do muro atiraram contra os teus servos, e morreram alguns dos servos do rei; e também morreu o teu servo Urias, o heteu. Disse Davi ao mensageiro: Assim dirás a Joabe: Não pareça isto mal aos teus olhos, pois a espada devora tanto este como aquele; intensifica a tua peleja contra a cidade e derrota-a; e, tu, anima a Joabe. // Ouvindo, pois a mulher de Urias que seu marido era morto, ela o pranteou. Passado o luto, Davi mandou busca-la e a trouxe para o palácio; tornou-se ela sua mulher e lhe deu à luz um filho. Porém isto que Davi fizera foi mal aos olhos do SENHOR”.

32 IReis 11.1-3 “Ora, além da filha de Faraó, amou Salomão muitas mulheres estrangeiras: moabitas, amonitas, edomitas, sidônias e hetéias, mulheres das nações de que havia o SENHOR dito aos filhos de Israel: Não caseis com elas, nem casem elas convosco, pois vos perverteriam o coração, para seguirdes os seus deuses. A estas se apegou Salomão pelo amor. Tinha setecentas mulheres, princesas e trezentas concubinas; e suas mulheres lhe perverteram o coração”.

* E poderia um ídolo enganar? As Escrituras, em Habacuque 2.18-19, respondem: “Que aproveita o ídolo, visto que o seu artífice o esculpiu? E a imagem de fundição, mestra de mentiras, para que o artífice confie na obra, fazendo ídolos mudos? Ai daquele que diz à madeira: Acorda! E à pedra muda: Desperta! Pode o ídolo ensinar? Eis que está coberto de ouro e de prata, mas, no seu interior, não há fôlego nenhum”. Tal passagem permite elucidar: que os ídolos não são vivos e que se eles comunicam alguma coisa sem que haja fôlego de vida dentro deles é apenas por uma razão: estão habitados por espíritos de prostituição – conforme anteriormente exposto em Oséias 4.12.

33 Oséias 4.11-12 “A sensualidade, o vinho e o mosto tiram o entendimento. O MEU povo consulta o seu pedaço de madeira, e a sua vara lhe dá resposta; porque um espírito de prostituição os enganou, eles, prostituindo-se, abandonaram o seu DEUS”.

** Teimo ainda nesse ponto: alguns poderão dizer: mas DEUS não ordenou que Moisés fizesse uma serpente de bronze em Números 21.8 quando “Disse o SENHOR a Moisés: Faze uma serpente abrasadora, põe-na sobre uma haste e será que todo mordido que a mirar viverá”? E a serpente de bronze não era uma imagem de escultura? Logo é a vontade de DEUS que se façam tais imagens. Entretanto, respondo o seguinte: se esta fosse a vontade permanente de DEUS as Escrituras não diriam acerca do rei Ezequias aquilo que consta em IIReis 18.3-4: “Fez ele o que era reto perante o SENHOR, segundo tudo o que fizera Davi, seu pai. Removeu os altos, quebrou as colunas e deitou abaixo o poste-ídolo; e fez em pedaços a serpente de bronze que Moisés fizera, porque até aquele dia os filhos de Israel lhe queimavam incenso e lhe chamavam Neustã”. Diz a Escritura que fez o que era reto; se foi reto era por ocasião de ter agradado ao SENHOR; se o agradou fez algo para o agradar, e que fez? Diz a passagem “fez em pedaços a serpente de bronze que Moisés fizera”.

34 Gênesis 15.7-8 “Disse-lhe mais: EU SOU O SENHOR que te tirei de Ur dos caldeus, para dar-te por herança esta terra. Perguntou-lhe Abrão: SENHOR DEUS, como saberei que hei de possuí-la? Respondeu-lhe: Toma-me uma novilha, uma cabra e um cordeiro, cada qual de três anos, uma rola e um pombinho”.

35 Êxodo 12.5,7 e 13. “O cordeiro será sem defeito, macho de um ano; podereis tomar um cordeiro ou um cabrito; [...] Tomarão do sangue e o porão em ambas as ombreiras e na verga da porta, nas casas em que o comerem. O sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; quando EU vir o sangue passarei por vós, e não haverá entre vós praga destruidora, quando EU ferir a terra do Egito”.

36 Isaías 53.5,7, 11-12. “Mas ELE foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ELE, e pelas suas pisaduras fomos sarados. [...] ELE foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e, como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ELE não abriu a boca. [...] ELE verá o fruto do penoso trabalho de SUA alma e ficará satisfeito; o MEU Servo, o Justo, com o SEU conhecimento, justificará a muitos, porque as iniqüidades deles levará sobre si. Por isso, EU lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ELE o despojo, porquanto derramou a SUA alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu”.

37 João 1.29 “No dia seguinte, viu João a JESUS, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de DEUS, que tira o pecado do mundo”.

38 CASTELLANOS, César. “Ganhar”. In: A escada do sucesso. São Paulo: Palavra da fé produções ltda., 2001. p.42-43.

39 GARLOW, James L. “A linguagem da aliança no velho testamento”. In: A alianca. Campinas: Casa Nazarena, 2003.

40 Marcos 14.24 “Então, lhes disse: Isto é o MEU sangue, o sangue da [nova] aliança, derramado em favor de muitos”.

41 Isaías 53.2-3 “Porque foi subindo como renovo perante ELE e como raiz duma terra seca; não tinha aparência nem formosura; olhamo-LO, mas nenhuma beleza havia que nos agradasse. Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer; e, como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dELE não fizemos caso”.

42 Marcos 15.30 “Salva-te a ti mesmo, descendo da cruz!”.

43 Lucas 23.34 “Contudo, JESUS dizia: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. Então, repartindo as vestes dele, lançaram sortes”.

44 Mateus 9.12  “Mas JESUS, ouvindo, disse: Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes”.

45 Atos 2.38 “Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de JESUS CRISTO para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do ESPÍRITO SANTO”.

46 Romanos 10.9-10 “Se, com a tua boca, confessares JESUS como SENHOR, e em teu coração, creres que DEUS o ressuscitou dentro os mortos, serás salvo. Porque com coração se crê para justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação”.

47 João 1.12 “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de DEUS, a saber, aos que crêem no SEU nome”.

48 Gálatas 4.5 “para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos” – este versículo alude às instruções que Paulo dava à Igreja existente na Galácia, cujo corpo de fiéis provinham do judaísmo. Por esta causa alguns podem sentir-se tentados à dizer que tais instruções não são necessárias para os “não judeus”, outros poderão dizer que tais instruções não são válidas por não estarmos sob o regime da Lei, mas da graça. Entretanto tal análise é um equivoco muito grave o qual não terá seu “por quê” aqui discutido, pois requer espaço e tempo enorme – atualmente não disponíveis -, além de fugir do propósito desta mensagem (mas, se a proposição de que a Lei acabou é verdadeira, fica a pergunta: por quê terá JESUS, em Mateus 5.17-18, dito: “Não pensei que vim revogar a lei ou os profetas; não vim para revogar, vim para cumprir. Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da lei, até que tudo se cumpra” e depois Paulo, em Romanos 3.31 “Anulamos, pois a lei pela fé? Não, de maneira nenhuma! Antes, confirmamos a lei”. Haverá que isto seja uma contradição? Evidente que não, porém, como já foi dito, seria necessário muito tempo e páginas para discorrer acerca desta questão que está muito longe de ser uma contradição).

49 Marcos 1.15 “dizendo: O tempo está cumprido, e o reino de DEUS está próximo; arrependei-vos e crede no evangelho”.

50 Mateus 7.13-14 “Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), porque estreita é a porta, e apertado o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela”.

51 Apocalipse 22.21 “A graça do SENHOR JESUS seja com todos”.

52 João 1.12 “Mas, a todos quantos O receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de DEUS, a saber, aos que crêem no SEU nome”.

53 Apocalipse 3.20 e 22 “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo. [...] Quem tem ouvidos, ouça o que o ESPÍRITO diz às igrejas”.