Projeto "Odorico Mendes"
Instituto de Estudos da Linguagem - IEL

O projeto "Odorico Mendes" tem por meta principal a divulgação da obra do maranhense Manuel Odorico Mendes (1799-1864), sobretudo de suas traduções dos clássicos gregos e latinos (todo Homero e todo Virgílio em decassílabos). Nasceu do empenho de um grupo de professores e alunos do Departamento de Lingüística do IEL que, estudiosos de latim e grego, somam seus esforços ao empenho recente para resgatar uma obra que já foi alvo de críticas pelo menos discutíveis, quando não absolutamente equivocadas. No âmbito do projeto, criou-se o “Grupo de Trabalho Odorico Mendes”, com o objetivo de preparar edições anotadas e comentadas das traduções de Virgílio realizadas pelo maranhense. Como atividade inicial, preparou-se uma edição da Eneida Brasileira destinada não apenas ao ambiente restrito da universidade, mas ao leitor culto em geral. Assim, procurou-se facilitar o acesso a um texto complexo não somente pelas alusões mitológicas e históricas, já presentes no original, mas sobretudo por escolha lexical preciosa e estrutura sintática amiúde incomum, de feição muitas vezes arcaizante e com recurso ao neologismo. Além da modernização da ortografia do texto português (escrito no século XIX), a equipe elaborou um grande número de notas de rodapé, para esclarecer as dificuldades que o texto oferece até mesmo ao leitor especializado. A edição que corou esse trabalho estampou também as notas do próprio Odorico Mendes, que revelam seu cuidado filológico com a compreensão precisa do texto, assim como alguns de seus critérios como tradutor - uma espécie de ars tradutória, ligeiramente esboçada aqui e ali. Por fim, acrescentou-se um bom número de comentários, muitas vezes extensos e minuciosos, à tradução em si, canto por canto, que chamam a atenção dos leitores para o modo como o tradutor soluciona criativamente os desafios do texto original, reproduzindo em português melodioso e escorreito efeitos de som, ritmo e sintaxe. 
 
Integraram o Grupo de Trabalho “Odorico Mendes”, que elaborou a anotação crítica da Eneida

André Albino de Almeida 
Aristóteles Angheben Predebon 
Carolina Ferreira 
Daniel Rossi 
Isabella Tardin Cardoso 
Josiane T. Martinez 
Júlio M. Carmo Neto 
Leandro Vendemiatti 
Maria Célia C. Nobre 
Matheus Trevizam 
Patrícia Prata 
Paulo Sérgio de Vasconcellos (coordenador)
Robson Tadeu Cesila 
Sidney Calheiros de Lima 


A Eneida Brasileira foi publicada em 2008 pela Editora da UNICAMP com o apoio da FAPESP.

Nos mesmos moldes dessa edição, o Grupo de Trabalho preparou a publicação das Bucólicas, também lançada em 2008, em co-edição da Ateliê Editorial e Editora da UNICAMP, com apoio da FAPESP. Esse trabalho foi realizado pela seguinte equipe:

Alexandre Hasegawa
Bianca Morganti
Brunno Vinícius Vieira
Charlene Martins Miotti
Júlio Maria do Carmo
Giovani Klein
Lucy Ana de Bem
Maria Musa de Paula
Paulo Sérgio de Vasconcellos (coordenador)
Yma Souza de Abreu.

O Grupo trabalhará, em 2009 e 2010, na edição da tradução das Geórgicas, sempre com o mesmo espírito e as mesmas metas das outras edições.

Além das publicações, como fruto do esforço em contribuir para a divulgação da obra de Odorico Mendes e sua reapreciação crítica, contam-se, como produção de membros do Grupo, artigos e conferências ministrados em várias ocasiões e instituições.

Texto "Machado de Assis sobre Odorico Mendes".

Matéria no Jornal O IMPARCIAL - "Odorico Renasce".

Matéria no Jornal da UNICAMP - "Da Roma de Virgílio à São Luís de Odorico Mendes".

Grupo Odorico Mendes presente em congresso de estudos clássivos na cidade de Havana

Integrantes do grupo Odorico Mendes (Bianca Morganti, Patrícia Prata e o coordenador Paulo Vasconcellos) apresentaram em La Havana, num congresso de estudos clássicos que ocorreu entre 8 e 12 de dezembro de 2009, uma sessão coordenada sobre Odorico Mendes. A recepção foi ótima: houve manifestações de grande interesse pelas traduções de Odorico da parte dos professores cubanos presentes na ocasião. Doaram-se à biblioteca da Universidade de La Havana as edições da Eneida e dasd Bucólicas publicadas pelo grupo. Vejam-se no link fotos do evento. (Clique sobre a imagem para ampliá-la.)

       

Descoberto prólogo inédito da tradução da Iliada realizada por Odorico Mendes

As pesquisadoras Raquel da Silva Yee e Rosane de Souza, ao consultarem o acervo de D. Pedro II no Museu Imperial de Petrópolis, no estado do Rio de Janeiro, fizeram uma descoberta sensacional: um prólogo inédito de Odorico Mendes à sua tradução da Ilíada, além do manuscrito dessa tradução. Com o consentimento das pesquisadoras, divulgamos abaixo a transcrição completa do prólogo, com grafia atualizada, e uma foto de página do manuscrito.

Texto (arquivo PDF)

Crédito: Pesquisa realizada em 29 de julho de 2008. Documento 1077/Maço 47. MUSEU IMPERIAL-IBRAM-MINISTÉRIO DA CULTURA.


Arquivo com a primeira edição (1854) da Eneida Brazileira de Odorico Mendes. Texto digitado por Leandro Abel Vendemiatti e revisado por Paulo Sérgio de Vasconcellos. 
Livro02.rtf - 94Kb
Livro03.rtf - 94Kb
Livro04.rtf - 94Kb
Livro05.rtf - 90Kb
Livro06.rtf - 72Kb
Livro08.rtf - 58Kb
Livro09.rtf - 51Kb
Livro10.rtf - 63Kb
Livro11.rtf - 59Kb
Livro12.rtf - 58Kb

Texto latino da Eneida de Virgílio estampado no livro Virgilio Brazileiro (1858) ao lado da tradução de Odorico Mendes. Digitação: Robson Tadeu Cesila. Revisão final: Paulo Sérgio de Vasconcellos. 
LiberI.rtf - 50Kb
LiberII.rtf - 49Kb
LiberIII.rtf - 45Kb
LiberIV.rtf - 43Kb
LiberV.rtf - 53Kb
LiberVI.rtf - 56Kb
LiberVIII.rtf - 45Kb
LiberIX.rtf - 50Kb
LiberX.rtf - 56Kb
LiberXI.rtf - 55Kb
LiberXII.rtf - 59Kb